As maravilhosas e delicadas tatuagens do artista coreano Hongdam

14088563_1683322968655588_7712056543566761067_n

Não cansamos de dizer que as tatuagens são uma forma de arte, e, como os artistas de outras áreas, tatuadores também têm seus estilos próprios: surrealista, aquarela, pontilhismo, trash… O coreano Hongdam manda muito bem no minimalismo!

Morador de Seul, o tatuador tem traços leves e delicados, caprichando em cada pontinho de tinta. Observando seu trabalho, é possível perceber que ele é detalhista, fazendo questão de trabalhar bem formatos, cores e texturas, fazendo de pequenos desenhos obras complexas e cheias de beleza.

Confira:

14039928_1681605178827367_2227798002462320980_n

14022113_1680871692234049_7279378476814692625_n

14088563_1683322968655588_7712056543566761067_n

14089227_1687716341549584_3433524900035592695_n

14064158_1679266015727950_2128275398701324676_n

14055054_1685931968394688_259616336600822506_n

14292477_1694865304168021_3430178046175840138_n

14344804_1694866290834589_2662335180075692855_n

14195230_1690509961270222_8544729746861579979_o

14191966_1688971694757382_2110694719094472379_n

14184339_1691936747794210_217330809407732727_n

14183943_1686519068335978_2718429793535615231_n

14141650_1687716814882870_7211098385457518376_n

14212042_1688340754820476_7102978874087439919_n

14238162_1691935947794290_6244979952283578242_n

14238190_1693645910956627_5715973895600432202_n

13876653_1679265079061377_1891700341121674743_n

14079523_1687172694937282_5048204715296507308_n

14100331_1688340364820515_2905913314184246722_n

14100472_1687171108270774_7682758597218484881_n

Todas as fotos © Hongdam

Você pode acompanhar o trabalho do artista em suas páginas no Facebook ou Instagram!

Fauna e flora inspiram tatuadora a misturar cores e criar desenhos únicos

Com um interesse de muitos anos na flora e fauna, a artista Emily Kaul, de Portland, é especializada em “arte em aquarela inspirada em nosso maravilhoso mundo natural”. Originalmente, esse interesse culminou em uma coleção de obras em papel. Eventualmente, Emily voltou sua atenção para a arte corporal, transformando seus próprios desenhos inspirados na natureza em tatuagens expressivas e empoderadoras.

A decisão de passar a tatuar temas da natureza foi moldada por sua mudança para o Havaí. Enquanto vivia na Ilha Grande, ela fez sua primeira tatuagem, uma experiência que revelou a ela “o imenso poder que essa forma de arte poderia trazer”. Interessada em apresentar outras pessoas a essa experiência fortalecedora, ela decidiu entrar para a nova profissão quando voltou ao Noroeste do Pacífico, onde ela “criaria um espaço onde as pessoas pudessem abraçar totalmente o seu verdadeiro eu com tatuagens como meio de expressão”.

Com um senso de equilíbrio e uma abordagem diferente para o design, cada tatuagem de Emily apresenta um esboço preto de uma planta ou animal em um cenário de tons combinados. Inspirados pela aquarela, esses círculos adicionam cores aos delicados desenhos de linha sem dominá-los. A artista espera que seus projetos harmoniosos “curem, inspirem e capacitem” seus clientes com sua beleza estética e suas qualidades expressivas.

Confira algumas imagens:

Fotos: @emily_kaul /fonte:via

As pessoas confiam neste tatuador para criar o que bem entender em seus corpos

Muito já se falou sobre a importância de escolher bem uma tatuagem. Afinal, é um traço que ficará no corpo para sempre.

Mas… e se você simplesmente deixasse que outra pessoa decidisse sobre o que tatuar na sua pele?

Essa é a proposta inusitada do tatuador Maison Hefner, cujo nome oficial é Monty Richthofen.

Com o projeto “My words, your body” (“Minhas palavras, seu corpo“), Monty decidiu mudar um pouco a maneira como as pessoas fazem uma tatuagem.

O projeto começou em 2017 e já colocou arte no corpo de centenas de pessoas.

Segundo contou à Vice, tudo começa com uma conversa com o cliente, que pode durar entre meia hora e uma hora e meia. Durante esse tempo, ele sempre aproveita para fazer quatro perguntas: “Por que você quer fazer isso?; O que confiança significa para você?; Por que você confia em mim?; e O que você vai fazer se não gostar da tatuagem?”. A partir das respostas, uma frase é escolhida para estampar a pele da pessoa.

Durante o papo, o tatuador não permite que as pessoas se distraiam com seus telefones ou redes sociais – e ele garante que nunca tatuaria uma pessoa bêbada. Afinal, é preciso estar muito sóbrio para deixar um estranho marcar sua pele para sempre.

Espia só alguns dos trabalhos do moço e acompanhe mais de suas criações através do Instagram.

Fotos: Reprodução Instagram/fonte:via

As cobras coloridas desta tatuadora Coreana são um show de originalidade

Talvez você associe tatuagens de cobras com um traço preto, carregado e, quem sabe, até meio mórbido. Mas a verdade é que, no mundo real, as cobras podem adquirir diversas aparências – afinal, existem mais de 3 mil espécies entre elas…

Quando se trata de arte no corpo, também existe variedade. É o que mostra a tatuadora coreana Zihee, de Seul.

Com um traço delicado, Zihee aposta em cores claras para criar cobras multicoloridas e dá um show de originalidade. Nos desenhos, as serpentes podem estar enroladas ou mesmo em círculos e, em alguns casos, suas estampas exibem lindas flores para mostrar que a natureza é uma só.

Através do Instagram, a artista compartilha suas criações e já conta com mais de 200 mil seguidores. Além das cobras, ela também tatua outros animais, elementos da natureza e até mesmo recria obras de arte famosas na pele de seus clientes.

Espia só que foda a arte da moça:

Estilo, elegância e realismo são a marca registrada das tatuagens de Oscar Åkermo

15 anos de idade e uma ideia na cabeça: ser tatuador. Foi assim que o sueco Oscar Åkermo começou sua jornada, criando as próprias máquinas usando motores e cordas de guitarra. Aos 16, comprou as primeiras máquinas profissionais e pôde dar um salto de qualidade.

Hoje, Oscar tem 23 anos e vive em Nova York, tatuando no reconhecido estúdio Bang Bang. Seu primeiro trabalho foi como aprendiz, aos 17 anos, e ele conta que muitos clientes mais velhos não o levavam a sério. Hoje, há quem o coloque entre os melhores tatuadores do mundo.

Ele diz que, no começo, fazia praticamente apenas tattoos old-school ou tradicionais, o que começou a ficar tedioso. Foi aí que ele passou a se dedicar ao realismo, desenvolvendo seu traço com muito estilo.

Apesar de dizer que ainda gosta de experimentar bastante para tentar encontrar o próprio estilo, Oscar acha que é possível descrever seu trabalho como “uma melancólica mistura de meus tatuadores favoritos, desde que seja sombrio, macabro, psicodélico ou apenas bonito”.

Ele experimentou várias formas de arte antes de se encontrar na tatuagem: tocou guitarra, fez esculturas, costurou, atuou e ainda gostava muito de fotografar, o que ele ainda faz, como hobby, ainda que as tatuagens demandem cada vez mais tempo.

“Muita coisa me inspira! Música, mitologia, cultismo, arquitetura e arte vitoriana, filmes de terror e ficção científica, além de artistas como Rembrandt, Da Vinci, Michelangelo e Salvador Dalí”, revela o tatuador.

Fotos via  Oscar Åkermo /fonte:via

Fotógrafo retrata pessoas com e sem roupas para combater estereótipos sobre tatuagens

“Tatuagem é coisa de…”. Até alguns anos atrás, não era incomum ouvir essa frase, concluída com adjetivos nada elogiosos. Mas o estigma sobre pessoas que decidem decorar suas peles com as artes das tattoos é cada vez menor. E o trabalho do fotógrafo britânico Alan Powdrill reafirma que julgar alguém por sua aparência, especificamente por suas tatuagens, não faz sentido algum.

Powdrill já trabalha no projeto COVERED (“Coberto”) há mais de três anos , e agora lançou uma campanha de financiamento coletivo para produzir um livro com as fotografias.

O britânico já fotografou e entrevistou dezenas de pessoas cheias de tatuagens em várias cidades da Inglaterra. A maioria posa em frente às próprias casas, primeiro com roupas que cobrem todas as tattoos, e depois apenas com as roupas de baixo – ou mesmo completamente nuas.

Para conhecer os personagens da série, Powdrill visita feiras relacionadas à tatuagem, faz contatos através de redes sociais, recebe indicações de amigos e até aborda pessoas nas ruas.

No livro, Powdrill promete publicar mais das entrevistas, como a de Simon Carruth, de 62 anos: “Eu as amo, elas são lindas e eu sempre vou sentir a mesma coisa”. Ou de Izzy Nash, 48 anos: “Amo ser diferente e todos os dias me perguntam sobre elas ao menos uma vez, sempre com uma reação positiva. Boas tatuagens não são baratas, e tatuagens baratas não são boas”.

Fotos © Alan Powdrill/fonte:via

Ela cria tattoos mesclando paisagens, dupla exposição e good vibes

Num mercado cada vez maior e mais popular, possuir estilo e talento é hoje determinante para se tornar um tatuador ou tatuadora de sucesso. Autodidata em seu caminho e interessada especialmente pela natureza, pelas cores e pela sobreposição de imagens na formação de seu traço, a tatuadora polonesa Daria Stahp encontrou um estilo ousado, colorido, estimulante e, ao mesmo tempo, relaxante e harmonioso – um tanto psicodélico e cheio de boas vibrações.

A natureza e a mistura de temas e imagens marca suas tatuagens, que cada vez mais vem ganhando o gosto e a pele dos clientes de sua loja em Varsóvia, na Polônia. Alto contraste e cores vivas, mesclando em dupla exposição com toques surrealistas algumas incríveis paisagens como que escondidas em diversas formas e molduras intrigantes.

“Eu realmente amo o efeito que isso provoca. Acho que colocar duas coisas em uma só imagem e confinar algo maior em um espaço delimitado é uma boa maneira de expressar sua paixão por coisas mais intensas que somente uma imagem”, ela diz.

Para conhecer mais de seu trabalho, visite seu perfil no Instagram.

 

© fotos: divulgação/fonte:[via]