Vídeo captura o exato momento que tubarão branco se aproxima de mergulhador






Cruzar nos mares com um gigantesco tubarão branco é para a maioria das pessoas possivelmente um dos maiores pesadelos a se imaginar. Para o casal de pesquisadores e conservacionistas Ocean Ramsey e Juan Oliphant, porém, tal encontro foi motivo de celebração – e uma oportunidade para alertar a necessidade de uma legislação que proteja os tubarões brancos no Havaí, onde o mergulho ocorreu.

O encontro foi devidamente registrado em vídeo e fotos por Juan, e o impressionante material rapidamente viralizou na internet. Com mais de 6 metros de tamanho, não se sabe se o tubarão com o qual Ocean nadou lado a lado é o famoso Deep Blue, o maior tubarão branco já registrado, ou outro gigante da espécie.

Segundo Ocean, as fotos e vídeos servem para lembrar que os predadores devem ser protegidos ao invés de temidos.

Diferentemente outros animais marinhos, nos EUA não há uma lei federal que proteja os tubarões, e o preconceito contra o animal – visto erroneamente como um monstro predador que caça seres humanos – o coloca em alto risco.

© fotos: Juan Oliphant/ fonte:via

Anúncios

Conheça o tubarão-fantasma, animal que tem pênis retrátil na cabeça

Apesar de se chamar tubarão-fantasma, este animal não é um tubarão, e sim um primo próximo: um peixe da família Chimaeridae. Ele só foi filmado vivo pela primeira vez em 2009, e apenas em 2016 a espécie foi confirmada e registrada por uma equipe de pesquisadores.

O primeiro registro em imagem do animal foi feito por um grupo de cientistas do centro de pesquisas do Aquário Baía de Monterey (Califórnia) que analisavam o fundo do oceano no litoral da Califórnia e do Havaí. Para isso, eles usaram um veículo operado por controle remoto a uma profundidade de 2 mil metros.

Dave Ebert, diretor do programa de pesquisa de tubarões no oceano Pacífico, afirmou ao National Geographic que a descoberta foi “sorte pura”.

O tubarão-fantasma é parente dos tubarões e arraias, portanto possui placas dentárias ao invés de dentes. Ele também tem canais na cabeça e rosto que dão a ele uma aparência de E.T.. A característica mais notável, porém, é o pênis retrátil na testa.

A espécie é normalmente encontrada perto da Austrália e da Nova Zelândia, mas nunca havia sido filmada viva em seu habitat natural até 2009. Aquela também foi a primeira vez que um animal desses foi encontrado no hemisfério norte.

Confira o vídeo abaixo:

fonte: via [The Guardian]

Tubarão fêmea devora colega macho e prova que ‘não é não’

Uma verdadeira batalha sangrenta tomou conta de um dos tanques do aquário de Seul, na Coreia do Sul. Dois tubarões, uma fêmea e um macho, se enfrentaram na água e a coisa ficou feia.

A fêmea de 8 anos acabou comendo seu companheiro de tanque de 5, começando pela cabeça e partindo para o corpo todo. Ao todo, ela demorou 21 horas para completar a “missão”.

O ato de canibalismo foi resultado de uma briga que os dois tubarões tiveram por conta de, provavelmente, o macho ter invadido o território da fêmea. “Tubarões possuem seus territórios”, disse um funcionário do aquário para a Reuters. “De vez em quando, um invade o espaço do outro e acabam produzindo cenas espantosas”.

Apesar de ter se esforçado para fazer do colega uma refeição, a tubarão fêmea deve vomitar em algum momento os restos mortais do companheiro, segundo previsão dos funcionários que cuidam do tanque. A briga foi registrada em vídeo e as imagens estão sendo analisadas para entender o que aconteceu.

Foto: Reprodução//fonte:[via]

Tubarão pré-histórico é encontrado em Portugal

As águas de Algarve, no sul de Portugal, mantinham até hoje um habitante inusitado. O Chlamydoselachus anguineus, também chamado de tubarão-enguia ou tubarão-cobra, é uma espécie pré-histórica de tubarão pouco conhecida, mas que acaba de dar as caras em mares lusitanos.

Foto: Marian Torres

Capturado em agosto por uma rede de pesca, o animal tem 300 dentes finos e afiados. Sua descoberta foi anunciada apenas recentemente pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Os tubarões-enguia são considerados como verdadeiros “fósseis vivos“.

Foto: Citron/CC-BY-SA-3.0

Por viverem muitos metros abaixo da superfície, pouco se sabe ainda sobre a espécie. Não há dados sobre a quantidade de indivíduos existentes ou sua possibilidade de extinção. O animal encontrado em Portugal foi capturado a 700 metros de profundidade e retirado do mar já morto.

Foto: Citron/CC-BY-SA-3.0

De acordo com depoimento de Margarida Castro, professora e pesquisadora do Centro de Ciências Marinhas da Universidade de Algarve, à BBC, a espécie é a única sobrevivente de uma família quase extinta de tubarões. Os especialistas acreditam que o animal tenha surgido no período jurássico tardio, há dezenas de milhares de anos.

fonte:via

Tubarão bizarro que brilha no escuro é identificado

Uma pequena, nova e bizarra espécie de tubarão de águas profundas foi identificada por pesquisadores. Seus espécimes vivem em profundidades abaixo de 300 metros, nas ilhas havaianas. O animal recebeu o nome formal Etmopterus lailae e é uma espécie de tubarão lanterna.

A nova descoberta pesa menos de 900 gramas e é capaz de brilhar no escuro, uma característica comum da espécie. Embora os cientistas não tenham certeza para o propósito dessa habilidade, alguns sugerem que seja uma espécie de camuflagem, ou algo usado como atração para presas, ou como forma de reconhecimento para parceiros sexuais, como uma cauda de pavão subaquática.

“Existem apenas cerca de 450 espécies conhecidas de tubarões em todo o mundo e você não se depara com uma nova espécie muitas vezes”, comemora o co-autor do estudo Stephen Kajiura, da Florida Atlantic University, nos EUA. “Uma grande parte da biodiversidade ainda é desconhecida, então, para tropeçar em uma pequena e nova espécie de tubarão em um oceano gigantesco é realmente emocionante. Esta espécie é muito pouco estudada por causa do seu tamanho e do fato de que ela vive em águas muito profundas. Eles não são facilmente visíveis ou acessíveis como tantos outros tubarões”.

Este novo tubarão foi descoberto pela primeira vez há 17 anos. Quando o espécime foi apresentado pela primeira vez em um artigo, um dos revisores sugeriu que ele poderia pertencer a uma espécie diferente. Os pesquisadores tiveram que fornecer medições precisas do tubarão lanterna e compará-lo meticulosamente com espécimes alojados em outros museus.

“Os aspectos e características únicas desta nova espécie diferenciam-na dos outros tubarões lanterna”, diz Kajiura. “Por um lado, tem uma forma de cabeça estranha e um focinho invulgarmente grande e inchado, onde suas narinas e órgãos olfativos estão localizados. Essas criaturas vivem em um ambiente profundo e quase sem luz, então precisam ter um grande órgão farejador para procurar comida”, explica.

O espécime também tem marcas de flanco ventral indo para a frente e para trás. Além de ter essas marcas, suas barrigas têm flancos bioluminiscentes, o que lhes permite brilhar. Em comparação com outras espécies de tubarões lanterna, eles não têm escamas sob seu focinho longo, têm menos dentes e um número diferente de vértebras. Os cientistas ainda devem observar um exemplo vivo desta nova espécie de tubarão, mas a descoberta nos mostra mais uma vez que há uma grande variedade de vida que ainda estamos para descobrir nos oceanos da Terra.Fonte:[via] [I Fucking Love Science]