Série de fotos de cavalos da Islândia que mais parecem um conto de fadas

A neve e o gelo sempre tiveram uma qualidade mística e talvez seja isso mesmo que faça da Islândia um destino tão cativante. O fotógrafo e cineasta Drew Doggett, de Nova York, conseguiu capturar um pouco dessa magia em sua nova série de fotos “No Reino das Lendas”, onde destacou “a relação única entre essa terra e os cavalos”.

Esta foi a primeira vez de Doggett na Islândia, mas o fotógrafo já percorreu boa parte do mundo procurando locais incomuns. “Durante todo o meu trabalho, acho que sou consistentemente atraído para lugares na Terra que são quase impossíveis”, disse ele ao Bored Panda. “A Islândia é um lugar surreal e os cavalos são os companheiros perfeitos para esta terra incomum, mas de tirar o fôlego. A combinação dos dois é verdadeiramente inesquecível”.

Mas não foi apenas o cenário que levou o artista à região gelada. “De muitas maneiras, fui atraído pela Islândia (e minha carreira fotográfica) por conta do meu interesse por aventura – coisa que eu tenho desde criança. Vinte Mil Léguas Submarinas, de Júlio Verne, foi um dos muitos livros que li e reli, sabendo que eu queria aventura em minha própria vida um dia”, explicou Doggett.

Capturar contos de fada em fotos não é tarefa fácil. O fotógrafo disse que passou meses planejando as filmagens de duas semanas, mas encontrou vários desafios. “Além dos desafios inatos de documentar animais, a imprevisibilidade do clima da Islândia foi o aspecto mais desafiador da criação desta série… Eu tive que aproveitar o melhor de todas as oportunidades na minha frente, porque não demoraria muito para que a chuva caísse ou o vento fosse tão forte a ponto de nós precisarmos encontrar abrigo”.

Depois de ver as fotos, fica claro que o trabalho duro de Doggett foi recompensado. Role para baixo para ver as fotos encantadoras de “In the Realm of Legends”:

Confira também o vídeo da série:

Fotos: Drew Doggett/fonte:via

Anúncios

A história da canadense que sonhava em viver nas montanhas – e conseguiu

Kaitlin Vanosch é uma canadense que sonhava em viver nas montanhas, tal e qual via nos livros e filmes de sua infância. “Quando criança, um dos meus livros favoritos era Heidi – A Menina dos Alpes”, conta. “Sabe aquela cena em A Bela e a Fera, quando Bela sai de sua aldeia cantando nas colinas? Pode apostar que eu estava cantando aquela música e dançando para quem quisesse ouvir”.

Imagine então a surpresa dela quando acabou encontrando – e se apaixonando – por um austríaco? “Quatro anos, um cão e um bebê mais tarde e minha vida está há apenas algumas crianças de ser a família Von Trapp da vida real” – Maria von Trapp é autora do livro de memórias “The Story of the Trapp Family Singers”, que deu origem ao filme “A Noviça Rebelde”.

Veja as imagens desse sonho real:

Fotos:  /fonte:via

Após superar o câncer, tataravó de 89 anos salta de paraquedas: ‘Sem palavras’

Se você acha que há limites de idade para realizar um sonho, a história de Theresa Gerage Polloni pode te convencer do contrário: aos 89 anos, ela finalmente riscou Pular de Paraquedas da lista de coisas que desejava fazer.

A ideia sempre esteve presente na mente de Dona Theresa, mas era deixada de lado para que ela priorizasse outras questões pessoais. Em 2013, quando tinha 85 anos, ela foi diagnosticada com câncer de útero, e o sonho parecia ter se tornado impossível.

Depois de três anos de radioterapia, Dona Theresa finalmente recebeu alta dos médicos, e a vontade de saltar voltou a bater. Mãe de 10 filhos, avó de 18 netos, bisavó de 22 bisnetos e tataravó de uma bebê que ela ainda não conheceu, a aposentada fez vários exames médicos para garantir que poderia pular de paraquedas sem maiores riscos.

A empresa de paraquedismo escolhida pela família de Dona Theresa resolveu dar o salto de presente, e o sonho foi realizado logo no dia das mães. Vera Lúcia Polloni, uma das filhas de Theresa, contou ao G1 que a mãe sempre se manteve ativa após se aposentar, e que, apesar da apreensão dos familiares, eles sabiam que seria difícil fazê-la mudar de ideia.

Junior Novaes, de 41 anos, um dos netos de Dona Theresa, se empolgou com a ideia da avó e decidiu saltar também. Assim que os dois se encontraram após o salto, ele perguntou se ela repetiria a experiência. “Topo!”, respondeu sem pensar duas vezes.

Imagens: Reprodução/Rede Globo/fonte:via

Aos 90 anos, ele decidiu realizar o sonho de realizar uma graduação

Carlos Augusto Manço sempre teve o sonho de cursar a faculdade de arquitetura. Sem condições financeiras para bancar uma faculdade quando começou a vida profissional, ele optou por um curso técnico, mas rápido e barato, mas agora está se dedicando a realizar o sonho antigo. Detalhe: aos 90 anos de idade.

Morador de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, Carlos Augusto fez um curso técnico em desenho industrial e trabalhou por cinco anos no Departamento de Água e Esgoto da cidade, até conseguir emprego no campus local da USP (Universidade de São Paulo), na qual desenhou obras de expansão da faculdade até se aposentar.

“Sempre gostei da profissão, até pelo contato que tinha com engenheiros e arquitetos no tempo que estive na USP, mas devido a situação financeira não consegui fazer faculdade e por isso, fiz o curso técnico”, contou ao site da Barão de Mauá, faculdade onde estuda.

“Fui recebido muito bem por todos os colegas de classe e estou muito empolgado com o que estou aprendendo. Tenho vontade de fazer tudo!”, relatou o aposentado, que contou com o incentivo da família para se matricular.

 De acordo com a neta, Isabella, o falecimento da esposa, no ano passado, foi um grande baque para Carlos, depois de 62 anos de união. “Foi muito impactante. Agora tentamos dar novos incentivos à vida dele e um deles é a faculdade”, disse ao portal ACidade ON.

Os 90 anos não impedem que Carlos Augusto tenha uma vida ativa. Além da faculdade, ele cursa pintura livre na USP. Seu objetivo, após se formar como arquiteto, é colaborar com outros profissionais da área. Enquanto isso, ele vai inspirando colegas de sala e desconhecidos que também lutam por um sonho.