Cowboy negro: Django da vida real prendeu 3 mil foras da lei no Velho Oeste dos EUA

Bass Reeves, o Django da vida real, prendeu mais de 3 mil criminosos em sua carreira com um dos primeiros delegados negros dos Estados Unidos. Em conflito, Reeves matou 14 pessoas e jamais levou um tiro sequer, falecendo de causas naturais em 1910, aos 72 anos.

Se o diretor de cinema Quentin Tarantino costuma utilizar a ficção para realizar vinganças históricas que não aconteceram na vida real – como no caso de Bastardos Inglórios e o assassinato de Adolf Hitler e a cúpula nazista no filme – , em Django Livre, a força negra se afirmando contra uma sociedade escravocrata talvez não fosse totalmente ficcional. O personagem vivido por Jamie Foxx nas telas traz muitas semelhanças com a incrível história de Bass Reeves, que em 1875 se tornou um dos primeiros delegados negros dos EUA.

Bass Reeves

Reeves nasceu escravo em 1838 no estado de Arkansas, e quando fugiu de seu “dono” foi viver entre os índios norte-americanos das tribos Creek e Seminole, onde aprendeu bastante do conhecimento nativo, como tornou-se fluente na língua das tribos – esse conhecimento seria determinante para que fosse selecionado como delegado, a fim de que pudesse negociar e se comunicar com os nativos.

Acima, a turma de delegados eleita com Bass (o primeiro à esquerda da primeira fila, com uma bengala)

Sua reputação como um delegado destemido, persistente e dono de uma inteligência capaz de ludibriar até mesmo os mais temidos bandidos tornou-se lenda, ao ponto que criminosos chegaram a se entregar simplesmente ao saberem que estavam sendo perseguidos por Reeves.

Estátua para Bass Reeves no Arkansas

© fotos: divulgação/fonte:via

Chocante: Hóspedes racistas abandonam piscina de hotel após menina negra entrar na água

O caso de racismo envolvendo uma criança de 4 anos – vítima de discriminação em um hotel de luxo em São Paulo, é o exemplo perfeito da forma de agir deste preconceito no Brasil.

Ser negro neste país é conviver com o risco de ser ofendido por causa da cor de sua pele a qualquer momento. Não importa, seja em uma simples ida até o supermercado ou para entrar no prédio onde mora, invariavelmente olhares e cochichos emergirão.

Um relato publicado no Universa, mostra outra característica da discriminação. Algumas vezes o racismo sequer pede licença. O caso aconteceu em uma tarde do domingo ensolarada no Hotel Fasano, em Porto Feliz, cerca de 100 km da capital paulista. Ava, de 4 anos, estava acompanhada pelos pais, quando toda sorridente foi para a piscina querendo fazer amigos.

Logo de cara, foi rejeitada pelas crianças brancas. “Você não está vendo que eu estou aqui?”, indagou uma delas, mostrando que desde cedo o racismo faz parte do, digamos, plano educacional de muitas crianças caucasianas do país.  

Luzinete da Silva Leandro, de 41 anos, é uma mulher negra, que trabalha como babá com a família. Calejada e possivelmente vítima de uma imensidão de preconceitos raciais, ela logo sacou o que se passava e pediu para a garota se afastar dos pequenos racistas.

Comprovando a tese que racismo vem de berço, as mães das crianças não repreenderam seus filhos, pelo contrário, insinuaram que Ava teria ‘micose’ ou algum outro tipo de ‘doença contagiosa’. Para completar, as madames se referiram a criança como ‘esse tipo de gente’.

Uma amiga de Maria – mãe da criança, ficou com Ava na piscina. Pasmem, as outras mães pegaram seus filhos e deixaram o espaço.

“Me deu raiva, vontade de chorar, me senti humilhada. Porque é como se não fôssemos gente. Como se negros só existissem para servir seus palacetes. Jamais para dividir a piscina”, disse Luzinete.

O Fasano emitiu uma nota lamentando o ocorrido. O hotel disse ainda que ‘“repudia qualquer ato de discriminação” e “reafirma seu compromisso em defesa do respeito humano e da diversidade e se coloca à disposição das autoridades para auxiliar na elucidação dos fatos”.

É importante ser dito que o Hotel Fasano Boa Vista é um point frequentado pela elite paulista. O espaço está localizado dentro de um condomínio de alto padrão onde a amiga de Maria tem uma casa. Racismo não existe?

Fotos: Reprodução/fonte:via

Acusada de embranquecimento, Disney redesenha ‘Princesa Tiana’ em ‘Detona Ralph’

Desde a primeira aparição da Princesa Tiana em Detona Ralph, a Disney foi alvo de inúmeras críticas por causa do tom de pele mais claro e traços distante do fenótipo de uma mulher negra da personagem.  

A pressão aumentou e grupos com o Color of Change – instrumento de combate ao racismo sistêmico disseminado por muitos veículos de comunicação, a gigante do cinema mundial resolveu voltar atrás.

Segundo noticiou o The Wall Street Journal, a Disney se comprometeu em redesenhar a Princesa Tiana, desta vez com características mais próximas a de uma mulher negra. A decisão vem, sobretudo, por causa dos insistentes pedidos de Anika Noni Rose, a atriz responsável pela voz da personagem.

No Twitter, Rashad Robinson, presidente da Color of Change, comemorou a decisão. “Grande notícia. Por causa dos membros da COC (Color of Change), a Princesa Tiana vai ser redesenhada desta vez mantendo a forma original. Agora, garotas negras vão poder assistir Detona Ralph e encontrar a princesa com uma cor de pele que realmente parece com as delas”.

Na versão anterior, Tiana aparecia com a pele visivelmente embranquecida e com um cabelo mais para o cacheado. Além disso, a princesa possuía traços finos.

“Assim eu posso apresentar para as meninas (e adultos também) a importância da representatividade por meio do tom de pele, do nariz arredondado, que agora vão ser retratados com maestria no filme”, encerrou  Anika Noni Rose.

Fotos: Reprodução/fonte:via