Conheça a fotógrafa que registrou a cultura de rua nos anos 70 e 80 em Londres e NY

A fotógrafa londrina Janette Beckman é referência quando se fala em punk e hip hop. A documentarista londrina começou sua carreira quando o punk rock estava borbulhando, quando ela trabalhava para a publicação The Face and Melody Maker. Para se ter ideia, ela fotografou bandas que vão de The Clash a Boy George, além de três capas de álbuns do The Police.

Janette se mudou para Nova York, em 1982, atraída pela a cena underground do Hip Hop. Suas fotografias de pioneiros como Run DMC, Rick Slick, Salt’n’Pepa, Grandmaster Flash e Big Daddy Kane estão nas coleções permanentes do Museu Smithsonian, em Whashington, e do Museu da Cidade de Nova York.

Beckman se descreve como fotógrafa documental e, enquanto ela produz muitos trabalhos como a capa do álbum The Police Zenyatta Mondatta, tirada no meio de uma floresta na Holanda, ela também trabalha com retratos em estúdio.

Suas fotos já apareceram em discos de grandes gravadoras e em revistas como Esquire, Rolling Stone, Glamour, edição italiana da Vogue, The Times, Newsweek, Jalouse, Mojo e outras.

Em uma entrevista de 2015 com a revista American Photo, ela relembrou: “É incrível, 30 anos depois, as pessoas falando ‘oh, você fotografou lendas ’. Eu acho que sim, mas não eram lendas quando eu estava tirando fotos delas”.

Confira:

 

Fotos: Janette Beckman /fonte:[via]

Anúncios

Este casal japonês só sai de casa se estiver vestido ‘combinandinho’ todos os dias

Estilo é para quem tem e não para quem quer e prova maior disso é um casal japonês incrível que deixou a internet toda completamente apaixonada. Conhecidos “Mr. Bon e Mrs. Pon”, os dois estão na casa dos sessenta e estão juntos há 37 anos.

Donos do perfil @bonpon511 no Instagram, os dois tem 675 mil seguidores e não publicam quase nenhuma foto que não seja dos dois juntos. De vez em quando há uma participação especial da filha do casal, May – que foi quem sugeriu que eles criassem a conta conjunta. Nas fotos, eles mostram que sabem combinar perfeitamente os modelitos que usam no dia a dia.

Ambos com os cabelos grisalhos e curtos, eles brincam com as estampas e as cores das roupas de ambos, alternando as peças e fazendo um composé de padronagens que mais parece um jogo de tabuleiros divertido.

As fotos são tiradas pela Sra. May e, graças as imagens adoráveis, o casal rapidamente ganhou centenas de milhares de seguidores no Instagram. Ao que tudo indica, as cores preferidas das roupas do casal são azul marinho e vermelho.

Vejas algumas das fotos do casal maravilhoso e torne-se fã instantaneamente:

 

Imagens: Instagram/fonte:via

26 fotos vintage que mostram a beleza e elegância de Coco Chanel

Criada em um orfanato religioso, Gabrielle Chanel se transformou em costureira em Moulins aos dezenove anos. Ganhando um novo apelido, Coco se tornou a protegida de Etienne Balsan e passou a definir seu próprio estilo moderno, prático e confortável.

Quando se apaixonou por Boy Capel, ela se transformou em empresária, abrindo butiques em Paris e Deauville, onde sua estética de roupas esportivas tiveram enorme sucesso e libertaram toda uma geração de mulheres. Alimentada por sua personalidade e gosto fortes, ela deu origem a um estilo discreto dominado por camisas pretas, brancas e bege, adornadas com bijuterias. Ela eternizou o vestido preto, que combinava com sua figura delicada e reinava na moda e em Paris até o final da década de 1930 como “uma miniatura feminina de Stalin”, de acordo com Elsa Maxwell.

Coco Chanel retornou à moda em 1954, determinada a se opor ao New Look da Christian Dior. Ela, que tinha sido uma vanguarda, observou mudanças sociais e culturais, bem como a libertação das mulheres com desdém. Antes de sua morte, ela havia declarado “eu sou uma pessoa odiosa” e raras são aquelas que teriam contradito tais palavras, mas isso certamente o ajudou a estabelecer não apenas um império, mas também sua lenda.

Veja as imagens:























 

Fotos: vintag.es/fonte:via

Fotografias mostram porque Audrey Hepburn é um ícone fashion até hoje

O estilo elegante de Audrey Hepburn e sua beleza delicada são sinônimo de glamour e, até hoje, ela é considerada um verdadeiro ícone de moda.

Nascida na Bélgica em 1929, Hepburn chamou a atenção do mundo com um papel extraordinário em A Princesa e o Plebeu no qual ganhou o Oscar de Melhor Atriz em 1954. Daí em diante sua carreira se moveu rapidamente e seu próximo filme, Sabrina, não só cimentou seu status como uma das melhores atrizes de sua época, mas a apresentou ao designer de quem ela se tornaria musa – Hubert de Givenchy.

Givenchy passou a desenhar as roupas pessoais da atriz e os vestidos famosos usados por ela em filmes como Cinderela em Paris e Bonequinha de Luxo. Sobre Givenchy ela diria em uma entrevista, anos mais tarde: “Ele faz as únicas roupas na qual eu sou eu. Ele é muito mais que um costureiro, ele é um criador de personalidade”.

Em 2006, o vestido preto de Givenchy, famoso em Bonequinha de Luxo, foi vendido por 800 mil dólares – o preço mais alto pago por um vestido de um filme, sinal do legado duradouro de Hepburn como ícone de estilo.

Ninguém capturou os corações do setor da moda mais do que ela. Mesmo após sua morte, em 1993, seu status como um ícone de estilo ainda permanece. Mary Quant a chamou de “mulher mais elegante que já viveu”. Hubert de Givenchy disse que ela foi “um presente dos céus”. Hoje ela ainda influencia estrelas fashion como Victoria Beckham e as gêmeas Olsen.

Ironicamente, mesmo no auge de sua carreira, quando ela era universalmente considerada a mulher mais bonita do mundo, a atriz se achava “esquisita” e dizia ser magrela, ter dentes tortos, sobrancelhas grossas, clavícula ossuda, peito reto e pés enormes.

Confira a galeria com algumas das fotos que comprovam porque Audrey continua sendo o maior ícone de estilo de todos os tempos:

 

Imagens: Reprodução/fonte:via

20 fotografias vintage para se inspirar na moda no anos 1970

Esta série de fotografias instantâneas a cores mostram retratos estilosos de adolescentes da década de 1970. Elas retratam um pouco a tendência da moda das jovens mulheres daquele período e hoje muitos detalhes têm voltado com tudo. Veja as imagens e inspire seu look retrô:

Confira mais fotos dessa época tão charmosa aqui.

 

Fotos – vintag.es/fonte:via

Inspire-se com estas fotos da galera usando jeans nas ruas nos anos 1970

O jeans se tornou um adereço indispensável na moda jovem a partir dos anos 1950 e começo dos anos 1960. Depois, se propagou em pessoas de outras idades e ganhou a popularidade que possui até hoje.

O glamour do tecido ganhou forte impulso com as atuações de caras como Marlon Brando e James Dean em filmes como Juventude Transviada (1955) e Blue Denim (1959).

https://giphy.com/embed/CLtJnxOfTC6qY

Essas produções decretaram o jeans, a jaqueta de couro preta e a camiseta branca como símbolos da rebeldia, que se tornou um movimento cultural na época.

Nos anos 1970, uma série de movimentos explodiu na população mundial, como a revolução sexual, e o jeans se tornou o uniforme de estudantes universitários, hippies e todo mundo que se identificava com a contracultura.

A calça, então, ganhou esse status simbólico de independência, liberdade e o abandono de tradições do passado. Além disso, o jeans era uma roupa que homens e mulheres podiam usar, o que o fez representar a igualdade de gênero tão buscada até hoje.

Uma das pioneiras a comercializar o jeans, a Levi’s segue sendo uma das marcas mais populares nesse setor. “Levi’s sempre foi uma companhia construída em cima de fortes valores e nós temos orgulho de sermos pioneiros na luta por direitos iguais”, disse Karyn Hillman, CPO da empresa, para o site Fashionista. A marca é a responsável pelos modelos que aparecem abaixo.

 

Fotos: foto 1: Keystone Features/Getty Images; foto 2: Mike Lawn/Fox Photos/Getty Images; foto 3: Roy Jones/Getty Images; foto 4: R. Jones/Getty Images; foto 5: Evening Standard/Getty Images; foto 6: Evening Standard/Getty Images; foto 7: Hulton Archive/Getty Images; foto 8: Chaloner Woods/Getty Images; foto 9: Tim Graham/Getty Images /fonte:via

Este Instagram é um arquivo digital do melhor da moda mundial nos últimos 50 anos

Rossana Tich trabalha com relações públicas, marketing e comunicação e tem um conhecimento enciclopédico em moda. Não é à toa, portanto, que ela criou o Instagram @magazine_fan, um verdadeiro arquivo digital de páginas de revistas que compõem os últimos 50 anos de publicação de moda.

Ela juntou fotos de revistas que mostram como a moda, o estilo e a fotografia mudaram a forma como as pessoas se vestem, se posicionam socialmente, perante o mundo e consigo mesmas. No perfil ela compartilha sua extensa coleção pessoal com outros apaixonados pelo universo fashion.

“Enquanto eu tento publicar fotografias e roupas que gosto para contar uma história, às vezes é necessário publicar o contrário”, explica. “No geral, tento evitar o óbvio”.

Seu acervo vai desde clássicos Mick Jagger e Jerry Hall em clima de romance por Helmut Newton em uma edição da Vanity Fair em um especial de Cannes em 1991 a Michael Jackson da Vanity Fair de 1989, por Annie Leibovitz.

Veja:

Imagens: Reprodução /fonte:via