LENTES SENSÍVEIS: A EMOCIONANTE HISTÓRIA DA MULHER QUE ENCONTROU O PRÓPRIO PAI MORANDO NAS RUAS

Fotografia de Diana ainda pequena no colo do pai
Fotografia de Diana ainda pequena no colo do pai РDivulga̤̣o/Diana Kim

Através das lentes de suas câmeras, a havaiana Diana Kim sempre enxergou um mundo diferente, lotado de pessoas consideradas invisíveis. Formada em direito, ela passou anos de sua vida representando tais personagens na fotografia.

Em 2003, logo depois que entrou na Universidade do Havaí, Diana resolveu fazer um trabalho fotográfico sobre a falta de moradia na ilha. Foi assim que ela iniciou o ambicioso projeto de humanizar as pessoas que viviam nas ruas havaianas.

Foram quase 12 anos de imagens delicadas e sensíveis até que a fotógrafa encontrasse uma cena inesperada. Muito mais magro do que ela se lembrava, o pai de Diana apareceu na frente das lentes, completamente fora de si e sem ter para onde ir.

Fotografia do pai de Diana morando nas ruas / Crédito: Divulgação/Diana Kim

Solidão e abandono

“Meu pai me apresentou à fotografia. Ele era um fotógrafo de paisagens”, Diana contou à BBC, em 2015. “Eu me lembro dos meus primeiros anos sentado em seu estúdio, ajudando-o a abrir câmeras descartáveis ​​e vendo-o fazer cópias”.

Com o passar dos anos, no entanto, as memórias adquiriram um tom acinzentado, principalmente quando o pai da jovem foi embora. “Ele praticamente abandonou à mim e à minha mãe quando eu tinha oito anos”, Diana lembra com pesar.

Filha de pais separados, a havaiana acabou mudando de casa por diversas vezes e, eventualmente, perdeu o contato com seu pai. Em 2012, todavia, uma simples ligação mudou o rumo da história. Do outro lado do telefone, a avó de Diana parecia triste.

O pai de Diana no hospital, após o ataque cardíaco / Crédito: Divulgação/Diana Kim

Alheio à sociedade

“Seu pai está doente — algo errado com sua mente”, foram as palavras que a jovem escutou logo que atendeu. Sem entender muita coisa, já que sua avó falava coreano, Diana procurou pelo pai e, após certa procura, encontrou um homem em farrapos.

Diagnosticado com esquizofrenia, o pai de Diana havia deixado de tomar seus remédios e não mais cuidava da própria saúde. Ainda que ele morasse em um prédio, seu estado não agradava aos demais moradores e o pior acabou acontecendo.

“O contrato não foi renovado e ele foi despejado”, a jovem havaiana conta, após pontuar que, mesmo descuidado, o pai não apresentava perigo para ninguém. “Tudo aconteceu muito rápido. Meu pai estava realmente nas ruas, sem ter para onde ir.”

Diana e seu pai, durante a recuperação dele / Crédito: Divulgação/Diana Kim

Falta de esperanã

Foi aí que, um dia, Diana decidiu sair pelas ruas procurando pelo pai. Ela o encontrou em uma esquina, parado, com o olhar vazio. Ele não respondia aos desesperados sinais da filha, nem mesmo quando ela o segurou pelos braços e chamou sua atenção.

“Para algumas pessoas, ir embora seria a coisa mais saudável a se fazer, mas isso teria me destruído”. Diana, então, fez o que achava ser o mais lógico e confortável para ambos: começou a fotografar o pai, mesmo que ele não prestasse atenção.

“Alguns dias eu simplesmente não conseguia nem olhar para ele porque doía muito vê-lo naquele lugar. É como ver alguém morrer, lentamente, sem saber como salvá-lo. Então eu usava a câmera como um escudo”.

Fotografias do pai de Diana antes e depois de sua recuperação / Crédito: Divulgação/Diana Kim

Luz no fim do túnel

Por culpa da doença do pai, Diana sabia que não tinha muito o que pudesse fazer. Foi apenas meses mais tarde que um ataque cardíaco salvou a vida do homem. Ele foi levado ao hospital e, com os cuidados certos, voltou a tomar os remédios necessários.

“Quando eu o vi deitado ali foi incrível, porque ele era o mais saudável que eu tinha visto em dois ou três anos”, ela lembra. Daquele dia em diante, Diana e o pai começaram uma jornada lenta de recuperação, apoiando-se um no outro.

Dois anos mais tarde, em 2015, o homem já tinha um emprego e, junto da filha, voltou a fotografar. Ao lado do pai, Diana produziu um livro sobre a trajetória que eles traçaram e publicou as fotos que, de certa forma, serviram como um tratamento para o homem que ela voltou a conhecer após ultrapassar obstáculos inacreditáveis. fonte:via

Arqueólogos descobrem misterioso reino antigo perdido na história

Uma equipe de arqueólogos liderados por James Osborne, da Universidade de Chicago (EUA), descobriu o que parecem ser os restos da capital de um antigo reino perdido, localizado no monte Türkmen-Karahöyük, na Turquia.

A descoberta foi extremamente surpreendente para os cientistas: embora o monte se situe na planície de Konya, uma região repleta de metrópoles perdidas, essa em particular é praticamente desconhecida pela história.

O achado

Tudo começou quando os pesquisadores foram alertados por um agricultor local da existência de uma grande pedra estranha com um tipo de inscrição desconhecida em um canal próximo que havia sido recentemente dragado (a dragagem é um processo de remoção de sedimentos feito para manter a profundidade dos canais de navegação).

Depressa, Osborne notou que a pedra era importante. Assim, ele e seus colegas pularam na água para se aproximar da inscrição.

“Imediatamente ficou claro que era antiga, e reconhecemos a linguagem em que estava escrita: Luwian, uma língua usada nas idades do Bronze e do Ferro na área”, afirmou.

Tratava-se de uma estela, ou seja, uma escultura monolítica cuja função essencial é veicular um determinado significado simbólico, seja ele funerário, mágico-religioso, territorial, político, propagandístico etc.

Rei Hartapu

Tradutores foram chamados e explicaram que os hieróglifos descreviam uma vitória militar. Especificamente, a derrota da Frígia, um reino que existiu na Anatólia cerca de 3.000 anos atrás.

A Frígia era governada por homens chamados de Midas. Na data dessa estela, no entanto, análises linguísticas sugerem que a inscrição pode se referir àquele Rei Midas famoso do mito do toque de ouro.

Impressionante, não é mesmo?

Ainda mais curioso, no entanto, é o rei vitorioso, um homem chamado Hartapu. Os hieróglifos indicam que Midas foi capturado pelas forças de Hartapu, um governante sobre o qual quase nada se sabe.

Nem sobre seu reino, aliás. A pedra indica que o monte de Türkmen-Karahöyük pode ter sido a capital de Hartapu, abrangendo cerca de 300 acres em seu apogeu. Ou seja, uma cidade importante capaz de façanhas aparentemente incríveis, totalmente desconhecida pela história.

Um longo caminho

As informações obtidas até agora são preliminares.

De acordo com a equipe, há muito mais escavações a serem feitas na região, a fim de começarmos a compreender esse reino aparentemente perdido na história.

“Dentro deste monte haverá palácios, monumentos, casas”, disse Osborne. “Esta estela foi uma descoberta maravilhosa e incrivelmente sortuda – mas é apenas o começo”.

Para saber mais sobre o projeto arqueológico, acesse seu website. fonte:via [ScienceAlert]

Veja o gigantesco tubarão megalodonte em escala pela primeira vez

Tamanho do Megalodonte em comparação a um humano
Ilustração do megalodonte em comparação a um mergulhador humano. Crédito: Jack A. Cooper et al.

As inéditas colossais proporções do tubarão pré-histórico, o megalodonte, foram reveladas pela primeira vez em uma pesquisa realizada na Inglaterra.

Até então estimávamos o comprimento do enorme megalodon Otodus, mas pesquisadores da Universidade de Bristol e da Universidade de Swansea conseguiram estimar as demais proporções do animal que incluem nadadeiras que tinham o tamanho de humanos adultos.

As medidas foram alcançadas usando modelos matemáticos e comparações morfológicas com os seus descendentes vivos hoje.

O que eram os megalodontes

O estudo recente, publicado na revista Nature Scientific Reports, indica que o animal chegava a 16 metros de comprimento, sua cabeça tinha 4,65 metros e sua barbatana dorsal tinha 1,62 metros de altura. A cauda poderia chegar a 3,85 metros.

Megalodontes foram enormes tubarões pré-históricos que viveram entre 23 a 3 milhões de anos atrás.

Para Jack Cooper, mestre em paleobiologia da Universidade de Bristol, a pesquisa foi seu “projeto dos sonhos”, de acordo com The Guardian.

O pesquisador afirmou na entrevista que sempre foi louco pelos animais, inclusive mergulhou com os gigantes na África do Sul, dentro de uma gaiola de metal.

De acordo com o cientista foi sua beleza, adaptabilidade e poder que os tornou muito atraentes como objeto de estudo. Ele também disse que foram os megalodontes que o inspiraram a cursar paleontologia desde criança.

Investigar o animal por inteiro é complicado, pois apenas os dentes destes gigantes costumam sobreviver no registro fóssil, já que esses peixes não possuem ossos, mas um esqueleto de cartilagem que deteriorava com facilidade.

A pesquisa de Cooper compara o Megalodonte não apenas com o tubarão-branco, como estudos anteriores, mas a um total de cinco espécies distintas de tubarões que vivem atualmente.

Os cientistas observaram que os tubarões não mudam suas proporções durante o desenvolvimento até a vida adulta o que indica que eles poderiam usar as mesmas curvas de crescimento das espécies atuais projetando o comprimento até os 16 metros do megalodonte.

Mais informações em Body dimensions of the extinct giant shark Otodus megalodon: a 2D reconstruction.

33 comparações que mostram quão gigantes são certos animais

Minazo, o elefante-marinho do sul do aquário de Enoshima, no Japão, que morreu em 2005

O mundo animal é fantasticamente variado mas nosso contato com eles costuma ser limitado: viver em cidades não oferece muitas oportunidades de encontros com bichos exóticos. Abaixo você poderá constatar, nessa compilação feita pelo Bored Panda, quão absurdamente gigantes podem ser certos animais quando comparados a humanos.

É impossível não se impressionar.

A pata gigante de um urso comprada a minúscula cabeça de um humano

A pata de um urso comprada a minúscula cabeça de um humano
Via Reddit

Esta pata parece de um urso pardo. O animal pode chegar a 800kg e 2,8m de comprimento. Ao contrário do que se pensa eles não são exclusivamente carnívoros, mas onívoros: comem de tudo, como os humanos.

A cabeça gigante de um bisão é quase do tamanho de um humano adulto e pode pesar 1,6 toneladas

A cabeça de um bisão é quase do tamanho de um humano adulto e pode pesar 1,5 toneladas
Ele está preso para que seja realizada coleta de sangue. Via Reddit

Bisões também podem chegar a 4,6m de comprimento e 2,5m de altura. Os filhotes podem nascer com 32kg.

Cavalos da raça clydesdale parecem gigantes perto de humanos

Cavalos da raça clydesdale são muito grandes
Via Reddit

Cavalos da raça clydesdale, originada na Escócia, podem chegar a 1,83m de altura e pesar uma tonelada. São cavalos muito fortes que originalmente eram usados para tração.

Minazo, o elefante-marinho do sul do aquário de Enoshima, no Japão, que morreu em 2005

Minazo, o elefante-marinho do sul do aquário de Enoshima, no Japão, que morreu em 2005
Via Reddit

A espécie, também conhecida como foca-elefante, pode chegar a quatro toneladas e 3,7m de comprimento

Esse é Patrick o maior e mais velho vombate do mundo

Esse é Patrick o maior e mais velho vombate do mundo
Crédito: Ballarat Wildlife Park

Vombates são marsupiais australianos de metabolismo lento e dentes de roedor que fazem cocô em cubos.

Um caramujo-gigante-africano

Um caramujo-gigante-africano
Via Reddit

O caramujo gigante africano é um dos maiores gastrópodes do mundo. Foi trazido para o Brasil em 1983 com o objetivo de produção de escargot.

Uma tartatuga mordegora (Chelydra serpentina) adulta em comparação com o que as pessoas pensam que é uma tartaruga mordedora adulta

Uma tartatuga mordegora (Chelydra serpentina) adulta em comparação com o que as pessoas pensam que é uma tartaruga mordedora adulta
Via Reddit

Um peixe-lua adulto em comparação com filhotes de peixe-lua. Eles botam 300 milhões de ovos por vez

Um peixe-lua adulto em comparação com filhotes de peixe-lua
Crédito: Amy Coghlan

Peixe-lua adulto pode chegar a 1,8m de comprimento e mil quilos. São peixes de grandes profundidades que sobem esporadicamente a superfície para que o sol os livre de parasitas na pele.

São os recordistas mundiais em botar ovos: 300 milhões por vez.

A harpia é tão grande que parece um ser humano fantasiado

Garra de uma harpia
Imagem via Twitter

Um alce pode ter mais de dois metros de altura e pesar 700kg

Um alce pode ter mais de dois metros de altura e pesar 700kg

alce Ã© o maior animal da espécie dos cervos e sua galhada pode chegar a 1,8m de ponta a ponta.

“Eu subestimei severamente o tamanho dos alces”

"Eu subestimei severamente o tamanho dos alces"
Via Imgur

O crânio de uma baleia em comparação a uma humana

O crânio de uma baleia em comparação a uma humana
Via Reddit

Um crocodilo-marinho perto de uma humana “entalata”

Um crocodilo de água salgada perto de uma humana "entalata"

Crocodilos marinhos são os maiores répteis vivos do mundo e podem chegar a pesar mil quilos e 7m de comprimento.

Um minúsculo humano e o crânio de uma gigantesca baleia azul

Um minúsculo humano e o crânio de uma baleia azul
Via Reddit

Esses gigantes animais são os maiores seres a existirem na história de nosso planeta. Uma baleia azul pode chegar a 150 mil quilos, 30 metros de comprimento e 90 anos de idade na natureza.

O coração de uma baleia azul tem o peso de um carro e sua língua o peso de um elefante.

“Acredite ou não essa é uma das aranhas menos perigosas que temos na Austrália”

"Acredite ou não essa é uma das aranhas menos perigosas que temos na Austrália"
Via Reddit

A cabeça de um leão comparada a de um humano

A cabeça de um leão comparada a de um humano
Via Instagram

“Meu pai e meu cachorro (meu pai tem 1,88m)”

"Meu pai e meu cachorro (meu pai tem 1,88m)"
Enorme dogue alemão via Reddit

Morcego cabeça-de-martelo (Hypsignathus monstrosus) que se alimenta apenas de frutas

Morcego cabeça-de-martelo (Hypsignathus monstrosus) que se alimenta apenas de frutas
Via Reddit

Tartarugas-de-couro pode chegar a tamanhos impressionantes

Tartarugas-de-couro pode chegar a tamanhos impressionantes
As fêmeas saem da água para a areia uma vez ao ano para botar ovos. Imagem via Reddit.

A pata de um tigre comparada a uma mão humana

A pata de um tigre comparada a uma mão humana
Via Reddit

O tamanho de um tigre siberiano em comparação a um humano

O tamanho de um tigre siberiano em comparação a um humano
Via Reddit

A maior salamandra e maior anfíbio do mundo é a salamandra chinesa gigante. Ela está criticamente ameaçada.

A maior salamandra e maior anfíbio do mundo é a salamandra chinesa gigante. Ela está criticamente ameaçada.
Relatos dizem que ela pode ter cheiro de pimenta e faz sons iguais aos de bebês humanos. Via Reddit.

Uma enorme lagarta gorducha

Uma enorme lagarta gorducha
Imagem via Reddit

Esqueletos de um humano e da nadadeira dorsal de uma baleia (não especificada)

Esqueletos de um humano e da nadadeira dorsal de uma baleia (não especificada)
Via Reddit

Um monstruoso crocodilo de água doce

Um monstruoso crocodilo de água doce
Via Reddit

Peixe-tigre-golias (Hydrocynus goliath) do rio Congo

Peixe-tigre-golias (Hydrocynus goliath) do rio Congo
Via Reddit

O maior destes peixes já encontrado tinha 70kg.

A mortal garra de um casuar em comparação a uma mão humana

A mortal garra de um casuar em comparação a uma mão humana
Via Twitter

O tamanho assustador da vespa-mandarina ou vespa gigante asiática

O tamanho assustador da vespa-mandarina ou vespa gigante asiática
Via Flickr

A mão de um gorila versus uma mão humana

A mão de um gorila versus uma mão humana
Via Imgur

Um grilo na Costa Rica e uma mão de 16cm para escala

Um grilo na Costa Rica e uma mão de 16cm para escala
Via Reddit

Um morcego frugívoro

Um morcego frugívoro
Via Reddit

Uma garra de lagosta ridiculamente grande de quase 2,3Kg

Uma garra de lagosta ridiculamente grande de quase 2,3Kg
Reddit

Larva de um besouro gigante

Larva de um besouro gigante
Via Reddit

Poção de “bruxa” de mil anos mata bactérias resistentes a antibióticos

livro medico anglo saxao antigo
A fórmula do colírio de Bald, encontrado em um antigo livro médico anglo-saxão. Crédito: Universidade de Warwick

Uma fórmula de mil anos de idade para o tratamento infecções nos olhos talvez leve os cientistas a um novo caminho para lutar contra a resistência aos antibióticos.

A poção parece mesmo bruxaria: cebola, vinho, alho e bile bovina. E um artigo científico publicado na revista Nature Scientific Reports mostrou que a fórmula para o “colírio para os olhos de Bald”, conseguiu matar inúmeras bactérias, até mesmo algumas que eram resistentes a antibióticos, reportou o Gizmodo.

Método subestimado

O artigo de Freya Harrison e colaboradores, da Universidade de Warwick, mostra um método subestimado para alcançar novos bactericidas. Hoje inúmeros antibióticos não funcionam contra certas cepas de bactérias que evoluíram resistência aos medicamentos. Livros médicos medievais podem ser uma fonte incomum de novo medicamentos.

O colírio de Bald recriado por cientistas. Crédito: Universidade de Warwick

Os ingredientes isolados do colírio de Bald não funcionavam para matar as bactérias, mas quando combinados mostraram seu potencial. O colírio foi muito eficaz contra a bactéria Staphylococcus aureus (MRSA) que pode levar a infecções severas, potencialmente mortais.

Quais bactérias que a poção combateu

Freya testou o colírio em cinco cepas de bactérias que podem causar infecções fatais — uma delas resistente a antibióticos — em modelos de infecção nos tecidos moles. Todas mostraram graus variados de resistência aos antibióticos comuns.

  • Acinetobacter baumanii (comum em ferimentos de guerra),
  • Stenotrophomonas maltophilia (causadora de pneumonias),
  • Staphylococcus aureus (encontrada em infecções hospitalares pós-cirúrgicas),
  • Staphylococcus epidermidis (celulite infecciosa, amigdalite, escarlatina e febre reumática).

O colírio medieval inibiu as bactérias de maneira promissora, de acordo com o artigo, sem prejudicar as células humanas ou de camundongos o que mostra seu potencial como tratamento contra infecções.

Ainda não sabemos a causa do efeito

Apesar do alho conter alicina, eficaz contra algumas bactérias isso não explica a eficácia da mistura de alho, vinho, cebola e bile bovina agindo de maneira tão eficaz e contra bactérias tão variadas.

“Descobrimos que a potente atividade … do colírio ocular de Bald não pode ser atribuída a um único ingrediente e requer a combinação de todos os ingredientes para atingir a atividade total”, escreveram os pesquisadores.

Em comunicado a imprensa a pesquisadora ressalta a importância da descoberta de compostos bactericidas criadas a partir de vários ingredientes.

“A maioria dos antibióticos que usamos hoje são derivados de compostos naturais, mas nosso trabalho destaca a necessidade de explorar não apenas compostos únicos, mas misturas de produtos naturais para o tratamento de infecções”, ​​afirmou Harrison. “Acreditamos que a descoberta futura de antibióticos a partir de produtos naturais poderia ser aprimorada através do estudo de combinações de ingredientes, em vez de plantas ou compostos isolados. Nesta primeira instância, achamos que essa combinação poderia sugerir novos tratamentos para feridas infectadas, como úlceras diabéticas nos pés e pernas.” fonte:via

Antes x depois: 8 fotos de frutas e legumes que foram domesticados por humanos

Se você pudesse pegar uma fruta e deixá-la maior, mais saborosa, mais doce, mais bonita, iria fazer isso, certo?

E não é preciso usar modificação genética, como no caso do transgênicos. Humanos fazem isso há muitos anos através de técnicas tão simples quanto a seleção de sementes de suas melhores frutas, que vão se reproduzindo cada vez mais incríveis – e diferentes.

Talvez você nunca tenha pensado nisso, mas muitas frutas e legumes que consumimos hoje têm uma origem bastante diversa.

Confira exemplos antigos versus modernos de oito alimentos:

Melancia

Essa pintura feita por Giovanni Stanchi entre 1645 e 1672 mostra uma melancia muito diferente da que estamos acostumados, com grandes sementes e muita carne branca. As de hoje foram cultivadas para serem mais saborosas e suculentas, principalmente através do cruzamento de linhas diploides e tetraploides, que resultam em plantas triploides estéreis.

Banana

Esse alimento é muito antigo – pode ter 10 mil anos. Era muito diferente, no entanto, especialmente pela quantidade de sementes. A produção em massa dessa fruta começou somente em 1834 no Caribe, quando uma espécie resistente a fungos capazes de destruir plantações inteiras foi criada. É essa “criação” que chamamos de banana hoje.

Berinjela

No passado, esse alimento existia em uma variedade de tamanhos e formas, sendo que os mais antigos tinham até espinhos. A berinjela moderna é maior e mais saborosa, com menos sementes.

Cenoura

A planta original da qual a cenoura moderna é derivada era uma raiz esbranquiçada ou marrom. As primeiras espécies foram domesticadas na Ásia Central em 900 e eram roxas e amarelas. Com o tempo, os fazendeiros chegaram ao legume alaranjado tão famoso hoje.

Milho

O milho domesticado em 7.000 aC tinha gosto de batata seca e crua, era duro e mal passava dos 19 mm de tamanho. Hoje, é cerca de mil vezes maior e cultivado em uma variedade de tipos e cores em 69 países.

Pêssego

Os primeiros pêssegos foram provavelmente cultivados em 6.000 aC em Zhejiang, na China. Frutos domesticados adequados apareceram pela primeira vez no Japão cerca de 1.200 anos depois. Enquanto já eram semelhantes às formas modernas, eram descritos como tendo sabores doces, azedos, terrosos e levemente salgados. No entanto, os pêssegos que comemos hoje são na verdade uma espécie cultivada na Pérsia (atualmente o Irã) e mais tarde transportada para a Europa.

Repolho

A primeira imagem mostra a planta Brassica oleracea, origem de diversos vegetais como repolho, brócolis, couve-flor e couve. Ela nos dá uma boa ideia de como era o alimento que hoje chamamos de repolho há milhares de anos. A história de sua domesticação é incerta, mas relatos de estudiosos gregos e romanos indicam que era um alimento bem estabelecido naquela época. O repolho moderno é muito mais “carnudo”, oferecendo uma quantidade maior de comida a partir de uma única planta.

Tomate

Os tomates antigos lembram mais bagas do que frutas, pois eram extremamente pequenos. Algumas espécies silvestres ainda existem hoje, como a Solanum pimpinellifolium, encontrada no Equador e no Peru. Apesar de serem comestíveis, não são cultivadas para isso e sim para o desenvolvimento de espécies híbridas e para suplementação genética de espécies modernas mais comuns de tomate. Hoje, existe uma variedade grande da fruta, do tomate cereja até o heirloom gigante, que é um pouco maior do que um punho humano. [BoredPanda]

Esse par fofo de lobos é tão preguiçoso que sequer levantam para uivar

Preguiça é um traço que muitos animais carregam, ao menos os mamíferos. Mas de vez em quando encontramos aqueles exemplares que superam como essa salamandra que está há sete anos sem se mover ou os lobos que você vê abaixo.

Recentemente o Bored Panda descobriu alguns lobos cinzentos muito folgados que sequer se levantam para uivar em horários próximos aos seus cochilos. É o equivalente ser obrigado a escovar os dentes quando queremos cair na cama e dormir. Fazemos de qualquer jeito só para poder deitar logo.

Pelo visto lobos são animais tão preguiçosos quanto (alguns) humanos

lobos cinzentos cochilando
Imagem: wolfconservationcenter

Alawa (da frente) e Zephyr são dois lobos cinzentos que nasceram em cativeiro no Wolf Conservation Center (EUA), uma organização sem fins lucrativos. A dupla de lobos ajuda na educar o público sobre o papel fundamental desses animais nos ecossistemas em que vivem.

A imagem que você tem na cabeça de lobos uivando (animais de pé em um poderosa postura com os focinhos para cima, uivando para a lua) não é nada parecida com o que você verá a seguir, pois esses dois não querem saber de todo esse trabalho.

A imagem que você tem na cabeça de lobos uivando não é nada parecida com o que você verá a seguir

lobos uivando deitados
Imagem: wolfconservationcenter

Logo que a dupla ouve o uivo de outro lobo eles harmonizam seus uivos em sintonia. É um longo uivo antes de voltarem para a atividade realmente importante: cochilar.

As necessidades destes animais são muito diferentes as de animais selvagens, que tem que sobreviver um dia depois do outro. Lobos são extremamente sociais e confiam na matilha para a sobrevivência: defesa, caça, cuidar dos filhotes etc.

O uivo é uma comunicação remota que permite aos animais, que geralmente vivem em grandes territórios, alertarem os companheiros sobre caça, predadores e a própria localização, de acordo com a National Geographic.

Os lobos da reserva também são muito sociais e fazem tudo juntos.

Esses uivos preguiçosos são muito fofos

lobos preguiçosos uivando
Imagem: wolfconservationcenter

De todos os lobos do Wolf Conservation Center, Alawa é a mais preguiçosa como você pode ver no vídeo abaixo. São dois minutos de uivos ininterruptos, mas o que será que eles estão dizendo?

Eles sequer se levantam para uivar, apenas elevam o focinho

Par de lobos cinzentos
Imagem: wolfconservationcenter

Para os lobos o chamado de um uivo é algo irresistível. O chamado de um uivo que pode significar que o bando deve se reunir ou afastar a matilha de um local território. Também pode ser apenas um “oi”.

Os lobos usam o uivo para manter vínculos sociais e comunicar gritos de guerra, perigos ou um “alô”

Dois lobos cinzentos
Foto: wolfconservationcenter

Eles não uivam para a lua, mas sim para se comunicarem. Uivos podem ser ouvido a até 16km de distância, o que faz sentido: o território das matilhas costuma ser enorme.

Um uivo sincronizado em uníssono pode ser uma maneira de fortalecer o vínculo e assustar lobos de outras matilhas que possam estar invadindo o território.

Os gêmeos Alawa e Zephyr têm um irmão três anos mais novo chamado Nikai

Três lobos cinzentos irmãos

Tanto os lobos cinzentos mexicanos quanto quanto lobos vermelhos estão ameaçados. Perda de habitat para a pecuária e a caça destes majestosos animais são as principais causas.

Lobos são essenciais para a saúde dos ecossistemas, por serem predadores. Assim permitem que espécies vegetais prosperem ao controlarem a população de herbívoros. Sem os lobos o ecossistema pode falhar em sustentar outras espécies animais que dependem desta vegetação como aves, por exemplo.fonte:via