Perseguindo a inovação, ela descobriu como transformar cocô de vaca em roupas

Todo mundo sabe que o esterco é importante para adubar terras e torna-las férteis para a produção de alimentos, mas uma startup holandesa descobriu uma utilidade inovadora e totalmente surpreendente para o cocô de vacas: tecido para roupas do dia a dia.

Acredite: é mais interessante e menos nojento do que você está pensando. A iniciativa é da Mestic, empresa criada por Jalila Essaïdi, especialista em biocultura que promete atacar dois problemas de uma só vez: a poluição de rios causada pelo excesso de excrementos animais ligado à pecuária e os efeitos ao meio ambiente trazidos pela indústria têxtil.

“Nós vemos o esterco como material residual, uma coisa nojenta e fedida. Mas os processo de fabricação de outros tecidos também não são nada limpos ou bonitos no começo. Você precisa mostrar às pessoas a beleza oculta na transformação da celulose”, disse Jalila ao Guardian.

A empreendedora explica que o esterco é composto por 80% de água, e o resto é basicamente celulosa, vinda do capim e dos grãos dos quais os animais se alimentam. O processo de fabricação separa o material líquido do sólido, e tira do primeiro os solventes que transformam o segundo em tecido.

O método é mais eficiente energeticamente do que o tradicional porque não precisa usar altas pressões para soltar as fibras, já que o estômago das vacas já iniciou esse processo.

Mas a pergunta que certamente passa pela cabeça de todo mundo que fica sabendo da empreitada da Mestic é a mesma: as roupas são fedidas? Bem, de acordo com este teste feito por uma rede de televisão holandesa, não.

Eles levaram as peças às ruas e pediram que transeuntes tentassem identificar qualquer coisa de diferente em seu odor. A resposta geral foi de que não, e as pessoas afirmaram que usariam as roupas, mesmo depois de saber do que elas eram feitas.

Por enquanto, as roupas da Mestic só foram criadas em coleções experimentais, mas a empresa está em contato com fabricantes que se mostraram dispostas a utilizar o tecido em seus produtos, mas ainda não sabem como contornar o efeito adverso que a ideia de vestir algo feito a partir de esterco causaria nos consumidores.

Para inovar e empreender, é preciso ter coragem, ousadia e acreditar na sua própria essência e potencial. Por isso, o Hypeness uniu forças com o programa Shark Tank Brasil, do Canal Sony, para contar histórias e dar dicas inspiradoras de quem conseguiu usar experiência de vida, muito trabalho e criatividade para ter sucesso com um negócio próprio. Para tentar convencer os investidores, que no programa procuram negócios originais e inovadores, os empreendedores precisam se superar e, fora dos estúdios, a realidade não é diferente. Acompanhe estas histórias e inspire-se!

Fotos: Divulgação/Mestic/fonte:via

Anúncios

Ela transforma roupas velhas e sem caimento em peças estilosas e exclusivas

Você sabia que a indústria da moda é a segunda maior poluidora industrial, perdendo apenas para o petróleo e que o norte americano costuma jogar fora cerca de 70 quilos de roupas todos os anos? Foi essa preocupação, somada com a necessidade de economizar dinheiro, que fizeram com que a norte americana Sarah Tyau passasse a dar nova vida às roupas velhas, que já tinham o lixo como destino certo.

Ela, que é mãe de 3, começou a reciclar as peças de roupa antigas que encontrava em brechós e com a sua família, logo que sua primeira filha nasceu e, desde então essa tornou-se sua ideologia. Com o tempo escasso e sem nunca ter feito um curso de corte e costura, Sarah já conquistou mais de 135 mil seguidores no Instagram e tem mostrado que suas habilidades não são poucas.

Escandalizada com o fato de que as marcas de fast fashion costumam lançar cerca de 52 mini coleções todos os anos (uma por semana), ela decidiu diminuir seu impacto no meio ambiente e inspira as pessoas a fazerem o mesmo. Sua dica? “Comprar peças clássicas mais intemporais e misturá-las com algumas peças da moda aqui e ali. Dessa forma, você não joga fora tantas roupas e nem sempre precisa comprar constantemente para continuar na moda”, disse ao site Bored Panda.

Com um canal no Youtube onde ensina a fazer transformações geniais em roupas que ninguém daria nada, ela já possui quase 5o mil inscritos e agora planeja sua própria linha de roupas, sempre mantendo a mesma ideologia e, com os lucros destinados às crianças carentes.

Autodidata, consciente e direta, Tyau deixa um recado: As roupas, como qualquer outra coisa materialista, não lhe dão felicidade duradoura, mas apenas um momento fugaz de excitação. Em vez de dar tanta importância ao que você veste, quanto custa ou qual marca de grife você está usando, concentre-se em ser gentil, ter integridade e moral e você sempre estará na moda”.

Fotos: Sarah Tyau /fonte:via