As maravilhosas piscinas termais da Turquia parecem um spa criado pela natureza

Se você está em busca de lugares mágicos e surreais para fazer sua próxima viagem, talvez este seja o destino perfeito. Com dezenas de piscinas naturais e muita calmaria, a cidade turca de Pamukkale é procurada desde a antiguidade por quem buscava o famoso elixir da beleza, já que a região é cheia de piscinas naturais de água quentinha, com temperaturas que variam entre 35 e 100 graus.

Listada como Patrimônio Mundial da UNESCO, Pamukkale significa ‘castelo de algodão’, em turco e é uma pequena cidade ao sudoeste da Turquia, a cerca de 500 km de Istambul. Porém, a beleza das piscinas naturais vem atraindo tantos turistas nos últimos anos, que agora dar um mergulho nelas está cada vez mais difícil. Seguranças por todos os lados estão lá para garantir que um patrimônio da humanidade não seja deteriorado.

A interferência humana já foi responsável pela destruição de inúmeros patrimônios da humanidade, então nada mais justo que existam leis e pessoas que garantam que isso não aconteça mais. De qualquer maneira, mesmo sem poder nadar, observar essas lindas formações da natureza pode nos trazer uma imensa tranquilidade e alegria e esta continuará sendo uma viagem inesquecível!

Fotos: Logga Wiggler /fonte:via

Anúncios

Macacos desconfiados e leopardo reflexivo: Os 10 vencedores do Wildlife Photographer of the Year 2018

Resultado de imagem para Macacos desconfiados e leopardo reflexivo: Os 10 vencedores do Wildlife Photographer of the Year 2018

Serenos, reflexivos, concentrados e preocupados, dois macacos-de-nariz-arrebitado olham para a mesma direção. Sentados sobre pedras em um denso cenário de floresta, os macacos parecem ao mesmo tempo completamente selvagens e de semblante bastante humano, enquanto observam uma briga entre membros de seu grupo. Essa é a imagem vencedora do Wildlife Photographer of the Year 2018, o concurso anual de fotografias amadoras e profissionais do mundo inteiro, que registram “a beleza e a fragilidade do mundo natural”.

A foto vencedora foi tirada nas montanhas de Qinling, na China, pelo fotografo holandês Marsel van Oosten. Segundo Marsel, a foto exigiu dedicação e esforço, e retrata uma espécie em extinção, que poucas pessoas sequer sabem que existem. Segundo representantes do concurso, a foto venceu não tanto pelo impacto, mas pelas cores, a iluminação e por algo de fascinante que fazia com que sempre voltassem à imagem.

Os demais premiados nas diversas categorias mostram também a força e a beleza da natureza, nesse que é um dos mais importantes concursos de fotografia do mundo. Iniciada em 1964, a competição é realizada anualmente pelo Museu de História Natural de Londres, que receberá uma exposição com as melhores imagens de 2018.

Skye Meaker (Vencedor Categoria “Junior”) 

Resultado de imagem para Skye Meaker

Michael Patrick O’Neill (Vencedor categoria “Subaquática”)

Imagem relacionada

Javier Aznar González de Rueda (Vencedor categoria “Portfólio vida selvagem”)

Resultado de imagem para Javier Aznar González de Rueda

Joan de la Malla (Vencedor categoria “Fotojornalismo de animais selvagens”)

Resultado de imagem para Joan de la Malla

Georgina Steytler (Vencedor categoria “Comportamento: Invertebrados”)

Resultado de imagem para Georgina Steytler

David Herasimtschuk (Vencedor categoria “Comportamento: anfíbios e répteis”)

Resultado de imagem para David Herasimtschuk

Arshdeep Singh (Vencedor categoria “Até 10 anos”)

Resultado de imagem para arshdeep singh photographer

Cristonal Serrano (Vencedor categoria “Animais em seu meio ambiente”)

Imagem relacionada

Orlando Fernandez Miranda (Vencedor categoria “Ambientes de terra”)

Resultado de imagem para Orlando Fernandez Miranda

© fotos: reprodução/fonte:via

Neste hostel, em Ilhabela, você pode se hospedar numa casa na árvore

Seus sonhos de infância acabam de se tornar realidade.Graças a esse hostel em Ilhabela, você já pode dormir em uma casa na árvore.

A proposta é do Hostel da Vila. Com um toque inovador, a acomodação passou a oferecer hospedagem em casas na árvore. São quatro quartos, todos privados, com capacidade para até três pessoas.

Localizadas em meio a árvores centenárias, as acomodações contam com cama de casal, bicama de solteiro e ventilador. Os banheiros são coletivos. A diária custa a partir de R$ 250 e o valor do café da manhã já está incluído no preço.

Além das casas na árvore, o hostel também oferece outras modalidades diferentes de acomodação. Você pode escolher dormir em uma Vila Hippie com “Cabanas Gourmet” ou em uma Kombi, por exemplo.

Inaugurado há cerca de dois anos, o espaço promete oferecer mais do que uma simples hospedagem em quartos compartilhados, como a maioria dos hostels. A ideia é agradar também a pessoas que buscam uma acomodação descontraída, mas querem manter sua privacidade.

O Hostel abriga até 70 hóspedes por noite em dormitórios coletivos, suítes privativas e quartos diferentões. Tudo isso a poucos passos do centro de Ilhabela, no litoral norte de São Paulo.

Fotos: reprodução/fonte:via

A Islândia vista de cima é ainda mais fantástica do que você imagina

Conhecer a Islândia é sonho de muita gente que deseja encontrar paisagens insólitas ou se deparar com uma sociedade extremamente avançada em todos os sentidos. Algumas fotografias já se tornaram icônicas para representar o país nórdico, como seus exóticos cavalos, as casinhas coloridas, a aurora boreal e a Blue Lagoon. Porém, o fotógrafo alemão Tom Hegen superou todas as expectativas ao fotografar a Islândia vista de cima.

A série recebeu o nome de “The River Veins” (as veias do rio) e, mostra uma Islândia que quase ninguém conhece, cheia de cores e texturas. Tom é especializado em fotografias aéreas e, faz de seu trabalho, uma maneira de nos apresentar um mundo diferente, sob uma nova perspectiva.

O fotógrafo conseguiu captar o exato momento em que as geleiras derretem e entram em contato com a areia negra de origem vulcânica, criando padrões na paisagem, que parece mais uma pintura. Ele brinca também com o observador, que nunca sabe a exata distância em que a foto foi tirada, porém, não deixa de se encantar nem por um segundo.

Fotos: Tom Hegen /fonte:via

As impactantes fotografias vencedoras do concurso Environmental Photographer 2018

O impacto do homem na natureza é coisa séria e precisa ser tratado abertamente. Estamos contribuindo para destruir os oceanos, aumentar o aquecimento global e exterminar diversas espécies. Porém, falar nem sempre é a melhor solução, já que uma imagem vale mais do que mil palavras. É por isso que, nos últimos anos, diversos concursos fotográficos vêm sendo organizados, com o objetivo de nos alertar sobre isso e, quem sabe, reverter a situação.

O concurso Environmental Photographer of Year existe desde 2007 e, é uma das premiações mais importantes de fotografia ambiental, organizado pela Chartered Institution of Water and Environmental Management (CIWEM), do Reino Unido.

Neste ano, fotógrafos de 89 países participaram do concurso e, o resultado é chocante e assustador. Conscientizando as pessoas de que precisamos mudar, as fotografias mostram desde uma criança sentada em uma terra completamente seca e morta, até escombros de um terremoto que matou mais de 600 pessoas, no Irã.

Foto 1: Saeed Mohammadzadeh

Foto 2: Chinmoy Biswas

Foto 3: Younes Khani Someeh Soflaei

Foto 4: Fardin Oyan

Foto 5: Ümmü Kandilcioğlu

Foto 6: Antonio Aragón Renuncio

Foto 7: Tapan Karmakar

Foto 8: Calvin Ke

Foto 9: Thigh Wanna

Foto 10: Jing Li /fonte:via

Inovações e tragédias constituem a história desta casa erguida sobre uma cascata

Para algumas pessoas, não basta apenas ter uma vista para uma cascata, é preciso viver sobre ela.

Foi essa a ousada ideia que levou o arquiteto americano Frank Lloyd Wright a erguer uma residência que foi responsável por alçar sua carreira.

A construção da Fallingwater começou nos anos 30, quando o arquiteto passava a ser visto como antiquado diante de seus contemporâneos – entre os quais, destacam-se Bauhaus, Le Corbusier e Mies van der Rohe.

Na mesma época, o empresário Edgar J. Kaufmann solicitou a Wright uma casa com vista para a cascata Bear Run, nos Esrados Unidos. O arquiteto, no entanto, foi taxativo e insistiu que a casa deveria ser feita sobre a cascata e não de frente para ela.

Assim surgia a casa mais incrustada na natureza que alguém poderia imaginar. Parte da rocha sobre a qual a residência se eleva ocupa a sala de estar. Após o término do projeto, em 1938, foi destaque na revista Time, que a considerou a mais bela obra do arquiteto.

Infelizmente, nem tudo é perfeito na história do imóvel…

Liliane Kaufmann, esposa de Edgar, se suicidou na Casa da Cascata em 1952. O marido faleceu apenas três anos depois, deixando o imóvel ao filho do casal, Edgar Jr., aprendiz de Wright nos anos 30.

Hoje, a Fallingwater não serve mais como residência, mas como um centro de visitantes, com café e uma loja de souvenirs, abertos ao público desde em 1981. As estradas para o espaço custam US$ 10 e é possível realizar visitas guidas no local, que podem ser reservadas a partir de US$ 12.

Fotos: Domínio Público/fonte:via

Cavalo pistola invade bar galopando e bota humanos pra correr

A natureza está revoltada com os seres humanos. Depois de um homem tomar uma polvada enquanto navegava em mar aberto, um cavalo fugiu de uma pista de corrida e foi parar dentro de um bar.

O caso aconteceu na França e as imagens capturadas pela câmera de segurança mostram o cavalo transtornado e galopando em meio aos clientes, que saem correndo assustados.

Distribuindo coices, o animal vai até o fundo do bar e volta. Ninguém se feriu, mas o susto foi grande. Assim que o bar é esvaziado, o cavalo sai galopando, da mesma forma que entrou.

Hypeness

E por mais incrível que pareça, o animal não quebrou nada, sequer tirou as cadeiras do lugar. Ironia ou não, o bar é especializado em apostas.

Sobre a polvada, a situação inusitada aconteceu na Nova Zelândia. Enquanto o rapaz navegava em seu caiaque, de repente, foi surpreendido com um tabefe de um polvo. O animal tinha acaba do ser capturado pela foca.

Foto: Reprodução/fonte:via