Catadores ganham bikes para combater crueldade com cavalos

Resultado de imagem para Catadores ganham bikes para combater crueldade com cavalos

Os catadores de lixo realizam um trabalho fundamental para impulsionar a coleta seletiva de materiais recicláveis, especialmente em cidades cujas prefeituras não dispõem de caminhões e lixeiros para cumprir a tarefa, capaz de evitar que várias toneladas de lixo reaproveitável parem em lixões.

Um dos pontos negativos da atividade é o uso frequente de animais, especialmente cavalos, para carregar as pesadas carroças que acumulam vários quilos de material reciclável. Pensando nisso, um projeto alagoano doou trinta bikes adaptadas especialmente para os catadores.

Resultado de imagem para Catadores ganham bikes para combater crueldade com cavalos

As chamadas Ciclolix fazem parte do projeto Relix, uma iniciativa do Sesi que propõe de ações de educação e arte para conscientizar sobre a importância da sustentabilidade.

Cada Ciclolix tem capacidade para armazenar até 450 kg de material, e conta com sinalização e cores chamativas para aumentar a segurança dos catadores durante a atividade, além de amassador de latinha e de garrafas PET. As bicicletas adaptadas foram entregues a cooperativas e associações de catadores de Maceió e mais sete cidades alagoanas.

Resultado de imagem para Catadores ganham bikes para combater crueldade com cavalos

fonte:via
Anúncios

Cuiabá terá pontos de ônibus de contêiner com jardim suspenso e energia solar

Em Cuiabá, uma iniciativa inovadora transforma contêineres que seriam descartados em pontos de ônibus.

O primeiro abrigo do tipo foi inaugurado em junho na cidade e já está em funcionamento. Ao todo, 82 paradas de ônibus deverão seguir o mesmo modelo. Através do programa “Adote um Abrigo“, empresas privadas podem financiar as estruturas e, em contrapartida, recebem o direito de exploração publicitária dos espaços por pelo menos cinco anos.

O primeiro contêiner foi instalado próximo ao Pantanal Shopping em uma parceria do poder público com a empresa  e com a Edificatto Arquitetura. Antes de se tornarem paradas de ônibus, as estruturas passam por um processo de restauração que inclui pintura, plotagem e a instalação de um jardim suspenso com plantas ornamentais que auxiliam no isolamento térmico. Com isso, os contêineres ganham pelo menos mais 15 anos de vida útil, segundo informações da Prefeitura de Cuiabá.

Com um toque de tecnologia, as paradas são equipadas com placas solares. A energia coletada é oferecida de volta aos moradores da cidade na forma de pontos de recarga USB para celulares e painéis de LED com informações sobre os ônibus que passam pelo ponto. Mini bibliotecas também devem fazer parte do espaço, que foi construído segundo as normas de acessibilidade e conta ainda com uma área especial para idosos, gestantes e obesos.

Os pontos tecnológicos serão instalados em diversos pontos da cidade, com foco em locais movimentados, que recebem uma média de 5 a 10 mil passageiros por dia.

Fotos: Gustavo Duarte / Prefeitura de Cuiabá/fonte:via

Artista cria mundo utópico da mulher nos meios de transporte

Embora sejam maioria entre os usuários do transporte coletivo em São Paulo, as mulheres não são representadas no processo de planejamento urbano. Com uma abordagem lúdica, a designer e ilustradora Leticia RMS busca chamar a atenção para essa questão ao refletir sobre um sistema de transporte utópico que coloca as mulheres no centro das decisões.Através deste questionamento surge a obra Transtópico, apresentada da seguinte maneira:

A obra discorre sobre um sistema de transporte coletivo utópico, onde questões de gênero e a perspectiva das mulheres são consideradas nos processos de planejamento, garantindo assim a construção de cidades equitativas e seguras; e impedindo – pelo menos no mundo fictício – que o medo da violência e do assédio afaste as mulheres do transporte público e impeça seu direto de ir e vir.

Leticia cria cenários completamente surreais usando técnicas diversas, que vão da ilustração à animação digital. Suas obras relembram a importância do planejamento da cidade sob uma perspectiva feminina e convidam o público a imaginar como seria um mundo em que todos tivéssemos o mesmo direito de transitar livremente pelas ruas.A obra Transtópico faz parte do festival de arte digital SP_Urban Digital Festival e está sendo exibida na fachada do edifício da Fiesp até o dia 25 de maio. A mostra acontece em parceria com o movimento Maio Amarelo, iniciativa do Observatório Nacional de Segurança Viária, e visa chamar a atenção para o alto número de mortes no trânsito em todo o mundo.

Além da obra de Leticia, outros dois projetos sobre mobilidade urbana foram selecionados pela curadoria do festival. São elas: “Transite!” (Coletivo Coletores) e “Color Frequency 0.68” (Ligia Alonso). As três criações são exibidas na Galeria de Arte Digital instalada na fachada do Centro Cultural Fiesp (Avenida Paulista, 1313). No Largo do Batata também estará sendo exibida uma escultura em LED tridimensional do artista multimídia Muti Randolph como parte do festival.

Fotos 1, 2, 5-14: Leticia RMSFotos 3, 4: Everton Amaro/fonte:via

Homem faz de tudo para evitar o trânsito: até nadar todos os dias para o trabalho

Algumas pessoas parecem capazes de encontrar soluções simples para praticamente qualquer problema. É o caso de Benjamin David que, cansado de enfrentar o trânsito todos os dias, resolveu que começaria a deixar o carro em casa  e nadar até o seu trabalho, em Munique, na Alemanha.

Benjamin adotou o novo meio de transporte há dois anos e, desde então, está se adaptando muito bem à escolha. Todos os dias, ele nada cerca de dois quilômetros entre seu apartamento e o escritório. Antes de sair de casa, no entanto, ele confere as condições do rio Isar, para se certificar de que a travessia será segura. Caso a segurança não esteja garantida, Benjamin opta por outro meio de transporte, segundo relata o Oddity Central.

Por enquanto, acredita-se que ele é a única pessoa em Munique a ir trabalhar nadando pelo rio Isar, mas espera que sua experiência sirva de inspiração para outras pessoas. O trajeto até o trabalho leva cerca de meia hora e, ao chegar no escritório, Benjamin se seca com uma toalha e veste uma roupa enquanto espera seus colegas.

De acordo com a BBC, uma sacola inovadora comprada por ele permite que seus pertences se mantenham secos durante todo o trajeto. Chamada de Wickelfisch, a sacola não apenas é à prova d’água, como também pode ser inflada para funcionar como uma boia, ajudando no percurso.

 

Fotos: Benjamin David/Reprodução Facebook/fonte:via