Navio naufragado mais antigo do mundo é descoberto no Mar Negro

2400 anos sob a água, mas ainda praticamente intacto. Acredite se quiser, mas essa é a condição em que arqueólogos encontraram um navio naufragado no Mar Negro, que fica no leste europeu.

A embarcação tem 23 metros de comprimento e os pesquisadores acreditam que tenha sido construída na Grécia Antiga. O navio está com mastro, lemes e bancos de remo bastante preservados, provavelmente por estar a cerca de 1,6km da superfície, num local com pouco oxigênio.

Os arqueólogos acreditam que o navio fosse usado comercialmente, e dizem que só se conhecia embarcações parecidas com essa graças à arte grega, principalmente às pinturas em objetos de cerâmica, como o chamado Vaso de Sereia, que está exposto no Museu Britânico, em Londres.

A intenção dos pesquisadores é que o navio seja mantido onde está e, caso seja estudado, isso aconteça mesmo debaixo do mar. Um pedaço da embarcação foi levada para a Universidade de Southampton, na Inglaterra, e passou por uma datação por carbono, que indicou a idade aproximada de 2400 anos, o que o transforma no navio naufragado mais antigo já descoberto.

A equipe de arqueólogos está em uma missão de três anos que tem como objetivo explorar o Mar Negro e entender melhor como mudanças no nível do mar durante a pré-história impactaram a humanidade. Até agora, mais de 60 navios naufragados foram encontrados durante o processo.

Foto do navio: Divulgação Científica

Foto do vaso via British Museum/fonte:via

Anúncios

Historiador faz descoberta incrível ao analisar fotografia de templo grego de 1858

A curiosidade de um historiador proporcionou uma descoberta sem precedentes para a humanidade. O inglês Paul Cooper encontrou uma foto incrível do Templo do Olímpico de Zeus, na Grécia.

Paul desvendou um quebra-cabeça com a imagem das ruínas do templo, tirada por volta de 1858. Ele estava pesquisando sobre histórias esquecidas de ruínas ao redor do mundo para uma matéria do curso de PhD. Com isso, conseguiu montar uma linha do tempo mostrando como a construção se transformou ao longo dos séculos.

No caso do Templo Olímpico de Zeus, o que chamou a atenção do historiador foi um objeto estranho na parte superior da construção, “que diabos poderia ser aquilo?”, se questionou.

O interessante é que o objeto – que lembra muito uma pequena edícula, não pode ser visto como parte das ruínas nos dias de hoje. Chama a atenção o fato de que a construção pode ser vista em algumas fotografias históricas do século 19. Paul, então, se questionou sobre a possibilidade de pessoas terem vivido lá. “Como a edícula teria sido incluída em algumas fotos e excluída de outras?”

Para nossa alegria, Paul conseguiu desfazer o mistério e deu detalhes sobre a aventura em uma thread sensacional no Twitter. Segundo o historiador, o anexo realmente existiu. O inglês diz que pairava entre os cristãos a ideia de que morar na parte de cima de grandes construções os aproximariam de Deus. Inclusive, eles recebiam comida e água, entregues por meio de uma corda.

Após a independência da Grécia do Império Otomano, autoridades decidiram demolir a construção para reforçar conceitos de identidade nacional e valorizar o período helenístico.

“De qualquer forma, esta é a história de como eu não consegui cumprir minhas obrigações hoje. Eu vou escalar um pilar para pedir perdão”, encerrou.

Fotos: Reprodução/fonte:via

Moradora de ilha grega paradisíaca dá casa e salário para quem cuidar de seus gatos

Gosta de gatos? Mas, gosta mesmo? Então prepare-se, pois uma responsável vai se ausentar de sua casa e está em busca de quem queira cuidar dos felinos.

Agora, existem dois detalhes que vão transformar sua experiências. A primeira é que, são ao menos 50 gatos, localizados em santuário na ilha paradisíaca de Syros, em frente ao Mar Egeu, na Grécia.

O emprego dos sonhos é remunerado e dá ao selecionado a chance de alimentar a paixão pelos bichanos, além de conhecer um dos lugares mais belos do planeta. Que tal? Joan Bowell disse está em busca de alguém “maduro e genuinamente apaixonado por gatos”.

É importante saber como lidar com os gatos, pois alguns deles, segundo a dona, possuem “temperamento selvagem”. Ou seja, os que têm experiência em medicina veterinária e carteira de motorista saem na frente. A carta de habilitação é importante para alguma emergência, como levar os animais ao hospital.

A experiência também conta e pessoas com mais de 45 anos são o encaixe perfeito para os anseios de Joan. Ficou interessado? As inscrições podem ser feitas pela página do Facebook do santuário God’s Little People Cat Rescue.

“Certamente você se dará bem ser uma pessoa que ama a natureza, gosta de tranquilidade e da sua própria companhia.”, finaliza.

Fotos: Reprodução/fonte:via

Arqueólogos encontraram o mais antigo registro do épico ‘Odisseia’, de Homero

Uma das capas da Odisseia

A Odisseia é um dos dois principais poemas épicos da Grécia Antiga. Acredita-se que seja uma sequência da Ilíada, também tida como obra de Homero. Os dois textos são poemas elaborados ao longo de séculos de tradição oral. A Odisseia relata o regresso de Odisseu, (ou Ulisses, como era chamado no mito romano), que leva dez anos para chegar à sua terra natal, Ítaca, depois da Guerra de Troia, que também havia durado dez anos. Por isso a paravra Odisseia em português tem o sentido de viagens longas e épicas.

Não é o texto completo, mas treze versos onde Odisseu conversa com seu amigo Eumaeus

Arqueólogos desenterraram uma antiga placa gravada com 13 versos da Odisséia na antiga cidade de Olímpia, no sul da Grécia. Este pode ser o registro mais antigo do poema épico, disse o Ministério da Cultura da Grecia. Acredita-se que a placa de argila tenha sido escrita no século 3 dC, durante a era romana. Se esta data for confirmada, a peça pode ser o mais antigo registro escrito do trabalho de Homero já descoberto na Grécia”, anunciaram. O trecho, tirado do livro 14, descreve o retorno de Ulisses à sua ilha natal de Ítaca.

A placa foi descoberta após três anos de escavações de superfície pelos Serviços Arqueológicos Gregos, em cooperação com o Instituto Alemão de Arqueologia. A relíquia foi encontrada perto das ruínas do Templo de Zeus, onde aconteciam os Jogos Olímpicos, na península Peloponeso.

Uma das capas da Odisseia

Composto oralmente durante o século VIII aC, o poema épico foi transcrito durante a era cristã para o pergaminho, do qual apenas alguns fragmentos foram descobertos no Egito. Os pesquisadores comemoram o que chamaram de “uma grande peça arqueológica, epigráfica, literária e histórica”.

fonte:via

E se 7 famosas ruínas históricas fossem restauradas?

Em um mundo que se move para frente de forma rápida e implacável, temos a sorte de ainda ter as ruínas de civilizações antigas para nos lembrar do nosso passado. Mas mesmo sendo inspirador visitar algo que foi construído há milhares de anos, nem sempre é fácil entender como seria a aparência dele.

Pegue o Parthenon, em Atenas, por exemplo. Hoje é principalmente uma coleção de pilares muito antigos sem teto, por causa de uma explosão que aconteceu no século 17. Todos os seus tesouros, incluindo uma enorme estátua da deusa Atena, desapareceram há muito tempo.

Felizmente, uma equipe de artistas se deu ao trabalho de recriar digitalmente o que, segundo os especialistas, seria o interior do Partenon teria parecido com seu melhor momento original – e é incrível de se ver. Eles fizeram o mesmo com outras seis ruínas famosas, de Angkor Wat, no Camboja, a algumas casas de banho romano na Inglaterra, e o resultado é o mais próximo que você pode chegar sem entrar em uma máquina do tempo.

Uma das coisas mais difíceis de imaginar quando se olha para as ruínas antigas é ver o tipo de enfeite incrustado de joias que certamente estava em uma sala tão grandiosa quanto a Corte Octogonal de Domus Aurea, em Roma. Ela remonta a cerca de 65 dC e era basicamente uma sala de festas para o Imperador Nero, então provavelmente viveu algumas coisas malucas.

Porém, ao visitá-lo hoje, você só verá um monte de paredes nuas e uma cúpula. Mas, com a ajuda de alguma magia digital, você pode realmente ver uma sala adequada para um imperador e sua turma, do mosaico da cúpula até as paredes cobertas de pedras e flores.

Role para baixo para ver todas as sete incríveis ruínas antigas trazidas de volta à vida:

#1 Casa Dourada do Imperador Nero – Roma, Itália

Construído entre 65 e 68 dC por um dos mais notórios imperadores de Roma, a Casa Dourada de Nero era um luxuoso complexo de palácios que abrigava festas e banquetes do imperador. A grande sala octogonal tinha uma cúpula de concreto, provavelmente coberta de mosaico de vidro. O historiador romano Suetônio nos fala de um "salão circular de banquetes, que girava incessantemente, dia e noite, como os céus". Ele descreve paredes incrustadas de pedras preciosas, decorações e tetos de marfim e madrepérola que banham os convidados com flores e perfumes. Luxo puro

#2 Parthenon – Atenas, Grécia

Sentado no topo da colina na Acrópole, o Parthenon foi construído em meados do século 5 aC para abrigar uma monumental estátua de ouro de Atena. Todos nós conhecemos o exterior deste templo icônico, mas o que aconteceu lá dentro? A gigantesca estátua tinha mais de 12 metros de altura e era esculpida em marfim e ouro - 1.140 quilos de ouro, para ser exato. Uma bacia de água estava na frente de Athena para fornecer umidade, que preservava o marfim. Essa demonstração óbvia de riqueza e poder enviou uma mensagem muito clara ao resto do mundo. E para aqueles sortudos o suficiente para ver o Partenon de dentro, no auge, a estátua deve ter sido nada menos do que inspiradora.

#3 Basílica de Constantino – Roma, Itália

Este majestoso edifício foi a maior de todas as basílicas romanas. Cobrindo 6.500 metros quadrados, atuou como uma casa de reunião, área comercial e prédio administrativo. Foi projetado em grande estilo, por sua localização privilegiada e importância para o governo e público romano. As espetaculares colunas, os pisos de mármore multicoloridos e as paredes de azulejos dourados de bronze fizeram deste um dos edifícios mais impressionantes da Roma Antiga. Os detalhes ornamentados podem ter desaparecido com o tempo, mas com essa reconstrução você pode ter uma ideia da antiga opulência da basílica

#4 Fortaleza de Massada – Massada, Iraque

Segundo Josefo Flávio, governador da Galiléia, Herodes, o Grande, construiu a fortaleza de Massada entre 37 e 31 aC. Ela fica no topo de um penhasco rochoso isolado com vista para o Mar Morto e é um lugar de beleza majestosa. O elegante e íntimo palácio residencial do Rei Herodes consistia em três terraços luxuosos. Aqui, reinventamos o terraço inferior, projetado especialmente para entretenimento e relaxamento. Era cercada por pórticos, com paredes cobertas de belos afrescos de padrões geométricos multicoloridos. Caso isso não pareça luxuoso o suficiente, havia também uma pequena casa de banho privada.

#5 Angkor Wat (Siem Reap, Camboja)

Este complexo foi originalmente um templo hindu dedicado ao deus Vishnu. Estima-se que levou cerca de 30 anos para ser construído. Passou para um templo budista no final do século XII e acredita-se ser o maior edifício religioso do mundo. De longe, Angkor Wat parece ser uma enorme massa de pedra. Uma vez lá dentro, no entanto, os visitantes encontrarão uma série de torres elevadas, varandas e pátios em diferentes níveis, ligados por uma série de escadas

6# Grande Kiva, ruínas astecas Monumento Nacional – Novo México, Estados Unidos

Essas ruínas foram descobertas pela primeira vez em 1859 e fornecem informações valiosas sobre o cotidiano do povo Pueblo. Espalhados por 27 hectares, as ruínas possuem mais de 450 quartos. Construídas em parte subterrâneas, as "grandes kivas" eram estruturas enormes e redondas, onde as pessoas se reuniam para socializar, discutir questões importantes do dia ou fazer uma festa comunitária. Os visitantes podem encontrar o kiva restaurado percorrendo as trilhas originais que passam pelas ruínas. E se você não conseguir chegar ao Novo México, essa reconstrução deve dar uma ideia de como essa grande civilização viveu

#7 Termas romanas de Bath – Inglaterra

Este complexo de casas de banho é um exemplo perfeito do estilo de vida romano luxuoso. Construído por volta de 70 dC, as termas eram parte integrante da vida cotidiana romana antiga. Oferecendo aos cidadãos a oportunidade de se misturar, fofocar e relaxar, a cultura dos banhos mostrou ao mundo inteiro o quão superiores (e limpos) os romanos eram. Enquanto está ao ar livre atualmente, as termas foram originalmente cobertas por um teto abobadado de 45 metros de altura. Esta reconstrução permite mergulhar os dedos dos pés para sentir um pouco do luxo