Revolta da natureza: Foca pistola dá uma ‘polvada’ no rosto de canoísta

Resultado de imagem para Revolta da natureza: Foca pistola dá uma ‘polvada’ no rosto de canoísta

Um homem estava navegando tranquilamente em seu caiaque, quando foi surpreendido por uma foca, que lhe deu uma bofetada pra ninguém botar defeito. Kyle Mulinder tomou um tapa de uma foca. Bizarro, não? Calma, que piora, porque a foca usou um polvo para ‘agredir’ o homem.

O vídeo foi feito na costa de Kaikoura, na Nova Zelândia. Ao lado do amigo Taiyo Masuda, Kyle estava testando a câmera GoPro HERO 7, quando booom, levou um tabefe da foca segurando um polvo.

“Nós estávamos navegando tranquilamente pelo oceano quando essa foca macho gigante apareceu destroçando um polvo”, disse Mulinder ao Yahoo 7 News.

A hipótese mais provável é que os canoístas estavam no lugar errado e na hora errada, pois a foca estava no meio de um embate com o polvo e quando emergiu deu de cara com o caiaque.

“Eu fiquei tipo, cara o que aconteceu? Foi estranho, porque tudo aconteceu muito rápido e eu consegui sentir as partes do polvo na minha cara”. Apesar de ter resistido bravamente, o polvo acabou sendo derrotado.

Fotos: Taiyo Masuda/Reprodução /fonte:via

Anúncios

Jovem de 11 anos faz desafio do YouTube e fica ferido igual aos pilotos de caça

Invariavelmente, a internet acaba se tornando uma ferramenta perigosa. Sobretudo entre os mais jovens, que se aproveitando do descuido ou falta de tempo dos pais, criam brincadeiras com sérias consequências.

Principal celeiro deste tipo de prática, o YouTube viu crescer o número de vídeos sobre o desafio da roda da morte. A febre consiste em usar uma moto para acelerar o brinquedo conhecido como gira-gira.

O jovem Tyler Broome, de 11 anos, acabou sendo vítima da roda da morte e precisou ser internado em um hospital do Reino Unido. A mãe compartilhou fotografias mostrando os graves ferimentos na cabeça e olhos do filho, resultado do ‘desafio estúpido’, como chamou. O menino está internado em estado crítico.

De acordo com os médicos, Tyler sofreu ferimentos comuns aos pilotos de caça. O britânico foi vítima da centrifugação da chamada Força G. Isso acontece quando o corpo humano recebe uma grande carga dos efeitos da gravidade. A ausência de uma máscara de oxigênio é decisiva.

Tyler ficou com a cabeça inchada e os olhos dilatados e cheios de sangue e chegou a desmaiar. O impacto é tão grande, que a pessoa pode sofrer um derrame cerebral. Isso acontece, pois a Força G leva rapidamente o sangue do corpo para o cérebro. Daí os inchaços e marcas no rosto da criança.

“No caso de Tyler, ele desmaiou por causa da força da gravidade. Sua visão está turva e seus olhos vermelhos, cheios de sangue. Os médicos disseram que, se ele não estivesse em forma e saudável, poderia ter sofrido um derrame e morrido”, disse a mãe à BBC.

Tyler segue internado em condição grave, porém estável. A polícia de Nottinghamshire, na Inglaterra, está investigando o caso e os médicos, com consentimento da família, estão escrevendo um artigo para servir de alerta.

Fotos: Dawn Hollingworth/Reprodução /fonte:via

Historiador faz descoberta incrível ao analisar fotografia de templo grego de 1858

A curiosidade de um historiador proporcionou uma descoberta sem precedentes para a humanidade. O inglês Paul Cooper encontrou uma foto incrível do Templo do Olímpico de Zeus, na Grécia.

Paul desvendou um quebra-cabeça com a imagem das ruínas do templo, tirada por volta de 1858. Ele estava pesquisando sobre histórias esquecidas de ruínas ao redor do mundo para uma matéria do curso de PhD. Com isso, conseguiu montar uma linha do tempo mostrando como a construção se transformou ao longo dos séculos.

No caso do Templo Olímpico de Zeus, o que chamou a atenção do historiador foi um objeto estranho na parte superior da construção, “que diabos poderia ser aquilo?”, se questionou.

O interessante é que o objeto – que lembra muito uma pequena edícula, não pode ser visto como parte das ruínas nos dias de hoje. Chama a atenção o fato de que a construção pode ser vista em algumas fotografias históricas do século 19. Paul, então, se questionou sobre a possibilidade de pessoas terem vivido lá. “Como a edícula teria sido incluída em algumas fotos e excluída de outras?”

Para nossa alegria, Paul conseguiu desfazer o mistério e deu detalhes sobre a aventura em uma thread sensacional no Twitter. Segundo o historiador, o anexo realmente existiu. O inglês diz que pairava entre os cristãos a ideia de que morar na parte de cima de grandes construções os aproximariam de Deus. Inclusive, eles recebiam comida e água, entregues por meio de uma corda.

Após a independência da Grécia do Império Otomano, autoridades decidiram demolir a construção para reforçar conceitos de identidade nacional e valorizar o período helenístico.

“De qualquer forma, esta é a história de como eu não consegui cumprir minhas obrigações hoje. Eu vou escalar um pilar para pedir perdão”, encerrou.

Fotos: Reprodução/fonte:via

Moda entre adolescentes, desafio do fogo está gerando preocupação; entenda

Você já ouviu falar do desafio do fogo? É uma tendência (perigosa) que nasceu nas redes sociais. A moda envolve dois participantes, uma tem que se molhar com álcool, enquanto o outro acende um fósforo e ateia fogo no colega.

O intuito é queimar apenas uma parte do corpo, no entanto, a ‘brincadeira’ pode ter um resultado catastrófico. Foi o que aconteceu com a jovem Timiyah. Com apenas 12 anos, a norte-americana teve o corpo queimado e foi socorrida pela mãe.

“Ela estava coberta por fogo, gritando, chorando e pedindo ajuda. Eu me desesperei. A primeira coisa que fiz foi tentar apagar o fogo com minhas próprias mãos. Entrei nas chamas para salvá-la e tentei rasgar as roupas dela”, relatou a contadora Brandi Owens, de 35 anos, que teve partes de seu próprio corpo atingidas pelas chamas.

Timiyah, que está internada em estado grave, ficou com 49% do corpo coberto por queimaduras de segundo e terceiro grau. A estudante estava acompanhada por mais duas amigas na cozinha de casa quando decidiu participar do desafio do fogo.

Depois de colocá-la no banho frio, Brandi levou a menina para o hospital e agora iniciou uma campanha de financiamento para arcar com os custos. O tratamento, segundo os médicos, deve levar meses. A garota vai passar por mais três cirurgias.

O desafio do fogo começou por volta de 2012, quando um usuário do YouTube publicou um vídeo ateando fogo nos pelos do peito. Dali pra frente, outras versões viralizaram nas redes. Além do caso de Timiyah, outro rapaz norte-americano sofreu queimaduras de segundo grau ao participar da onda.

O YouTube disse que está retirando vídeos relacionados com o tema.

Fotos: Reprodução/Facebook/fonte:via

A internet está se divertindo caçando sósias dos atletas da Copa do Mundo

A Copa do Mundo já monopoliza todas as atenções e estimula o brasileiro a desfilar toda a sua criatividade. Depois do sucesso do Canarinho Pistola e de memes falando sobre o tombo homérico de Tite, a brincadeira agora é encontrar os sósias dos principais atletas competindo no Mundial da Rússia.

A disputa está bastante acirrada, mas alguns candidatos já despontam como favoritos a vencerem a Seleção Sósias. Tipo o Alisson, goleiro titular do Brasil, que foi comparado com o ator Chris Hemsworth – intérprete de Thor e claro, Lionel Messi, para muitos idêntico ao David Tennant, famoso pelas atuações em Doctor Who e Jessica Jones.

Porém Dolby, sósia de Mascherano, talvez seja a melhor de todas.

Fotos: Reprodução/fonte:via

Estes gêmeos recém-nascidos abrem o berreiro se forem separados

Dizem que irmãos gêmeos possuem uma ligação especial. Mito ou verdade, fato é que esta tese ganhou força com o caso de dois irmãos que não param de chorar caso estejam separados.

Nascidos na Flórida, nos Estados Unidos, os bebês foram filmados pelo pai, Dane, em vídeo mostrando os gêmeos abrindo o berreiro quando um dos médicos tenta tirá-lo de perto do outro. A insatisfação para depois que a criança é acomodada ao lado do companheiro.

“Minha esposa Lisa não pode acompanhar o momento e nem sabia o que estava acontecendo. Ao ver o vídeo ela ficou bastante emocionada e agradecida por eu ter registrado aquela cena. Ainda choramos quando assistimos”, disse o pai orgulhoso ao Yahoo Lifestyle.

Atualmente com 11 semanas de vida, os garotos são cuidados pelos pais e uma enfermeira. Apesar de terem nascido prematuros ambos gozam de ótima saúde. Agora a expectativa dos pais é que estes laços se fortaleçam ao decorrer dos anos.

Fotos: Reprodução/Facebook/fonte:via

A história muito louca por trás de um dos maiores virais da história

Era para ser apenas uma matéria para um telejornal local de Oregon, nos Estados Unidos, mas se tornou um vídeo famoso por mais de 40 anos: no dia 11 de novembro de 1970, o repórter Paul Linnman ficou eternizado nas memórias de norte-americanos ao cobrir a explosão de uma baleia.

Sim, é isso mesmo: naquele ano, ao encontrar uma enorme baleia cachalote encalhada na praia, as autoridades de Florence ficaram sem saber o que fazer. O animal estava morto, era pesado demais para ser retirado ou devolvido ao mar e estava exalando um mau cheiro que se espalhava por centenas de metros. A solução, acredite se quiser, foi explodir o corpo.

A ideia era que, em pedaços menores, fosse possível fazer a retirada dos restos mortais da baleia, e que o que sobrasse fosse consumido pelas gaivotas. A operação não foi exatamente um sucesso, e o vídeo registrando o que se tornou uma chuva de pedaços de baleia ficou famosíssimo nos Estados Unidos após o humorista Dave Barry descrevê-lo como a “notícia mais divertida que ele havia visto na vida”.

Paul lembra daqueles momentos como se tivessem acontecido ontem. “Parecia um filme ou programa de TV. Esses pedaços que caíam do céu poderiam realmente ter nos matado. Foram disparados, como balas. Aí começamos a correr.”, diz.

 “Corremos por cerca de 10 metros e escutamos uma segunda explosão. Não tínhamos ideia do que era. Quando descemos do lugar em que estávamos e fomos ao estacionamento, vimos um pedaço do tamanho de uma mesa de café que atingiu nosso carro”, lembra.

A história da “exploding whale” (“baleia explosiva”) se tornou um marco no imaginário popular norte-americano e voltou a fazer sucesso graças ao Youtube. 47 anos depois, Paul Linnman ainda é abordado quase todos os dias para falar do assunto, e até lançou um livro de memórias profissionais que tem a história como título.

A reportagem sobre o acontecimento bizarro pode ser vista aqui, na versão original, ou aqui, em uma reedição exibida em 2012.

Com informações da BBC.

Imagens: Reprodução /fonte:via