Simone Biles completa movimento mais difícil da ginástica e inédito entre mulheres

Simone Biles tem apenas 22 anos, mas certamente já está entre os maiores nomes da história do esporte mundial.

A norte-americana, que recentemente esteve entre as 100 mulheres mais influentes do mundo de acordo com a BBC, deixou o mundo da ginástica de boca aberta.

Maior vencedora de mundiais da história da ginástica dos EUA, Biles completou um movimento até aqui apenas realizado por homens. Simone completou com maestria o Cheng, manobra criada em homenagem ao ginasta chinês Cheng Fei.

A manobra é considerada uma das mais difíceis da ginástica artística e como se isso não bastasse, Simone Biles adicionou mais uma pirueta. As pessoas já estão em campanha para que o movimento seja rebatizado com o nome de Simone Biles para o Mundial do Qatar, em novembro.

Simone Biles venceu sua primeira medalha de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Desde então, a internet criou a hashtag #SimoneThings, que acumula todos os feitos históricos da esportista norte-americana.

Além de exemplo para mulheres negras dentro do tablado, Biles foi uma das vozes fortes entoadas contra Larry Nassar. Em janeiro de 2018, ela disse ter sido abusada sexualmente pelo ex-técnico da equipe norte-americana. O posicionamento de figuras como Simone Biles contribuiu para Nassar ter sido condenado a cumprir 60 anos de prisão.

Foto: Reprodução/fonte:via

Sensação nos Jogos do Rio, Simone Biles denuncia médico da equipe por abuso sexual

Simone Biles, sensação dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016, conquistando diversas medalhas, revelou ter sido abusada sexualmente pelo hoje ex-médico da equipe de ginástica artística dos Estados Unidos, Larry Nassar, que hoje está preso.

Ela, que ganhou quatro medalhas de ouro no Rio, publicou uma declaração em suas redes sociais contando ser uma das vítimas do agressor.

“Eu também sou uma das várias sobreviventes que foram abusadas sexualmente por Larry Nassar. Acredite em mim quando digo que foi muito mais difícil expressar essas palavras em voz alta do que foi agora para colocá-las no papel. Há vários motivos para eu relutar em contar minha história, mas agora eu sei que não é minha culpa”, disse ela.

Nassar foi médico da equipe de ginástica dos EUA por mais de duas décadas, dividindo o emprego com funções na Universidade Estadual de Michigan. Ele foi condenado em dezembro a 60 anos de prisão após ter admitido abusar de ginastas, possuir pornografia infantil, além de molestar meninas que buscavam tratamento médico.

Nassar ainda enfrenta acusações de mais 40 a 125 anos de regime fechado por se declarar culpado de abusar de sete meninas.

Hoje com 20 anos – ou seja, ainda abaixo da maioridade norte-americana de 21 -, Biles classificou o comportamento do médico como “completamente inaceitável, nocivo e abusivo, especialmente de alguém a quem me disseram para confiar”.

“Por muitas vez me questionei. Eu estava sendo muito ingênua? Foi minha culpa? Agora eu sei responder a estas perguntas. Não, não foi minha culpa. Não, eu não devo carregar uma culpa que pertence a Larry Nassar, USAG e outros. Preciso de mais tempo para trabalhar essas coisas dentro de mim”, pediu ela.

Além de Biles, a seis vezes medalhista olímpica Aly Raisman, a campeã mundial de 2012 Gabby Douglas e a duas vezes medalhista olímpica McKayla Maroney também vieram a público relatar casos em que foram vítimas de Larry Nassar.

 

Fotos: foto 1: Divulgação; foto 2: AFP/Reprodução; foto 3: AFP/Reprodução/fonte:via