Erosão provoca avanço do mar e reduz território de São Paulo

A Ilha do Cardoso fica no extremo sul do litoral de São Paulo. O local atrai turistas pela presença abundante de golfinhos e claro, suas praias paradisíacas. Talvez os visitantes e moradores da região não tenham percebido, mas o avanço do mar – em curso há cerca de 60 anos, engoliu 1 quilômetro do estado de São Paulo.

O fenômeno se dá por um processo de erosão considerado natural e que está extinguindo a Enseada da Baleia. Os efeitos causaram redução de dois metros na largura da faixa de areia, além do isolamento de um vilarejo com 15 famílias.

Estudos feitos por pesquisadores estimam que em um mês, a nova barra, responsável pela conexão entre o Estuário de Ararapira ao Oceano Atlântico, vá atingir um quilômetro de extensão. O que deve alterar o ecossistema da região e isolar definitivamente os moradores.

Membros do Departamento de Geologia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) emitiram os primeiros alertas em 2009, atestando a probabilidade da consolidação das erosões para 2018. Os apontamentos foram feitos baseados em imagens de satélite.

As fotografias impressionam e dão clareza sobre a diminuição da faixa de areia dividindo a enseada do oceano, agravada pelo avanço de uma frente-fria nos últimos dias. Em entrevista ao G1, a professora Maria Cristina de Souza afasta possíveis interferências provocadas pela ação do homem.

“A dinâmica daquela região é instável, da água do estuário avançando para o mar. No passado, já ocorreram outras aberturas e acreditamos que, em breve, ocorrerá o assoreamento [deposição de sedimentos] na antiga barra, na divisa com o Paraná”, encerra.

A Defesa Civil disse estar monitorando a situação e que criou um plano de emergência para a mudança das casas habitadas pelas 50 pessoas. O Parque Estadual da Ilha do Cardoso, a Fundação Florestal e o Instituto Geológico, estes dois últimos subordinados à Secretaria de Meio Ambiente de São Paulo, também avaliam os impactos no ecossistema.

“Por terra, não tem como chegar mais até elas [moradores da região]. Entretanto, todas as 15 famílias que moram naquela comunidade se movimentam de barco, são autossustentáveis e já estão acostumadas às distâncias da região”, pontuou Edison Nascimento, gestor do Parque Estadual Ilha do Cardoso.

De qualquer maneira, Cananéia, cidade histórica localizada no continente, está em alerta. O secretário do Meio Ambiente Erick Willy disse ter mobilizado sua equipe para atuar caso a situação fuja do controle.

Fotos: foto 1: Divulgação/Defesa Civil /foto 2: Edison Nascimento/Fundação Florestal/fonte:via

Anúncios

Programa troca lixo reciclável por dinheiro em Santos

Quase todo mundo sabe da importância da reciclagem de lixo, mas, na prática, pouca gente adere ao hábito de separar os resíduos secos (sem falar nas áreas onde não há coleta seletiva): um estudo de 2017 aponta que apenas 13% do lixo que poderia ser reciclado no Brasil realmente tem esse destino.

Por isso é necessário destacar iniciativas que contribuem para mudar esse quadro. É o caso do Club do Condomínio, criado em Santos, no litoral de São Paulo, para incentivar síndicos de prédios a convencer os moradores a separar os resíduos.

Para isso foi criada uma espécie de moeda virtual, chamada bio-coin. A cada quilo de material recolhido por recicladores parceiros da iniciativa o prédio recebe 1 bio-coin, que equivale a 20 centavos. A cada 5000 bio-coins acumulados, o condomínio pode fazer o resgate de mil reais para ser usado nos serviços que o síndico considerar necessários.

O projeto foi lançado em julho deste ano e já conta com 372 condomínios cadastrados – a meta é chegar até 500 ao final de 2018 e 1000 antes de o Club completar um ano.

De acordo com o Club do Condomínio, prédios com 100 moradores geram 40 quilos de material reciclável por dia. Assim, em um mês o condomínio separaria 1200 kg de resíduo sólido, o equivalente a 1200 bio-coins. Em um ano, a quantia chegaria a 14.400 bio-coins, equivalente a R$2880.

Imagens: Marcelo Martins/Prefeitura de Santos/fonte:via

Perseguindo a inovação, ela descobriu como transformar cocô de vaca em roupas

Todo mundo sabe que o esterco é importante para adubar terras e torna-las férteis para a produção de alimentos, mas uma startup holandesa descobriu uma utilidade inovadora e totalmente surpreendente para o cocô de vacas: tecido para roupas do dia a dia.

Acredite: é mais interessante e menos nojento do que você está pensando. A iniciativa é da Mestic, empresa criada por Jalila Essaïdi, especialista em biocultura que promete atacar dois problemas de uma só vez: a poluição de rios causada pelo excesso de excrementos animais ligado à pecuária e os efeitos ao meio ambiente trazidos pela indústria têxtil.

“Nós vemos o esterco como material residual, uma coisa nojenta e fedida. Mas os processo de fabricação de outros tecidos também não são nada limpos ou bonitos no começo. Você precisa mostrar às pessoas a beleza oculta na transformação da celulose”, disse Jalila ao Guardian.

A empreendedora explica que o esterco é composto por 80% de água, e o resto é basicamente celulosa, vinda do capim e dos grãos dos quais os animais se alimentam. O processo de fabricação separa o material líquido do sólido, e tira do primeiro os solventes que transformam o segundo em tecido.

O método é mais eficiente energeticamente do que o tradicional porque não precisa usar altas pressões para soltar as fibras, já que o estômago das vacas já iniciou esse processo.

Mas a pergunta que certamente passa pela cabeça de todo mundo que fica sabendo da empreitada da Mestic é a mesma: as roupas são fedidas? Bem, de acordo com este teste feito por uma rede de televisão holandesa, não.

Eles levaram as peças às ruas e pediram que transeuntes tentassem identificar qualquer coisa de diferente em seu odor. A resposta geral foi de que não, e as pessoas afirmaram que usariam as roupas, mesmo depois de saber do que elas eram feitas.

Por enquanto, as roupas da Mestic só foram criadas em coleções experimentais, mas a empresa está em contato com fabricantes que se mostraram dispostas a utilizar o tecido em seus produtos, mas ainda não sabem como contornar o efeito adverso que a ideia de vestir algo feito a partir de esterco causaria nos consumidores.

Para inovar e empreender, é preciso ter coragem, ousadia e acreditar na sua própria essência e potencial. Por isso, o Hypeness uniu forças com o programa Shark Tank Brasil, do Canal Sony, para contar histórias e dar dicas inspiradoras de quem conseguiu usar experiência de vida, muito trabalho e criatividade para ter sucesso com um negócio próprio. Para tentar convencer os investidores, que no programa procuram negócios originais e inovadores, os empreendedores precisam se superar e, fora dos estúdios, a realidade não é diferente. Acompanhe estas histórias e inspire-se!

Fotos: Divulgação/Mestic/fonte:via

A decoração desta casa feita por um aclamado artista de upcycling é puro caos e inspiração

Upcycling é o ato de reaproveitar materiais que iriam para o lixo, transformando-o em um objeto de valor igual ou maior do que o original. Um dos artistas mais conhecidos do ramo, o designer Michael Jude Russo, decidiu unir a técnica à arquitetura e criou uma casa incrível.

A residência fica em Wilton Manors, pertinho de Fort Lauderdale, na Flórida, e conta com várias entradas de luz natural – que também servem para observar o ambiente ao redor -, dois quartos e dois banheiros, mas o que a destaca mesmo são as esculturas e outras obras de arte criadas por Michael Russo que compõem a decoração.

A inspiração para o projeto veio da minha antiga crença na circularidade do bom design, onde não há ‘saídas mortas’, e na importância da integração com a natureza”, conta Russo. A casa, de cerca de 130 metros quadrados, está à venda por US$1,2 mi, equivalentes a cerca de R$4,6 mi.

Fotos: Reprodução /fonte:via

Brasil é o país com maior número de primatas ameaçados de extinção no mundo

São poucas as espécies de primatas que não correm sérios riscos de extinção, e a dimensão do problema é tragicamente medida pelos países onde vivem a maior parte delas: Brasil, Madagascar, Indonésia e Congo. Das 439 espécies conhecidas, 286 vivem entre esses quatro países – e 60% estão ameaçadas. No Brasil vivem 102 espécies diferentes, país com a maior quantidade de espécies de primatas, e dessas, 35 correm, em diferentes graus, risco de extinção. Trata-se do país com maior número de primatas em risco de extinção no mundo, conforme um estudo publicado recentemente na revista científica PeerJ confirmou.

O estudo reuniu um grupo internacional de 72 especialistas, com 8 oriundos de instituições brasileiras. Embora o número de espécies por aqui em unidades de conservação seja alto, com cerca de 38%, a quantidade de primatas brasileiros coloca esse número em uma realidade alarmante. Na proporção dos quatro países, que possuem cerca de 2/3 de toda a população de primatas não-humanos do mundo, a situação se agrava: na Indonésia a população protegida é de 17%, no Congo, 14% e em Madasgar também 38%.

A caça e a perda de habitat são as principais ameaças, mas outros perigos, como doenças, explorações da floresta em todo tipo, extração de petróleo e comércio ilegal também colocam as espécies em sério risco. Estima-se que, no Brasil, as áreas de ocorrências de primatas diminuirão potencialmente em até 78% até o final do século, e é por isso que a ampliação das áreas protegidas é a primeira medida para salvar os primatas.

Além disso, os especialistas afirmam que é preciso criar corredores florestais para a migração de populações isoladas, restaurar comunidades florestais naturais, ampliar a segurança alimentar, e preservar as florestas de modo geral, tanto em desmatamento quanto em poluição. O estudo sugere a criação de um fundo de sustentabilidade e conservação para ser pago por empresas que explorem e provoquem danos ambientais.

Além de serem fundamentais para a biodiversidade e o equilíbrio ecológico de diversos ecossistemas, os primatas são nossos parentes mais próximos, além de serem de suma importância para a compreensão da evolução humana. Antes de tudo, porém, são seres vivos, que dividem conosco o planeta, e contra os quais a tirania humana não pode seguir se abatendo, a ponto de correrem o risco de simplesmente desaparecem.

© fotos: reprodução/fonte:via

Nova Zelândia vai proibir sacos plásticos até 2019

Governantes de todo o mundo tem anunciado ações para combater o uso indiscriminado de materiais plásticos, com foco nos objetos descartáveis, em um esforço para preservar a biodiversidade, especialmente a vida marinha. Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia, é o mais novo nome na lista.

Na última semana ela anunciou que lojas e mercados do país terão até o começo de 2019 para abandonar a distribuição de sacolas plásticas, sob risco de pagar até 100 mil dólares neozelandeses (cerca de R$250 mil) como multa caso não sigam a lei.

“Todo ano usamos centenas de milhões de sacolas descartáveis. Uma montanha delas, e muitas acabam poluindo nossos preciosos ambientes costeiros e marinhos, causando sérios problemas à vida marinha. E isso tudo enquanto há alternativas viáveis tanto para comerciantes quanto consumidores”, afirmou a primeira-ministra.

Associações de comerciantes já anunciaram que vão acatar a decisão e pretendem eliminar o uso dos sacos plásticos até o fim de 2018. A questão tem chamado a atenção da população neozelandesa, e uma petição com 65 mil assinaturas pedindo o banimento das sacolas motivou Aldern a tomar a decisão. “Também é o assunto sobre o qual as crianças mais me escrevem”, disse a mandatária.

De acordo com a ONU, dezenas de países já proibiram o uso de sacolas plásticas. O primeiro foi Bangladesh, em 2002, motivado pela descoberta de que os materiais atrapalhavam os sistemas de drenagem e eram decisivos para as constantes enchentes no país.

  fonte:via

Após quase serem extintas, ariranhas reaparecem nos rios da Amazônia

Os esforços para proteger espécies ameaçadas de extinção ganharam a atenção do noticiário no fim do século XX, e, apesar de muitas delas terem sucumbido frente à ganância humana, há exemplos que nos ajudam a manter a fé em dias melhores na nossa relação com a natureza.

É o caso de um estudo recente que indica que as ariranhas, que chegaram as ser consideradas localmente extintas nos rios da Bacia Amazônica, estão voltando a habitar a região, após terem sua população quase que dizimada pela caça.

O estudo, liderado pela bióloga Natália Pimenta, nasceu graças à observação de índios baniwa, que há alguns anos têm observado o retorno das ñeewi, palavra que usam para se referir às ariranhas. Inicialmente, os índios, que vivem na Bacia do Içana, começaram a encontrar carcaças de peixes com marcas de mordidas de um bicho que eles não eram capazes de reconhecer. Com o passar do tempo, os sinais aumentaram, e muitos moradores chegaram a ver as ariranhas na região.

O animal não era registrado por lá desde os anos 1940, quando caçadores se espalhavam pela Amazônia para matar animais e vender suas peles. Alguns estudos indicam que mais de 23 milhões de animais, de diferentes espécies, foram mortos entre 1904 e 1969.

De acordo com Natália Pimenta em entrevista à BBC Brasil, as ariranhas eram encontradas em toda a América do Sul, da Venezuela ao sul da Argentina, mas a caça fez com que os animais ficassem restritos a poucas áreas, como o Pantanal e alguns rios amazônicos. Elas têm reaparecido também na Bolívia, na Colômbia e nas Guianas.

fonte:via