Artista une todos os planetas perfeitamente formando um novo universo incrível

Muitas pessoas se sentem atraídas pela astronomia e pelo mistério que habita fora do planeta Terra, porém o artista norte americano, Steve Gildea, conseguiu transformar sua curiosidade em arte. Misturando pintura a óleo com computação gráfica, sua mais nova série é simplesmente incrível, unindo todos os planetas de forma simétrica, formando um universo único e particular.

Ao desenvolver sua série, Planetary Suite, o artista imaginou como se todos os planetas ficassem perfeitamente alinhados, formando uma nova esfera. Para isso, ele primeiro pintou cada planeta individualmente, em telas separadas. Cada planeta é uma tela individual, medindo 6 metros de altura e pouco mais de um metro de largura.

Depois de finalizar todas as telas, ele abraçou a tecnologia e usou a computação gráfica para cortar cada um e, depois uni-los, perfeitamente alinhados, como se formassem um novo planeta, que é a junção de todos os outros. O resultado não poderia ser mais incrível!

Fotos: Steve Gildea /fonte:via

Anúncios

Estas fotografias em tamanho real são verdadeiras portas para outras dimensões

Se uma imagem vale mais do que mil palavras, as fotografias de Chris Engman são capazes de nos transportar para um outro universo. O fotógrafo – baseado em Los Angeles, é especialista em ilusões de ótica, porém com um detalhe muito especial: suas fotos são em grande escala e por isso mesmo, verdadeiras portas para outras dimensões.

Sua última série – Containment (contenção), é composta por mais de 300 impressões gigantes, que podem levar o observador a adentrar um deserto perdido, uma floresta densa, um refrescante riacho ou até mesmo, uma casa abandonada.

O artista explica que, se observarmos suas fotos a uma certa distância, elas parecem bastante reais, porém conforme nos aproximamos, elas começam a se distorcer, estando justamente aí, a grande ilusão!

Fotos: Chris Engman /fonte:via

Galáxia inspira ilustradora a criar novos e possíveis planetas

Julia Vasilevskaya é uma ilustradora que só precisa de uma coisa para ser feliz: o espaço. Desde pequena, o universo é uma das suas principais fontes de inspiração. Intrigada por seu tamanho e enormidade, ela nos mostra que, através de suas criações, no espaço tudo é possível. Os planetas que ela inventa podem existir em algum lugar da galáxia!

Confira os vídeos e fotos de seu trabalho:

Julia cria planetas imaginários em suas ilustrações

Ilustrações: Julia Vasilevskaya /fonte:via

Última teoria de Stephen Hawking diz que universo não é infinito

As teorias modernas a respeito do surgimento e do funcionamento do universo sugerem que sua criação se deu a partir de uma breve explosão, em uma fração de segundo após o Big Bang, a partir da qual o cosmos rapidamente se expandiu – e segue se expandindo. Esse movimento de expansão seria um evento eterno, acontecendo em distâncias incalculáveis, sendo a parte observável do universo uma mínima fração da totalidade do cosmos, onde o processo se concluiu e por isso foram formadas as estrelas, planetas e galáxias.

A última teoria publicada pelo físico inglês Stephen Hawking antes de sua morte, no entanto, contraria algumas dessas máximas – e pode alterar tudo que entendemos sobre o tema.

O estudo foi realizado por Hawking em parceria com o professor Thomas Hertog, da universidade KU Leuven, na Bélgica, e foi publicado pelo Journal of High-Energy Physics, na semana passada. Segundo o estudo, o universo seria mais simples e, especialmente, seria finito.

A pesquisa foi realizada em julho do ano passado, e publicada antes da morte de Hawking, ainda com a chancela do gênio da física e da cosmologia. Em resumo, a última teoria de Hawking e Hertog afirma que a ideia da inflação eterna está errada.

“Prevemos que o nosso universo, nas maiores escalas, é razoavelmente simples e globalmente finito. Portanto, não é uma estrutura fractal”, afirmou Hawking na pesquisa. A pesquisa ainda precisa ser confirmada em novos trabalhos, mas sugere uma redução significativa no universo e “uma categoria muito menor de possíveis universos”, afirmou Hawking. Se confirmada, a nova pesquisa terá implicações intensas sobre o paradigma do multiverso que rege os estudos cosmológicos hoje.

Hawking é um dos maiores astrofísicos da história, e Hertog recebeu, em 2014, uma bolsa de dois milhões de euros por seus anos de trabalho em cosmologia holográfica quântica.

© fotos: divulgação/fonte:via

O adeus da nave espacial responsável pelas melhores fotos de Saturno de todos os tempos

Em 1997, a NASA lançou à órbita a nave espacial Cassini–Huygens, uma sonda que tinha como grande objetivo captar imagens e informações sobre Saturno e suas luas. Quase 20 anos depois, a sonda está prestes a terminar sua missão, durante a qual registrou fotografias espetaculares do sistema solar.

 

A Cassini só chegou a Saturno em 2004, sete anos depois de deixar a Terra. Foi capaz de coletar informações que ajudaram cientistas a entender melhor a atmosfera do planeta, além da composição de algumas de suas luas. Sem a sonda, não seria possível saber, por exemplo, que a lua Titã é a única conhecida com atmosfera, além de ter mares e lagos formados por etano e metano. Tirando nosso planeta, é o único lugar do sistema solar onde sabemos que existem superfícies líquidas.

Mas, desde abril de 2017, a Nasa vem trabalhando na missão Grand Finale, em que a Cassini vai se chocar com a superfície saturniana e encerrar suas atividades. O impacto está previsto para acontecer no dia 15 de setembro, por volta das 9 horas da manhã no horário de Brasília.

O motivo para que a sonda deixe de ser utilizada é que ela ficou totalmente obsoleta. Criada em 1993, a Cassini usando tecnologia dos anos 80. Seu disco rígido interno tem apenas 2 gigabytes de capacidade, e as câmeras têm cerca de 10% do número de pixels das de um smartphone dos mais modernos.

Mesmo assim, os dados coletados por ela são tão vastos que os cientistas da NASA acreditam que terão material para fazer novas descobertas por décadas, tanto sobre Saturno quanto sobre sua magnetosfera, seus anéis e suas luas por décadas. Além disso, suas fotografias certamente seguirão capazes de nos causar grande impacto.

 

 

 

 

No site da NASA tem mais imagens feitas pela Cassini! Corre lá para conferir que vale a pena.

 

Fotos: NASA/fonte:via