Um dia surreal na vida de Salvador Dalí registrado em fotos

Um ensaio fotográfico “esquecido” pela história acabou emergindo na imprensa internacional especializada nas últimas semanas.Nele, o fotógrafo Charles Hewitt mostra um confortável e irreverente Salvador Dalí sendo clicado para a revista britânica Picture Post em 1955.

O trabalho foi intitulado de forma simples e direta: “Um dia com Salvador Dalí“.

Dalí é fotografado em uma casa simples na região de Costa Brava, Espanha. O local fica próximo do vilarejo Port lligat, onde, em 1930, após ser expulso de casa pelo seu pai, que não aguentava mais suas expressões repletas de blasfêmia, o jovem Salvador comprou uma barraca de pesca e seguiu a vida.

“Port lligat é o lugar de produção, o lugar ideal para o meu trabalho. Tudo se encaixa perfeitamente, o tempo passa mais devagar e cada hora tem sua dimensão apropriada”, ele disse uma vez sobre a região.

A mulher que aparece nas fotos é Gala, esposa russa de Dalí e sua musa inspiradora. Dalí conheceu Gala ali mesmo, em Costa Brava, na época acompanhada de seu então marido Paul Éluard, que também era pintor.

Na ocasião, Salvador, com 35 anos, disse ser virgem. Seu relacionamento com Gala foi um dos motivos que dificultou sua convivência com a família.

Nascido na cidade espanhola de Figueres no dia 11 de maio de 1904, Salvador Dali morreu no mesmo local em 23 de janeiro de 1989, aos 84 anos.

 

Fotos: Charles Hewitt /fonte:via

O guia de vinhos surrealista de Salvador Dalí

O pintor catalão Salvador Dalí não era definitivamente uma pessoa usual. Dalí foi um artista no sentido mais amplo do termo, trazendo o surrealismo do movimento que ajudou a criar para cada um de seus gestos, desde pintar até simplesmente passear na rua, comer ou beber um vinho – nada em sua vida parecia estar fora de suas ambições estéticas e poéticas.

O incrível livro de culinária criado pelo pintor e recentemente relançado já mostrava que sua visão artística não tinha limites, e cozinhar para Dalí também era um gesto surrealista. Agora seu guia de vinhos também foi relançado pela editora Taschen e, como não poderia deixar de ser, a marca surrealista do artista se faz presente.

 

Lançado originalmente em 1978 com o sugestivo título Vins de Gala (Os Vinhos de Gala, em homenagem à sua eterna esposa), o livro é ilustrado por mais de 140 imagens criadas por Dalí, e os vinhos de sua seleção são classificados não através dos paradigmas usuais, como aroma, densidade, sabor ou idade, mas sim pelos sentimentos e estados de espírito que cada vinho é capaz de provocar – ao menos através da visão singular do artista.

O sistema de classificação é chamado por Dalí de “Intromissão”, e separa as bebidas em, por exemplo, “vinhos de generosidade”, “vinhos de frivolidade” e “vinhos de sensualidade”, entre outros, “na direção do alcance infinito de nossas almas”, diz Dalí.

O livro encontrava-se fora de catálogo há décadas, e foi enfim relançado. Evidentemente não se trata de um guia para os enólogos mais ortodoxos, e sim para quem deseja se inebriar das possibilidades mais poéticas que essa bebida pode nos oferecer – guiado pelo olhar sempre surrealista de um grande artista.

© fotos: divulgação/fonte:via