Patinhos de plástico vagando nos oceanos 26 anos após acidente alertam sobre poluição

A Caça dos Patinhos navegantes expôs as preocupações sobre o acúmulo de lixo nos oceanos. Em janeiro de 1992, um carregamento com 28 mil bichinhos de brinquedo acabou derramado no meio do Oceano Pacífico.

Por serem projetados para flutuar, eles foram guiados pela correnteza e se esparramaram em áreas diversas dos mares. Alguns deles chegaram a percorrer um trajeto de mais de 3 mil quilômetros, chegando por exemplo na costa do Alasca. Outros patinhos foram encontrados na Austrália e Escócia.

O fenômeno intrigou os cientistas e gerou a abertura de uma longa investigação para rastrear os passos destes brinquedos vendidos para divertir crianças durante banhos de banheira. A história proporcionou inclusive, um entendimento melhor sobre os principais pontos acumuladores de lixo nos oceanos.

Os patinhos foram vistos pela última vez há mais de 10 anos, em uma praia de Massachusetts, no leste dos Estados Unidos e para profissionais voltados para a pesquisa em oceanos, é provável que muitos estejam vagando por aí quase 30 anos depois do acidente.

A explicação para esta história curiosa se dá pelo local do acidente. Trata-se de um ponto específico do Oceano Pacífico conhecido pelo encontro de correntes marítimas, que envolvem diversos continentes.

Ali se encontram correntezas com o Giro Subártico, que faz uma volta completa entre a América e Ásia e se une com outra corrente, que atravessa o Estreito de Behring para por fim chegar ao Atlântico.

Apesar do frisson em torno dos patinhos, sonho de consumo de uma série de colecionadores, a história evidencia o tamanho do problema causado pela poluição no oceano. O entrave vem provocando uma mudança de postura de gigantes da indústria, que aos poucos estão diminuindo a dependência de produtos feitos a partir do plástico, caso dos canudinhos.  

Foto: Reprodução/fonte:via

Anúncios

Ele foi dar uma volta na praia e encontrou uma embalagem de Kolynos de mais de 20 anos

A Kolynos é uma das marcas de creme dental mais conhecidas entre os brasileiros. O produto desembarcou por aqui em meados de 1917 e até a década de 1990, reinou soberano.

Aposentada há mais de 20 anos, a Kolynos ainda pode ser encontrada por aí, mas, infelizmente, não no formato tradicional. Uma fotografia tirada por Alexandre Menezes, com o tubo de creme dental jogado na praia, viralizou e nos faz pensar sobre urgência da instauração de métodos sustentáveis de reciclagem de lixo.

Segundo matéria publicada pelo jornal Folha de São Paulo, cerca de 56% dos municípios brasileiros utilizam depósitos inadequados para se livrar do lixo produzido. Com isso, cenas como a da praia não vão deixar de ser comuns tão cedo.

A inércia do poder público esbarra em uma questão vital, o tempo de decomposição. Por exemplo, 20 anos parece muito para nós humanos, entretanto para uma embalagem de alumínio não é nada. Um tubo como o da Kolynos demora 200 anos para desaparecer.

De olho na situação, a ONU Meio Ambiente e a Coalizão de Embalagens – formada por 23 associações signatárias do Acordo Setorial de Embalagens em Geral, lançaram o movimento Separe. Não Pare.

O intuito é de mobilizar a população brasileira a separar e descartar corretamente os resíduos domésticos. A expectativa do grupo é diminuir em 22% a quantidade de embalagens enviadas aos aterros sanitários do Brasil até o fim de 2018. Entre as medidas incentivadoras está a intensificação da coleta seletiva e dos pontos de entrega de lixo no bairros.

O plástico também está na mira dos ambientalistas. No Rio de Janeiro, a Câmara autorizou a proibição do uso de canudinhos plásticos em bares e outros estabelecimentos comerciais da capital fluminense. A tendência deve ser adotada por outras cidades brasileiras. O meio ambiente agradece.

Foto: Reprodução/fonte:via

Gana constrói estradas de sacolas plásticas e contribui para preservação dos oceanos

Atualmente, apenas 2% do plástico produzido em Gana é reciclado.

Entretanto, o país está encontrando uma maneira inteligente de lidar com este resíduo: construindo estradas feitas com sacolas plásticas que, de outra forma, poderiam parar nos oceanos.

A tecnologia foi desenvolvida pela empresa de reciclagem Nelplast, que já emprega 200 pessoas no país, segundo um vídeo divulgado no Twitter pelo Fórum Econômico Mundial.

Antes de se tornarem asfalto, as sacolas são cortadas em pequenos pedaços e misturadas com areia. O produto dessa mistura é de longa duração e, segundo a empresa, até 8 vezes mais resistente que o asfalto produzido de forma convencional. Com isso, as mesmas características responsáveis por tornar o plástico um problema ambiental quando descartado incorretamente são usadas de maneira positiva pelo projeto.

Embora sejam usadas sacolas plásticas, praticamente qualquer tipo de plástico pode ser incorporado ao processo. Um dos distritos de Gana já utiliza os tijolos decorrentes dessa reciclagem através de uma parceria com o Ministério do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia do país.

A empresa espera expandir ainda mais seu impacto, com a expectativa de transformar 70% do plástico usado em produtos de longa duração – e nós ficamos na torcida para que esse objetivo seja alcançado.

Fotos: Divulgação Nelplast /fonte:via

Embalagem de salgadinho é achada dentro de peixe jurássico que vive no fundo do oceano

Não é por sua aparência somente que o celacanto é um peixe conhecido como “fóssil vivo”: estima-se que tal espécie exista no atual estado evolutivo há 400 milhões de anos. Mantendo há tanto tempo as mesmas características genéticas no fundo dos oceanos, onde o celacanto vive, é impossível mensurar a quantidade de adversidades que esse peixe enfrentou ao longo do tempo para sobreviver.

Pois o que a natureza consegue aprimorar e manter em milhões de anos, o ser humano consegue destruir em instantes: uma foto compartilhada pela ONG Blue Planet Society mostra um celacanto morto e, saindo de seu interior, um pacote plástico de um salgadinho.

A foto foi tirada por um pescador na Indonésia em 2016, mas somente veio a público agora. Apesar de viver nas profundezas – onde as alterações no habitat acontecem de forma radicalmente mais lenta do que em outras partes do oceano ou do planeta – até mesmo o celacanto parece enfim ameaçado pelo efeito da ação humana nos mares. Até então era justamente o estado inalterado do fundo dos oceanos, aliado a suas características genéticas, que faziam com que o celacanto venham sobrevivendo com tanta resiliência.

Tais características fizeram do celacanto um ponto fora da curva do processo evolutivo: as estimativas dos biólogos sugerem que tal espécie deveria ter sido extinta há 65 milhões de anos. Para se ter uma ideia da longevidade dessa espécie, acredita-se que o celacanto seja parente próximo do primeiro vertebrado a sair das água para a terra. Se o cenário atual já é apocalíptico no que diz respeito à poluição nos mares, o prognóstico é ainda mais terrível: pesquisas afirmam que até 2025 os oceanos estarão três vezes mais poluídos do que hoje. Pelo visto, nem mesmo o indestrutível celacanto será capaz de vencer a ignorância humana.

© fotos: reprodução/fonte:via

Nova Zelândia vai proibir sacos plásticos até 2019

Governantes de todo o mundo tem anunciado ações para combater o uso indiscriminado de materiais plásticos, com foco nos objetos descartáveis, em um esforço para preservar a biodiversidade, especialmente a vida marinha. Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia, é o mais novo nome na lista.

Na última semana ela anunciou que lojas e mercados do país terão até o começo de 2019 para abandonar a distribuição de sacolas plásticas, sob risco de pagar até 100 mil dólares neozelandeses (cerca de R$250 mil) como multa caso não sigam a lei.

“Todo ano usamos centenas de milhões de sacolas descartáveis. Uma montanha delas, e muitas acabam poluindo nossos preciosos ambientes costeiros e marinhos, causando sérios problemas à vida marinha. E isso tudo enquanto há alternativas viáveis tanto para comerciantes quanto consumidores”, afirmou a primeira-ministra.

Associações de comerciantes já anunciaram que vão acatar a decisão e pretendem eliminar o uso dos sacos plásticos até o fim de 2018. A questão tem chamado a atenção da população neozelandesa, e uma petição com 65 mil assinaturas pedindo o banimento das sacolas motivou Aldern a tomar a decisão. “Também é o assunto sobre o qual as crianças mais me escrevem”, disse a mandatária.

De acordo com a ONU, dezenas de países já proibiram o uso de sacolas plásticas. O primeiro foi Bangladesh, em 2002, motivado pela descoberta de que os materiais atrapalhavam os sistemas de drenagem e eram decisivos para as constantes enchentes no país.

  fonte:via

Chilenos criam sacola solúvel em água e vão estagiar no Vale do Silício

Uma dupla de engenheiros chilenos apresentou ao mundo mais uma alternativa para conter o uso excessivo de produtos derivados do plástico. Roberto Astete e Cristian Olivares realizaram uma série de experimentos para enfim chegarem ao saco plástico solúvel em água livre de contaminação.

A combinação foi possível por meio de uma fórmula química à base de PVA (álcool polivinílico, solúvel em água) e que toma o lugar de derivados do petróleo, diga-se, um dos  elementos mais nocivos ao meio ambiente, pois ele contribui para a alta durabilidade das sacolas.

“Nosso produto deriva de uma pedra calcária que não causa danos ao meio ambiente. É como fazer pão. Para fazer pão é preciso farinha e outros ingredientes, nossa farinha é de álcool de polivinil e outros ingredientes”, explicou Roberto Astete, diretor-geral da empresa SoluBag, que pretende comercializar os produtos a partir de outubro no Chile.

Enquanto apresentavam a novidade, a dupla demonstrou com funciona o processo de decomposição. Basta diluir a sacola em um copo com água. Para provar que a água, mesmo turva, não é tóxica, Roberto e Cristian ingeriram o líquido, que segundo eles contêm apenas carbono e não oferece riscos aos humanos.

A notícia está em consonância com a preocupação de líderes mundiais com os altos índices de produção de plástico. Apenas em 2014 foram fabricadas 311 milhões de toneladas de plástico, ou seja, se continuar neste ritmo, até 2050 vão ser produzidas mais de 1 bilhão de toneladas.

Por causa da iniciativa inovadora, Roberto e Cristian Olivares ganharam uma bolsa a partir de setembro no Vale do Silício. A dupla também levou para casa o prêmio SingularityU Chile Summit 2018, pelo potencial transformador da invenção.

Foto: Pixabay/fonte:via

Lei anti-plástico reduz em 67% morte de animais marinhos por sufocamento no Quênia

São muitas as notícias sobre a adoção de políticas anti-plástico por países europeus. Contudo, pouco se fala sobre medidas aplicadas por nações fora do ciclo priorizado por redes de notícias internacionais.

O exemplo desta vez chega direto do Quênia, que há um ano intensificou o combate a um dos maiores poluentes do meio ambiente. Por meio de uma lei em vigor desde agosto proibindo a fabricação, venda e o uso de sacolas plásticas, o país da África Oriental está colhendo bons frutos.

Um dos principais exemplos é a redução do número de mortes de animais marinhos por sufocamento provocados por sacolas. Para se ter ideia, antes do veto 3 a cada 10 animais eram encontrados mortos nos oceanos. Desde abril os níveis haviam caído para 1 entre 10. Decréscimo de 67% nos índices.

A fiscalização do governo queniano é dura e prevê multa de mais de 100 mil reais, além de quatro anos de prisão para quem fabricar, comercializar ou usar sacolas plásticas no país.

O avanço é digno de elogios, pois o Quênia já esteve entre os maiores exportadores de sacolas plásticas do mundo. Os objetos são nocivos ao ambiente por dependerem de recursos naturais não-renováveis, como petróleo e gás natural, além de precisarem de cerca de 450 anos para se decompor.

No Brasil o assunto também está em pauta e o Rio de Janeiro já anunciou o banimento dos canudinhos plásticos em bares e restaurantes. Quem desobedecer vai arcar com punição de R$ 3 mil.

“A gente acha que é uma coisa bem simbólica e fizemos pressão para essa matéria ser votada na Semana do Meio Ambiente. É um grande presente a cidade vai receber”, disse ao Globo João Senise, coordenador de mobilização da Meu Rio.

Foto: Pixabay/fonte:via