Vídeo inédito mostra Lennon e Harrison tocando juntos após fim dos Beatles

Os anos 1960 não acabaram nada bem para os Beatles. Depois de reinarem absolutos no cenário da música e da cultura, os quatro rapazes de Liverpool atravessavam uma verdadeira tormenta.

As coisas já não eram mais como antes e nem mesmo os ensaios e sintonia de outros tempos foi suficiente para impedir brigas quentes no seio do grupo mais famoso da história. Tudo começou durante as sessões de gravação do Álbum Branco, por volta de 1968. McCartney estava insatisfeito com a presença de Yoko Ono, levada por John Lennon, que de tão apaixonado, não conseguia ficar longe da amada.

Os embates eram frequentes entre os dois e sobrou inclusive para George Harrison e Ringo Starr. Durante uma sessão, diante de inúmeros desentendimentos, Harrison resolveu chamar Eric Clapton para tocar em While My Guitar Gently Weeps.

O anúncio oficial do fim do sonho foi feito por McCartney. De forma surpreendente, o baixista foi sucinto ao confirmar que estava de saída da banda. A notícia deixou Lennon revoltado, pois nos bastidores tinha sido ele o primeiro a largar o barco.

A confusão gerou processos e troca de farpas entre Lennon e McCartney. John foi bastante agressivo e em seu primeiro disco solo lançou a ácida How do You Sleep? (Como você dorme?, em português) com um desfile de críticas ao ex-amigo.

Mais de 40 anos depois, uma fato interessante surge. O canal oficial de Lennon divulgou um vídeo inédito de John e George tocando juntos na gravação da faixa. A revelação faz parte da divulgação do lançamento de Imagine – Ultimate Collection. O clipe está disponível no YouTube e vem emocionando os fãs.

Aliás, quando a poeira baixou, Paul e John fizeram as pazes antes da morte trágica de Lennon – assassinado por Mark Chapman na porta do Edifício Dakota, em Nova York. Em entrevista recente, Macca disse ter se sentido aliviado por ter aparado as arestas com o amigo antes de sua morte. O fato ficou conhecido como Lost Weekend (fim de semana perdido).

fonte:via

Anúncios

Existem 75 mil bibliotecas livres pelo mundo e isso é importante e maravilhoso

Não é preciso citar todos os benefícios que os livros trazem para nossas vidas. O mundo cada vez mais tecnológico em que vivemos não impede que os livros continuem a existir e sejam parte essencial de nossa formação enquanto cidadãos e seres humanos. Sabendo da importância e magnitude dos livros, o norte americano Todd Bol desenvolveu o projeto Little Free Libraries (pequenas bibliotecas livres), em 2009.

As bibliotecas nada mais são do que pequenas caixas, que podem ser instaladas em qualquer lugar, garantindo que todo mundo possa ter acesso a um bom livro, sem precisar pagar nada. Um projeto simples, colaborativo e de uma importância imensa, que está sendo levado para diversos países e acaba de instalar sua 75.000 biblioteca, na cidade de Jenks – Oklahoma.

Todd deu início ao projeto montando a primeira biblioteca em seu jardim e em menos de uma década, ele já se estende para 88 países ao redor do mundo, entre eles, México, Síria, China, Porto Rico, Coréia, Rússia e Irã. Qualquer pessoa pode se oferecer para ser administrador de uma biblioteca, que pode ser instalada em jardins particulares ou em algum espaço público, desde que tenha uma pessoa responsável.

O que começou com meia dúzia de livros, hoje possui uma rede imensa e estima-se que, somente neste ano, mais de 54 milhões de livros serão compartilhados. A troca que se faz entre as pessoas também é parte importante da iniciativa, que faz com que milhões de vizinhos se conheçam, estabelecendo não somente conversas relacionadas aos livros que leram, como interações humanas e relações de amizade.

Café 2D temático que te transporta para um mundo de apenas duas dimensões

Que a Ásia faz os cafés mais criativos e divertidos do mundo, isso nós já sabemos. A novidade agora é um bar em apenas 2 dimensões, na Coreia do Sul. O que, aparentemente, pode parecer sem graça, na verdade é incrível, pois realmente parece que estamos vivenciando uma outra realidade.

Repare nas mesas, cadeiras e até mesmo nos quadros, parece que estamos dentro de um desenho!

E o cuidado dos donos ao desenvolver a identidade visual do lugar foi tanta, que não somente a decoração e os móveis são como se tivessem sido desenhados a mão, mas as porcelanas também, o que faz os clientes entrarem no clima completamente.

O café criativo fica em Seul e chama CAFE Yeonnam-dong 239-20. O cuidado foi tanto, que eles até pensaram no cachorro nos observando do lado de fora. Caso você passe por lá, já sabe exatamente onde desfrutar um café em um ambiente sensacional!

Fotos: ynd239.20_cafe /fonte:via

Encontraram uma fábrica de queijo com 7,2 mil anos na Croácia

Se já é uma tarefa um tanto complicada imaginar o que era a humanidade há mil anos, imagina então há 7,2 mil anos? Uma resposta nós já temos: eles já sabiam fabricar queijo! Arqueólogos fizeram esta descoberta a partir de peças de cerâmica encontradas em escavações, que datam do período neolítico na costa da Dalmácia – na Croácia.

Mais do que uma curiosidade, este dado transforma completamente a noção que tínhamos, de que os produtos lácteos fermentados tenham sido feitos apenas cinco séculos depois que o leite foi armazenado pela primeira vez.

Os potes de cerâmica encontrados não eram apenas usados para beber e comer, pois pequenos furos mostraram que eles funcionavam como peneiras no processo de fabricação do queijo. Dessa forma, a dieta da época era muito mais rica do que pensávamos, incluindo queijos e iogurtes.

Foi após um processo por radiocarbono feito nas sementes e ossos encontradas nos arredores que a equipe responsável descobriu se tratar de utensílios fabricados há pelo menos 7,2 mil anos: “Esta é a mais antiga evidência documentada de resíduos lipídicos para laticínios fermentados na região do Mediterrâneo, e entre os mais antigos documentados em qualquer lugar até hoje”, disseram os pesquisadores envolvidos.

Transformar leite em queijo representou um avanço imenso na história da humanidade, não somente por causa da fabricação destes artefatos, mas devido ao fato de que, com alimentos conservados, eles finalmente podiam viajar distâncias mais longas. Surpreendente, não é mesmo?

Foto 1: Sibenik City Museum

Fotos 2 e 3: Unsplash/fonte:via

10 tatuagens geniais que se transformam quando você dobra braços ou pernas

O mundo da tatuagem se renova de tal forma em estilos e técnicas que os limites para onde os desenhos que fazemos em nossas peles podem ir simplesmente não existem. Lembram daquelas ilusões de ótica que vinham em revistas, em que uma imagem, quando dobrada e sobreposta se tornava outra? Pois essa é a novidade em tatuagens que vem conquistando cada vez mais adeptos – e o tatuador francês Veks Van Hillik é um mestre na técnica.

Para construir a ilusão perfeita, e efetivamente formar outro desenho quando um membro do corpo se dobra, é preciso que o tatuador desenhe livremente, sem seguir uma base prévia, a fim de construir a tatuagem com os movimentos do corpo. O resultado é incrível e intrigante, ou fofo e belo – dependendo da posição do seu braço ou perna.

1.

2.


3.

4.


5.


6.


7.


8.

9.

10.

© fotos: reprodução/fonte:via

Obra-prima dos Racionais, ‘Sobrevivendo no Inferno’ vira livro

Depois de ser anunciado como leitura obrigatória para o vestibular da Unicamp de 2020, o mais importante disco de rap do Brasil e um dos mais impactantes acontecimentos da música brasileira se tornará enfim um livro: Sobrevivendo no Inferno, lançado pelos Racionais MC’s em 1997, será lançado no dia 31 de outubro pela Companhia das Letras como uma extensão e um aprofundamento da obra-prima do grupo paulistano.

Composto por Mano Brown, Edi Rock, Ice Blue e KL Jay, foi Sobrevivendo no Inferno que transformou os Racionais de um fenômeno localizado dentro da cena de rap da época em uma das mais populares e importantes bandas do Brasil.

O livro terá 160 páginas, trazendo fotos clássicas e inéditas, informações, textos de apresentação, além das próprias músicas que formam o disco. “Foi com ‘Sobrevivendo no Inferno‘ que a juventude negra e periférica se formou. Por causa deste disco muita gente se graduou em autoestima e não entrou para a faculdade do crime”, diz o poeta Sérgio Vaz, medindo a importância do quinto disco dos Racionais.

Apesar de ter sido lançado pela gravadora independente Cosa Nostra, o disco alcançou a incrível marca de 1,5 milhões de cópias vendidas, tornando-se o mais bem sucedido disco do gênero no país – e colocando o rap no centro do cenário musical brasileiro. “Diário de Um Detento”, “Fórmula Mágica da Paz”, “Capítulo 4, Versículo 3” e “Mágico de Oz” são algumas das música que compõe esse repertório incontornável para se pensar não só o rap brasileiro, mas também a própria realidade dos presídios e da vida nas periferias do Brasil.

© fotos: reprodução/fonte:via

A emocionante comemoração da abertura desta fronteira após 20 anos de guerra

A Eritreia é um pequeno país africano, que entre 1952 e 1993 fez parte da Etiópia. Desde que a independência foi declarada, as duas nações debateram sobre a localização da fronteira que divide os territórios, resultando inclusive em dois anos de guerra declarada, entre 1998 e 2000.

Os conflitos cessaram, mas tanto Etiópia quanto Eritreia continuam oficialmente em guerra uma com a outra. A animosidade, que resultou em ao menos 80 mil mortos no começo do século, também afetou a vida de amigos e familiares que foram praticamente proibidos de se ver, já que a fronteira entre os país ficou fechada por 20 anos.

Voos comerciais também estavam proibidos desde 1998, mas foram retomados em julho. Tudo porque Abiy Ahmed assumiu o cargo de primeiro-ministro em junho, declarando que reconheceria os limites do território da Eritreia que foram propostos em 2002. Ahmed também libertou milhares de presos políticos na Etiópia, além de prometer mais respeito aos direitos humanos e abertura para a atividade da imprensa.

Em setembro, a fronteira entre os dois países foi oficialmente reaberta, levando centenas ou milhares de pessoas a festejar correndo, cantando e abraçando os moradores do país vizinho.

Confira no vídeo da Associated Press:

Fotos via BBC/fonte:via