Encontraram uma fábrica de queijo com 7,2 mil anos na Croácia

Cerâmica Rhyta em que foram encontrados vestígios de queijo. (Foto: Sibenik City Museum)Cerâmica Rhyta em que foram encontrados vestígios de queijo (Foto: Sibenik City Museum)

Se já é uma tarefa um tanto complicada imaginar o que era a humanidade há mil anos, imagina então há 7,2 mil anos? Uma resposta nós já temos: eles já sabiam fabricar queijo! Arqueólogos fizeram esta descoberta a partir de peças de cerâmica encontradas em escavações, que datam do período neolítico na costa da Dalmácia – na Croácia.

Mais do que uma curiosidade, este dado transforma completamente a noção que tínhamos, de que os produtos lácteos fermentados tenham sido feitos apenas cinco séculos depois que o leite foi armazenado pela primeira vez.

Os potes de cerâmica encontrados não eram apenas usados para beber e comer, pois pequenos furos mostraram que eles funcionavam como peneiras no processo de fabricação do queijo. Dessa forma, a dieta da época era muito mais rica do que pensávamos, incluindo queijos e iogurtes.

Foi após um processo por radiocarbono feito nas sementes e ossos encontradas nos arredores que a equipe responsável descobriu se tratar de utensílios fabricados há pelo menos 7,2 mil anos: “Esta é a mais antiga evidência documentada de resíduos lipídicos para laticínios fermentados na região do Mediterrâneo, e entre os mais antigos documentados em qualquer lugar até hoje”, disseram os pesquisadores envolvidos.

Transformar leite em queijo representou um avanço imenso na história da humanidade, não somente por causa da fabricação destes artefatos, mas devido ao fato de que, com alimentos conservados, eles finalmente podiam viajar distâncias mais longas. Surpreendente, não é mesmo?

 Unsplash/fonte:via

Anúncios

Os queijos góticos nas cores roxo e preto que prometem deixar seus lanches macabros e saborosos

https://www.thedailymeal.com/sites/default/files/story/2018/cheese.png

Quem disse que queijo precisa ser tudo igual?

Esses lácteos nas cores roxo e preto são os primos góticos da mussarela e vão dar aquele ar macabro para qualquer lanche.

O queijo “venom” é uma versão da mussarela com carvão ativado. Preto como a noite, ele foi feito para combinar com os hambúrgueres servidos pelo restaurante Willie Brothers, de Jakarta.

Quando aquecido, o queijo derrete normalmente, deixando uma aprência pegajosa e com coloração preta. A criação pode ser pedida em conjunto com hambúrgueres, carnes ou com o arroz cremoso de alho e promete dar aquele toque gótico suave que o seu prato estava precisando.

Mas, se o queijo preto não apetece, que tal provar uma versão roxa?

A criação é da Cheese-zu-ka, uma empresa que vende cones de batatas-fritas com queijo em Bangkok – e tem sua própria versão de queijo roxo.

O queijo cremoso é colorido naturalmente com batata-doce roxa. Antes de ganhar uma camada generosa da iguaria, as batatas também são revestidas com o sabor escolhido pelo cliente: barbecue, pizza, queijo, picante e creme azedo estão entre as opções.

Servidos? 

Fotos: Reprodução/fonte:via