A árvore que é literalmente dona de si e a importância de sua condição jurídica surreal

Na cidade de Athens, na Georgia (EUA), uma árvore é completamente dona de si – e ela provavelmente tem mais posses do que você.

A história dela começa por volta de 1800, quando William H. Jackson decidiu honrar a árvore que foi testemunha de muitas de suas aventuras de infância.

Dessa forma, ele colocou uma placa próximo à planta, onde pode ser lido: “Em consideração ao grande amor que carrego por esta árvore e pelo grande desejo que tenho por sua proteção, por todos os tempos, transmito a ela toda a possessão de si mesma e de toda a terra a oito pés da árvore por todos os lados”.

Embora a escritura das terras não tenha sido encontrada, a população da cidade reconheceu como legítimos os direitos do carvalho-branco sobre si e sobre a terra em que está plantado.

Porém, o destino tinha outros planos para ele… A árvore adoeceu e foi derrubada durante uma tempestade em 1942, mas sua história não terminou: alguém plantou uma das bolotas do carvalho e uma nova planta cresceu a partir daí.

Chamado desde então de “O filho da árvore que é dona de si”, o novo carvalho herdou também o patrimônio da família – os oito pés (cerca de 2,4 m) ao seu redor em todas as direções e, mais importante, o reconhecimento de ser seu único dono. Como legalmente ainda não é possível que uma árvore tenha propriedades em seu nome, a cidade e seus habitantes são os verdadeiros responsáveis em dar continuidade a este legado.

Fotos: Domínio Público/fonte:via

Anúncios

A arte da liberdade: As imagens ganhadoras do prêmio Fotografias de Pássaros 2018 são pura inspiração

Se fotografar animais na natureza já não é uma tarefa fácil, imagina então os pássaros, seres conhecidos pela liberdade de passarem boa parte da vida voando? Por isso, o coletivo Nature Photographers Ltd, encontrou uma maneira de valorizar os fotógrafos que se arriscam na tentativa de capturar estas lindas imagens e, criou o prêmio Fotografias de Pássaros, há 3 anos.

A competição possui 7 categorias e 3 prêmios especiais: ‘Fotógrafo de Aves do Ano’, ‘Fotógrafo jovem de Aves do Ano’ e ‘Melhor Portfólio’ e, nada mais é do que uma maneira de homenagear a própria natureza e a tecnologia, que nos permite congelar o voo dos pássaros.

O coletivo também reverte parte do lucro das inscrições para a fundação “The British Trust for Ornithology”, um instituto de pesquisa independente que busca preservar a vida e os espaços selvagens. Os organizadores dizem que a cada ano o concurso conta com mais inscrições e, as fotografias estão cada vez melhores.

Neste ano, o ganhador do principal prêmio, ‘Fotógrafo de Aves do Ano’, foi o peruano Pedro Jarque Krebs, que levou 5 mil libras para casa por ter capturado o exato momento em que flamingos estão lutando.

As outras fotos ganhadoras são, respectivamente de: Petr Bambousek – da República Checa, que levou o prêmio de ‘Melhor Portfólio’ e, Johan Carlberg – da Suécia, que venceu na categoria ‘Fotógrafo jovem de Aves do Ano‘.

Tirar estas fotografias exige técnica, paciência e concentração, porém, nada disso é problema para estes fotógrafos apaixonados, que nos presenteiam com essas imagens de tirar o fôlego!

Foto 1, 2, 5: Petr Bambousek

Foto 3: Saverio Gatto

Foto 4: Pedro Jarque Krebs

Foto 6: Johan Carlberg

Foto 7: Alan Price

Foto 8: Ivan Sjögren

Foto 9: Martin Grace

Foto 10: Richard Shucksmith

Foto 11: Thomas Chadwick /fonte via

 
 

Esta cabana foi especialmente pensada para te ajudar a desconectar

Quer se desconectar da vida moderna e se conectar com a natureza? Então você precisa conhecer esta cabana localizada em Adelaide, na Austrália.

A cerca de 1 hora de distância da cidade, a CABN é uma acomodação sustentável para quem busca um retiro em meio à natureza. Mais especificamente, em uma área de 180 acres repleta de paisagens naturais.

O espaço foi inspirado em conceitos de minimalismo e no movimento de tiny houses. Com interior em madeira e paredes de vidro, tudo contribui para o relaxamento.

Apesar de estarem afastadas das comodidades modernas, as cabanas não deixam o conforto de lado e os hóspedes podem descansar em uma espaçosa cama king-size. O espaço conta ainda com banheiro seco e chuveiro, para ninguém se contagiar demais com o clima e ficar com cheirinho de natureza…

A cozinha da cabine também conta com o equipamento básico para preparar algumas refeições no local. O retiro, no entanto, tem um preço: 190 dólares australianos por noite por casal.

A estadia mínima é de duas noites, tempo suficiente para se desconectar da vida moderna. Para saber mais ou reservar o espaço, clica aqui.

Fotos: Reprodução /fonte via

O brasileiro que vai inaugurar a megatrilha de 3 mil Km de mata que liga o Rio ao Rio Grande do Sul

Cruzar milhares de quilômetros correndo entre a Mata Atlântica, atravessando mais de 70 municípios, é uma aventura e tanto, né? Esse é um dos objetivos de Fabio Seixas para o início de 2019.

Fabio, que é empresário e fundador de O Panda Criativo, será o responsável por “inaugurar” a megatrilha batizada de Caminho da Mata Atlântica.

Apaixonado por esportes, com foco recente na corrida, Fabio está fazendo um treinamento especial enquanto voluntários ligados à WWF, idealizadora da trilha, vão sinalizando e preparando o caminho para ele e os demais aventureiros que poderão curtir a Mata Atlântica de uma maneira totalmente inédita.

O desafio está previsto para durar três meses, passando por cinco estados diferentes (RJ, SP, PR, SC e RS). Fabio e os demais envolvidos estão em busca de patrocinadores e recursos para tocar o projeto, que será registrado e deve render material para cinema e televisão.

De acordo com Fabio, a empreitada tem como objetivo chamar a atenção para a necessidade de proteger a floresta: “A Mata Atlântica é um dos Biomas mais ricos em biodiversidade do mundo e também o segundo mais ameaçado de extinção. Desbravar a Mata Atlântica tem o objetivo de impactar toda sociedade de forma positiva, visando ações sustentáveis que tenham como foco a manutenção, conservação, proteção e ampliação do bioma, além de promover a importância das áreas protegidas para economia, saúde e lazer”, comentou.

Fotos: Divulgação/Caminho da Mata Atlântica/fonte:via

Criaram uma ‘playlist’ com os sons dos parques nacionais dos EUA

Se a vida nas grandes cidades quase sempre polui nossos ouvidos os mais terríveis ruídos, e entre buzinas, gritos e obras infinitas sonhamos com o canto dos pássaros, o barulho da chuva e do vento ou a deliciosa música de um rio, agora é possível recorrer a esses terapêuticos sons diretamente das fontes mais naturais: para celebrar os 102 anos da National Park Service, agência federal norte-americana que cuida dos parques e monumentos nacionais do país, uma playlist foi criada trazendo para dentro de nossas casas os sons de diversos parques dos EUA.

Intitulada ParkTracks, a playlist está disponível para download, e no site há uma porção de outros áudios registrados pela divisão de sons da agência. Trovoadas, tempestades intensas, cachoeiras e uivos estão entre as sonoridades que computador nenhum é capaz de emular.

Seja para fins de relaxamento, seja para transformar os áudios em camadas sonoras ou utiliza-los em colagens ou gravações, a playlist é um prato cheio – ou melhor: um parque cheio de sons.

© fotos: reprodução/fonte:via

Erosão provoca avanço do mar e reduz território de São Paulo

A Ilha do Cardoso fica no extremo sul do litoral de São Paulo. O local atrai turistas pela presença abundante de golfinhos e claro, suas praias paradisíacas. Talvez os visitantes e moradores da região não tenham percebido, mas o avanço do mar – em curso há cerca de 60 anos, engoliu 1 quilômetro do estado de São Paulo.

O fenômeno se dá por um processo de erosão considerado natural e que está extinguindo a Enseada da Baleia. Os efeitos causaram redução de dois metros na largura da faixa de areia, além do isolamento de um vilarejo com 15 famílias.

Estudos feitos por pesquisadores estimam que em um mês, a nova barra, responsável pela conexão entre o Estuário de Ararapira ao Oceano Atlântico, vá atingir um quilômetro de extensão. O que deve alterar o ecossistema da região e isolar definitivamente os moradores.

Membros do Departamento de Geologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) emitiram os primeiros alertas em 2009, atestando a probabilidade da consolidação das erosões para 2018. Os apontamentos foram feitos baseados em imagens de satélite.

As fotografias impressionam e dão clareza sobre a diminuição da faixa de areia dividindo a enseada do oceano, agravada pelo avanço de uma frente-fria nos últimos dias. Em entrevista ao G1, a professora Maria Cristina de Souza afasta possíveis interferências provocadas pela ação do homem.

“A dinâmica daquela região é instável, da água do estuário avançando para o mar. No passado, já ocorreram outras aberturas e acreditamos que, em breve, ocorrerá o assoreamento [deposição de sedimentos] na antiga barra, na divisa com o Paraná”, encerra.

A Defesa Civil disse estar monitorando a situação e que criou um plano de emergência para a mudança das casas habitadas pelas 50 pessoas. O Parque Estadual da Ilha do Cardoso, a Fundação Florestal e o Instituto Geológico, estes dois últimos subordinados à Secretaria de Meio Ambiente de São Paulo, também avaliam os impactos no ecossistema.

“Por terra, não tem como chegar mais até elas [moradores da região]. Entretanto, todas as 15 famílias que moram naquela comunidade se movimentam de barco, são autossustentáveis e já estão acostumadas às distâncias da região”, pontuou Edison Nascimento, gestor do Parque Estadual Ilha do Cardoso.

De qualquer maneira, Cananéia, cidade histórica localizada no continente, está em alerta. O secretário do Meio Ambiente Erick Willy disse ter mobilizado sua equipe para atuar caso a situação fuja do controle.

Fotos: foto 1: Divulgação/Defesa Civil /foto 2: Edison Nascimento/Fundação Florestal/fonte:via

Resort de luxo nas Maldivas contrata livreiro com acomodação inclusa

Ilhas Maldivas, um pequeno paraíso localizado no continente asiático. Conhecida pela abundância da vida marinha e os vários tons de azul das águas salgadas do mar, o lugar atrai atenção de pessoas em busca de uma experiência íntima com o que de melhor a vida pode oferecer.

Se passar férias em um ambiente destes já é um sonho dourado, imagine só ganhar dinheiro para atravessar uma temporada trabalhando? Um dos hotéis mais luxuosos das Maldivas está com vagas abertas para livreiros interessados em estimular o hábito da leitura nos clientes.  

Philip Blackwell, dono de uma livraria na região desde 2006, está a procura de alguém para trabalhar no Soneva Fushi Resort. A arquitetura do hotel é de cair o queixo. Instalado há alguns metros de uma ilha coberta por uma densa vegetação, o edifício é todo feito de madeira e passa a sensação de estar flutuando no meio do oceano.

“É um emprego dos sonhos para muitas pessoas. Se eu tivesse 25 anos de novo, certamente me candidataria”, declarou Philip em entrevista ao The Guardian.

O selecionado terá acomodação inclusa e vai trabalhar dentro do resort, instalado na ilha privada. Entre as funções, está também a de alimentar um blog sobre a experiência de viver em uma ilha deserta e contar histórias infantis para crianças.

Os interessados devem ter paixão por livros e estarem livres para ficar nas Ilhas Maldivas por pelo menos três meses. Criatividade e inspiração são diferenciais. Os resultados serão publicados no Book Brunch.  

Fotos: reprodução/fonte:via