Manoucher Yektai: o incr√≠vel pintor abstrato iraniano que tamb√©m era poeta

Enquanto era celebrado como um dos grandes nomes da action painting e da vanguardas das artes plásticas dos anos 1950 em Nova York, o artista iraniano Manoucher Yektai atuava também um poeta forte e delicado em seus versos, político e profundo, escrevendo somente em Farsi, seu idioma natal.

O pintor e escritor se dedicaria √†s suas duas formas de express√£o art√≠stica ao longo de mais de sete d√©cadas de seu trabalho em uma vida quase centen√°ria dedicada √†s artes ‚Äď das imagens pintadas e escritas.

‚ÄúBlue Table‚ÄĚ (1960)

‚ÄúBlue Table‚ÄĚ (1960)

Expressionismo abstrato 

Associado ao grupo da Escola de Nova York e do¬†expressionismo abstrato¬†dos EUA, seu trabalho como pintor o colocou nos bra√ßos da cr√≠tica e do p√ļblico, como um dos nomes fortes da arte dos anos 50 no pa√≠s. O cr√≠tico Harold Rosenberg era admirador declarado das cores fortes e pinceladas intensas que formavam suas abstra√ß√Ķes e, depois, as naturezas mortas de seus quadros: outro f√£ de Yektai era o pintor estadunidense Mark Rothko.

Tomato Plant (1959)

Tomato Plant (1959)

Seus quadros eram marcados por uma esp√©cie de ‚Äúvis√£o a√©rea‚ÄĚ, pelo fato do artista costumeiramente pint√°-los no ch√£o, colocando-se de p√© e sobre as telas.

Assim, em posi√ß√£o semelhante a que ¬†Jackson Pollock¬†utilizava com seu estilo gotejante, o iraniano √© reconhecido tamb√©m como um dos grandes nomes da¬†action paiting, em portugu√™s chamada de ‚ÄúGestualismo‚ÄĚ, forma de pintura em que o gesto do ato de pintar se imprime na tela.

Manoucher Yektai "sobrevoando" a tela com sua action painting

Manoucher Yektai ‚Äúsobrevoando‚ÄĚ a tela com sua action painting

‚ÄúStriped Vase‚ÄĚ (2002)

‚ÄúStriped Vase‚ÄĚ (2002)¬†

Em sua¬†poesia, ao escrever em Farsi, Yektai se mantinha atento aos dilemas sociais e pol√≠ticos do¬†Ir√£, bem como √†s tradi√ß√Ķes e aos temas atuais, se valendo de versos narrativos que se aventuravam em tra√ßos de humor surreal e nas sintaxes medievais do idioma. Manoucher Yektai faleceu aos 97 anos em Nova York, como um dos mais interessantes e singulares artistas de seu tempo ‚Äď e de todo o mundo, do Ir√£ aos EUA.

‚ÄúStrawberries‚ÄĚ (1982)

‚ÄúStrawberries‚ÄĚ (1982)

© fotos: Manoucher Yektai/Hyperallergic/reprodução/fonte via

Ru√≠nas de culto misterioso milenar rec√©m-descobertas podem mudar o que sabemos da pr√©-hist√≥riaÔŅľÔŅľ

Descobertas arqueol√≥gicas recentes em AlUla, cidade na Rota do Incenso, a noroeste da Ar√°bia Saudita, podem reescrever nossos conhecimentos sobre a pr√©-hist√≥ria a partir de ru√≠nas de constru√ß√Ķes ligadas a cultos milenares da regi√£o. Chamadas de mustatils, express√£o em √°rabe que significa ‚Äúret√Ęngulo‚ÄĚ, as imensas estruturas datam do per√≠odo neol√≠tico, e podem ser as mais antigas constru√ß√Ķes em pedra da hist√≥ria. As informa√ß√Ķes s√£o de reportagem da BBC.

Os mustatils da regi√£o de Alula precisam ser vistos do alto pelo tamanho das constru√ß√Ķes

Os mustatils da regi√£o de AlUla precisam ser vistos do alto pelo tamanho das constru√ß√Ķes

As constru√ß√Ķes datam de 6000 a 4500 anos antes da era comum, e se formam a partir de grandes pedras empilhadas e espalhadas em linhas retas que formam os ret√Ęngulos do nome, com larguras de cerca de dois metros e comprimentos maiores do que quatro campos de futebol. A ‚Äúidade‚ÄĚ das estruturas √© anterior, por exemplo, a Stonehenge e √† primeira pir√Ęmide eg√≠pcia de Giz√© e, al√©m dos mustatils, a regi√£o tamb√©m apresenta ru√≠nas de casas e assentamentos constru√≠das no per√≠odo.

As constru√ß√Ķes recontam o que sab√≠amos sobre a pr√©-hist√≥ria na regi√£o

Datando de at√© 8 mil anos atr√°s, as constru√ß√Ķes recontam a pr√©-hist√≥ria na regi√£o

Inicialmente apelidadas de ‚Äúport√Ķes‚ÄĚ pelo formato, os mustatils foram descobertos em AlUla incialmente na d√©cada de 1960, mas n√£o se sabia ent√£o o que eram as forma√ß√Ķes. A Ar√°bia Saudita se manteve fechada para miss√Ķes arqueol√≥gicas at√© 2019, e por isso os s√≠tios permaneceram praticamente intactos: as mais de 1,6 mil constru√ß√Ķes se espalham por um impressionante espa√ßo de 300 mil quil√īmetros quadrados, com algumas estruturas pesando 12 mil toneladas, mais pesadas que a totalidade da Torre Eiffel.

Algumas constru√ß√Ķes superam o peso de 12 mil toneladas

Algumas constru√ß√Ķes superam o peso de 12 mil toneladas

A conclus√£o de se tratar de um local onde aconteciam cultos partiu da descoberta de muitos cr√Ęnios, ossos e chifres de animais em pequenas c√Ęmaras nas extremidades das constru√ß√Ķes. N√£o h√°, nos espa√ßos, indica√ß√Ķes de que os animais eram mantidos para uso dom√©stico, nem restos de outras partes dos corpos dos bichos, com artefatos que sugeriam pr√°ticas organizadas de rituais.

Diversos mustatils da regi√£o de AlUla

Diversos mustatils da regi√£o de AlUla

As constru√ß√Ķes confirmam a presen√ßa de grupos com habilidades e conhecimentos profundos e espec√≠ficos por longos per√≠odos, e h√° ainda muitas descobertas por vir: dos 1,6 mil mustatils, somente 5 foram escavados. Os estudos s√£o de arque√≥logos da Universidade da Austr√°lia Ocidental, que trabalham em AlUla desde 2018: a reportagem da BBC pode ser lida aqui.

Publicidade

¬© fotos: AAKSAU/Royal Commission for AlUla/divulga√ß√£o/fonte via

Simba, o cabrito com as orelhas mais compridas do mundo

Mohammad Hasan Narejo é um criador de cabritos da cidade de Karachi, no Paquistão. Ele cuida desses animais há décadas, mas uma em especial lhe causou um orgulho diferente. Dos milhares de animais que ele já cuidou, Simba é realmente diferente. Afinal, este cabritinho possui o que talvez sejam as mais longas orelhas do mundo.

O pequeno bode paquistan√™s possui orelhas de 54 cent√≠metros cada uma. As orelhas de abano fazem de Simba um Dumbo que faz ‚Äúb√©‚ÄĚ.

Cabritinho com as orelhas mais longas do planeta quer ser transformado em her√≥i nacional e promotor de soft power para o Paquist√£o; Simba se tornou um √≠cone nas redes sociais do pa√≠s. Hasan Narejo √© t√£o apaixonado por seu cabritinho que chegou a chamar o Guinness para lhe dar um pr√™mio. Mas n√£o era o de ‚ÄėOrelha Mais Longa‚Äô, mas de ‚ÄėMelhor Bode do Mundo‚Äô.

As orelhas de Simba s√£o t√£o grandes que se tornam at√© um problema para o caminhar do bichinho. Hasan costuma prend√™-las as costas do bodinho para que ele n√£o tropece e caia. Al√©m disso, Hasan afirma que tem trabalhado espiritualmente para proteger o bode. ‚ÄúTemos recitado versos do Cor√£o para proteg√™-lo do mau olhado de outros criadores de bode‚ÄĚ, disse √† ag√™ncia France Press.

O criador de bodes tamb√©m acredita que Simba pode tornar-se um s√≠mbolo nacional e deve mostrar ao mundo a beleza √ļnica dos cabritos paquistaneses. O animal j√° se tornou um fen√īmeno nas redes e acredita-se que sua fama s√≥ deve crescer com o tempo.

‚ÄúO nome do Paquist√£o deve viajar pelo mundo com Simba‚ÄĚ, explicou √† imprensa brit√Ęnica.

Confira um vídeo de Simba:

fonte via

Ca√ßador de le√Ķes e elefantes √© assassinado a tiros na √Āfrica do Sul; saiba mais

O ca√ßador de le√Ķes, elefantes e girafas Riaan Naude, de 55 anos de idade, foi encontrado morto a tiros recentemente na¬†√Āfrica do Sul. A morte gerou debate no pa√≠s, que convive com o turismo de ca√ßa contra sua fauna.

O empresário, dono de uma empresa que vendia safáris com caça, foi assassinado a tiros em uma emboscada cujos autores ainda não foram identificados.

Empres√°rio lucrava com a morte de animais selvagens em expedi√ß√Ķes na √Āfrica do Sul e ostentava assassinatos nas redes sociais; ele morreu em emboscada

O afric√Ęner lucrava com a morte de animais silvestres para turistas, usualmente endinheirados, que queriam gastar suas fortunas com ca√ßa esportiva.

De acordo com a pol√≠cia, a motiva√ß√£o do crime ainda n√£o foi especificada.¬†Ele foi alvejado enquanto parava para resolver um problema mec√Ęnico no carro. Foram encontradas duas armas de ca√ßa dentro do ve√≠culo do empres√°rio, o que indica que n√£o se tratou de um roubo.

Um dos consumidores deste tipo de turismo bizarro é o Rei Juan Carlos de Espanha, monarca de Madrid que assassinou um elefante em Botswana no ano de 2012.

A empresa de Riaan Naude, Pro Hunt Africa, cobrava at√© US$ 2,5 mil por excurs√Ķes de ca√ßa, sendo US$ 350 por dia, US$ 2,5 mil por crocodilo e US$ 1,5 mil por girafa.

O ca√ßador compartilhava nas redes sociais os animais que matava como forma de promover seu neg√≥cio, que √© motivo de pol√™mica ao redor do mundo e dentro dos pa√≠ses da √Āfrica Subsaariana.

Fotos: Reprodução/Facebook/Riaan Naude/fonte via

Conhe√ßa a realidade das prostitutas de Bangladesh √© retratada em fortes imagens

Bangladesh é um dos poucos países muçulmanos onde a prostituição em bordéis registrados é legal. O Kandapara, em Tangail, tem cerca de 200 anos, sendo o mais antigo e um dos maiores da região. Foi demolido em 2014, mas logo foi reerguido com a ajuda de ONGs locais. Lá vivem e trabalham mais de 700 profissionais do sexo com seus filhos e cafetinas.

A maioria das mulheres foi traficada ou nasceu dentro do bordel e, assim, conseguiu seu sustento. Seus clientes s√£o policiais, pol√≠ticos, fazendeiros, pescadores, oper√°rios e grupos de adolescentes. O bairro do bordel √© cercado por uma parede de dois metros. Nas ruas estreitas, existem barracas de comida, lojas de ch√° e vendedores ambulantes.

O Kandapara tem suas pr√≥prias regras e hierarquias, muitas vezes completamente diferentes da sociedade fora dali. O est√°gio mais vulner√°vel √© quando uma jovem entra no bordel ‚Äď ela √© chamada de ‚Äúbonded girl‚ÄĚ. Oficialmente, elas devem ter 18 anos para come√ßar a trabalhar, mas a maioria √© menor de idade, tendo de 12 a 14 anos.

As garotas n√£o t√™m liberdade nem direitos. Eles pertencem a uma senhora, a quem devem pagar suas d√≠vidas, e n√£o t√™m permiss√£o para sair ou manter seu dinheiro. A partir do momento em que terminam de pagar o que devem, est√£o livres para deixar o bordel, mas como voltar ‚Äď ou pisar pela primeira vez ‚Äď em uma sociedade na qual s√£o estigmatizadas e continuarem sustentando suas fam√≠lias?

O ensaio ‚ÄúThe Longings of the Others‚ÄĚ (A ang√ļstia dos outros), feito pela fotojornalista alem√£ Sandra Hoyn, retrata esta dura realidade em imagens intensas. A premiada fot√≥grafa foi selecionada pela LensCulture como um dos 50 maiores talentos emergentes, em 2014. Ela recebeu o Pr√™mio Henri Nannen de 2013 e, em 2012, conquistou o segundo lugar no IPA ‚Äď International Photography Awards, na categoria de esportes editoriais profissionais. No mesmo ano, ela tamb√©m foi premiada com tr√™s medalhas de prata pelo Prix de la Photographie, em Paris (Px3). Mais cedo, em 2009, ela recebeu o pr√™mio de m√≠dia da Kindernothilfe e, em 2004, ganhou o Kodak Young Talent Award.

Confira o ensaio:

Pakhi, 15 years, and Mim, 19 years. Both are sexworker in the Kandapara brothel in Tangail.

Pakhi, 15 anos, e Mim, 19 anos s√£o prostitutas no bordel Kandapara, em Tangail

Women waiting for customers.

Mulheres a espera dos clientes

Used condoms outside the brothel.

Camisinhas no entorno do puteiro

Mim, 19 years, is having a shower in the brothel.

Mim, 19 anos

Dipa, 26 years, is crying. She is in the 2nd month pregnant from a customer.

Dipa, 26 anos, est√° chorando. Ela est√° gr√°vida de dois meses de um cliente

Five days old twins lie on the bed. They have not yet a name. Jhinik, 20 years, a sexworker in the Kandapara brothel gave birth to them.

Gêmeos com cinco dias de vida ainda não têm nome. Eles são filhos de Jhinik, de 20 anos

Rupa, 16, is dancing on the bed while a customer is filming her.

Rupa, de 16 anos, está dançando na cama enquanto um cliente a filma

Papia, 18, in the Kandapara brothel. Her parents died when she was a child, she was married young. Her husband and she took heroin, she has been in jail because of this. She says that the jail was the best place she has ever been, because nobody beats her there. In the jail she got to know a woman who brought her later to the brothel.

Papia, 18, no Kandapara. Seus pais morreram quando ela era criança, então se casou muito jovem. Foi presa por usar heroína com o marido e diz que a prisão foi o melhor lugar que ela já esteve, pois ninguém batia nela. Na prisão, ela conheceu uma mulher que a levou mais tarde ao bordel.

Papia, 18, with two customers.

Papia com dois clientes

Bonna, 27, a sexworker in the Kandapara brothel in Tangail, is fighting with another woman.

Garotas brigam no Kandapara

Kajol with her 6 month old baby Mehedi and a customer on her bed. She thinks she is 17 years but does not know her exact age. She was married with 9 years. Her aunt sold her to the Kandapara brothel. Two weeks after the birth she was forced to have sex again with customers. Because of the baby her business is not so good.

Kajol com seu bebê Mehedi, de 6 meses, e um cliente em sua cama. Ela acha que tem 17 anos, mas não sabe sua idade exata. Foi casada com 9 anos até sua tia a vender para o Kandapara. Duas semanas após o nascimento de seu filho, ela foi forçada a fazer sexo novamente com os clientes. Por causa do bebê, ela não consegue tantos programas

Kajol with a customer.

Kajol com um cliente

Bethe, 8 years, is playing with Yusuf. He is the regular customer (boyfriend) of Bonna. Bethe was born in the Kandapara brothel. She goes to school and works not now as a sex worker. Her mother wants her to start working as sex worker when she is 14 years.

Bethe, 8 anos, brinca com Yusuf, o cliente regular (namorado) de Bonna. Ela nasceu no bordel de Kandapara e por enquanto vai para a escola, mas sua m√£e quer que ela comece a trabalhar como profissional do sexo quando tiver 14 anos

A customer try to kiss Priya, 19, on the cheek. Since she is 17 she is working as a sexworker in the Kandapara brothel in Tangail.

Um cliente tenta beijar Priya, 19 anos, na bochecha. Desde os 17 anos ela trabalha como prostituta no bordel Kandapara em Tangail

Customers inside the Kandapara brothel in Tangail.

Clientes dentro do bordel Kandapara

Asma, 14 years, with a customer. She was born int the Kandapara brothel in Tangail.

Asma, 14 anos, com um cliente. Ela nasceu no bordel Kandapara.

Asma has stopped attending school because the students harass her because her mother work as sexworker in the brothel. She started working as a sex worker when she was 14 years old. Before she danced in front of customers.

Asma parou de frequentar a escola por que os estudantes faziam bullyng por sua mãe trabalhar como prostituta no bordel. Ela começou a trabalhar como profissional do sexo quando tinha 14 anos, mas antes ela já dançava para os clientes

Priya and Kajol are looking for music in Priya's room.

Priya e Kajol est√£o procurando m√ļsica no quarto de Priya.

Sumaiya, 17, with her boyfriend and regular customer Titu, 23, in the Kandapara brothel in Tangail. He is from Dhaka and visits ger every month one week. They are often fighting, because Titu wants to marry her, but she doesn't want. She is afraid that after marriage he will take away all her money. He is jealous, because she has sex with many of his friends. Sumaiya is jealous because he has sex with other sexworkers in the brothel.

Sumaiya, 17, com seu namorado e cliente regular Titu, 23 anos, no bordel de Kandapara. Ele √© de Dhaka e a visita todos os meses, por uma semana. Eles est√£o freq√ľentemente brigando, porque Titu quer se casar com ela, mas ela n√£o quer. Ela tem medo de que, depois do casamento, ele tire todo o dinheiro dela. Ele tem ci√ļmes que ela fa√ßa sexo com outros homens. Sumaiya fica com ci√ļmes porque faz sexo com outras prostitutas no bordel.

Sumaiya with her boyfriend and regular customer Titu.

Sumaiya was beaten by Titu.

Titu bate em Sumaiya e a deixa marcada

Pakhi, 15 years, with a customer in her room in the Kandapara brothel in Tangail. He came in a group of five men who all wanted to have sex with her one after another. These men left the room because they were too drunk. The man in the picture also left the room after this photo. The main reason was because Pakhi didn¬īt like him. But also because I was in the room.

Pakhi, 15 anos, com um cliente em seu quarto no bordel Kandapara. Ele chegou em um grupo de cinco homens e todos queriam fazer sexo com ela em sequencia. Os outros saíram da sala porque estavam bêbados demais. O homem da foto também saiu da sala depois desta foto. A principal razão foi porque Pakhi não gostou dele, mas também porque a fotógrafa estava no quarto.

Meghla, 23, with a customer in the Kandapara brothel in Tangail. She started working for a garment factory when she was 12 years old. There that she met a man who promised her a better job with more money and he sold her into a brothel.

Meghla, 23 anos, com um cliente no bordel. Ela começou a trabalhar para uma fábrica de roupas quando tinha 12 anos de idade. Lá, conheceu um homem que lhe prometeu um emprego que a pagasse melhor. Ele a vendeu para um bordel.

Fotos: Sandra Hoyn fonte via

Por que estas mangas s√£o as mais caras do mundo e o que as abelhas t√™m a ver com isso

Para produzir as mangas mais caras do mundo, as fazendas na cidade de Miyazaki, no Japão, utilizam não somente técnicas de cultivo como também abelhas especiais para tornar as frutas maiores, mais doces e suculentas. Depois de um ano inteiro de preparação e cuidados, após a colheita ser concluída, as melhores mangas de Miyazaki são vendidas em leilão, cujo recorde já alcançou 500 mil ienes, equivalentes a 4 mil dólares, por um par.

As mangas Taiyo no Tamago

As mangas Taiyo no Tamago das fazendas de Miyazaki s√£o vendidas em caixas especiais

As mangas mais perfeitas das fazendas da regi√£o s√£o conhecidas como Taiyo no Tamago, ou ‚ÄúOvo do sol‚ÄĚ, em tradu√ß√£o livre. Curiosamente, o que define os ovos do sol cultivados na cidade localizada na ilha de Kyushu, ao sul do Jap√£o, n√£o √© a esp√©cie de manga, mas sim a forma como as¬†frutas¬†s√£o cultivadas, e principalmente a qualidade do resultado desse cultivo. As mangas Taiyo no Tamago s√£o justamente as frutas perfeitas, por fora e por dentro, na apar√™ncia, no¬†aroma¬†e no sabor.

As mangas Miyazaki têm cor perfeita, aroma, sabor e suculência sem iguais

As mangas Miyazaki têm cor perfeita, aroma, sabor e suculência sem iguais

O fazendeiro Takuya Hidaka foi o recordista no leil√£o de 2022, que alcan√ßou os 500 mil ienes citados, com¬†mangas¬†da variedade Irwin, tamb√©m conhecida como ‚ÄúManga Ma√ß√£‚ÄĚ. Tudo √© determinante para a qualidade da fruta perfeita, desde o n√≠vel de umidade do ar, a ventila√ß√£o e a temperatura correta dentro da estufa, at√© mesmo o efeito da gravidade e do sol sobre as frutas. Cada manga, na fazenda de Hidaka, recebe uma rede de prote√ß√£o, uma cordinha para segur√°-la e posicion√°-la na planta, e at√© rebatedores, para que o sol atinja todas as partes da fruta, garantindo a cor avermelhada uniforme.

As flores da mangas Miyazaki s√£o polinizadas com abelhas especiais para o maior tamanho e sabor

As flores da mangas Miyazaki s√£o polinizadas com abelhas especiais para o maior tamanho e sabor

As abelhas especiais s√£o alugadas para o per√≠odo de poliniza√ß√£o, garantindo que as mangas cres√ßam em grande n√ļmero, em maior tamanho e com mais do√ßura. Cerca de 9.500 frutas s√£o produzidas por ano, mas somente 10% √© selecionado como Taiyo no Tamago: as frutas perfeitas precisam ser inteiramente vermelhas, ter 15% de a√ß√ļcar ao m√≠nimo, e pelo menos 350 gramas para serem enviadas ao¬†leil√£o¬†anual.

As Miyazaki "normais" são vendidas por apenas cerca de 10 mil ienes, cerca de 80 dólares

As Miyazaki ‚Äúnormais‚ÄĚ s√£o vendidas por apenas cerca de 10 mil ienes, ou cerca de 80 d√≥lares

Al√©m dos ‚ÄúOvos do sol‚ÄĚ leiloados, o restante da produ√ß√£o √© vendido por valor mais barato mas ainda assim¬†extraordin√°rio: uma manga ‚Äúnormal‚ÄĚ de Miyazaki √© custa cerca de 80 d√≥lares.

Leilão das Taiyo no Tamagos em 2019, que atingiu o recorde de 4 mil dólares, como em 2022

Leilão das Taiyo no Tamagos em 2019, que atingiu o recorde de 4 mil dólares, como em 2022

© fotos 1, 2, 3: Getty Images
© foto 4: Sanmai/Flickr/CC
© foto 5: Wikimedia Commons/fonte via

6 pa√≠ses que levam a gastronomia muito a s√©rio e s√£o destino obrigat√≥rio de quem ama comer

Voc√™ n√£o precisa ser um foodie para saber que uma boa viagem anda lado a lado com as¬†experi√™ncias gastron√īmicas¬†que voc√™ tem nela. Se voc√™ ama comer e¬†provar sabores novos, tem alguns pa√≠ses levam a comida t√£o a s√©rio quanto voc√™ e precisam estar no seu radar na hora de programar um¬†roteiro mundo¬†afora.
Publicidade

Claro que a culin√°ria brasileira √© maravilhosa, al√©m de muito completa. Num pa√≠s do tamanho do nosso, podemos encontrar a cozinha tradicional de muitas partes do mundo ‚Äď tanto pela hist√≥rico de col√īnia, quanto pela forma√ß√£o de cidades inteiras que abra√ßaram as receitas de diversos cantos do planeta.
Aqui temos a culin√°ria da di√°spora africana se encontrando com a cultura portuguesa e espanhola, a tradi√ß√£o japonesa (e as cria√ß√Ķes sem limites est√©ticos que somos capazes de produzir), a arte das receitas italianas, entre muitas outras.
Aqui vamos elencar apenas alguns, mas a lista n√£o precisa ter fim. Comida boa tem em muitos lugares e esses s√£o alguns deles que valem a pena serem descobertos e redescobertos a cada viagem.

Jap√£o

Aqui sou suspeita para falar pois viciada em comida japonesa. E sim,¬†se voc√™ ama sushi, claro que vai provar os melhores da vida, mas a culin√°ria do Jap√£o vai muito al√©m do peixe cru. Mas s√≥ para n√£o deixar passar, foi l√° que provei o de enguia e foi t√£o inesquec√≠vel que eu comprei latas e latas desse peixe s√≥ para ter o gostinho mais vezes. Existem infinitos tipos de miss√ī, tofu, massas, curry (ali chamado kar√™) e friturinhas mil.
A comida no Jap√£o √© boa num grau que voc√™ pode entrar numa loja de conveni√™ncia e fazer uma refei√ß√£o inteira deliciosa s√≥ com itens que j√° est√£o prontos ali. Foi numa esta√ß√£o de metr√ī de Tokio que comi o melhor oniguiri da vida (um bolinho de arroz recheado em formato triangular). Ent√£o sua experi√™ncia n√£o precisa se limitar a restaurantes. Se d√™ o prazer de um okonomiyaki em Osaka ou Hiroshima ‚Äď cada cidade tem uma receita diferente -, um takoyaki (bolinho de polvo) ou um kare pan (p√£o recheado com kar√™) numa barraca de rua.



Se couber no roteiro, passe uma noite em um ryokan, um estilo de hospedaria tradicional, que em geral serve um menu t√≠pico da regi√£o onde voc√™ est√° ‚Äď e tem muitos pelo pa√≠s. Vale tamb√©m ir a Myiajima, uma ilha sagrada na frente de Hiroshima que √© conhecida pela produ√ß√£o de ostras.

It√°lia

Imposs√≠vel fugir dessa dica quase √≥bvia, mas um gigante culin√°rio como a a It√°lia n√£o poderia ficar de fora ‚Äď e juro que tentarei aqui sair do absoluto padr√£o. A cozinha italiana √© simples e sazonal, aproveitando os produtos frescos que crescem lindamente pelos campos gra√ßas ao clima mediterr√Ęneo do pa√≠s.

A comida varia por regi√£o e para amantes da gastronomia a boa √© ficar de olho nas sagras de cada regi√£o. Sagras s√£o feiras que celebram os produtos regionais e sazonais, com comida boa, fresca e com pre√ßos acess√≠veis. Podem ser focadas em um √ļnico item, como o azeite, cogumelos ou queijos espec√≠ficos, com diversas barracas oferecendo degusta√ß√£o, ou unirem produtos diferentes da mesma regi√£o. Na regi√£o da Puglia tem algumas das que mais gostei.

Por regi√£o, no sul, N√°poles √© conhecida como a casa da pizza, enquanto a Toscana √© famosa pelo seu vinho, bifes florentinos e carnes de ca√ßa, e a Sicilia pelo cannoli. As √°reas costeiras, como Sorrento e a Costa Amalfitana, s√£o conhecidas por seus frutos do mar frescos e pelo licor limoncello. No norte, Bolonha afirma ser de onde veio o rag√Ļ, ou molho √† bolonhesa, enquanto os venezianos desfrutam de uma dieta de risoto de frutos do mar e polenta cremosa.


México

O M√©xico merece uma men√ß√£o adequada sobre gastronomia. Por aqui, o que comemos em geral se chama tex-mex, que √© a vers√£o americana da comida Mexicana. √Č tipo os restaurantes que botam um p√£o preto e se dizem australianos, mas s√£o tudo norte-americanos, sabe? A comida mexicana √© t√£o √ļnica que √© protegida pela UNESCO e os pratos nada tem a ver com aquele amontoado de cheddar, nachos ou chili.
Comer é definitivamente uma das melhores coisas para se fazer no México e um bom passeio pelo mercado em qualquer cidade é uma boa ideia para experimentar as especialidades locais.

Existem milhares de vers√Ķes diferentes de tacos (e nenhuma delas √© como estamos acostumados no resto do mundo), al√©m das especiarias e pimentas. Ali√°s, o M√©xico √© o lar de mais de 100 variedades de pimenta! E os moles, molhos √≠cones do pa√≠s, levam tanto as pimentas e especiarias quanto outros ingredientes ‚Äď e at√© chocolate!

A Cidade do M√©xico √© famosa por sua premiada comida de rua tradicional e, nos anos mais recentes, por sua crescente cena gastron√īmica. No sul, Oaxaca √© conhecida por sua diversidade de pratos tradicionais, como o tlayuda: uma tortilha frita coberta com molho mole, feij√£o frito, carne, queijo e salada. Tem ainda carnitas em Michoacan, ceviche em Tulum, tacos de peixe na Pen√≠nsula de Baha e Zarandeado em Sayulita.


Vietn√£

Se voc√™ n√£o √© f√£ de especiarias, o Vietn√£ √© uma na√ß√£o culin√°ria melhor para voc√™ viajar do que a Tail√Ęndia ‚Äď que tem uma gastronomia fenomenal tamb√©m, perfeita para quem ama temperos mais intensos. Os pratos da regi√£o tendem a ter tons mais sutis, mas isso n√£o significa que voc√™ n√£o possa encontrar muita comida deliciosa.

O prato vietnamita mais famoso é o pho, uma sopa com macarrão de arroz vegetais e carnes, que é melhor apreciada acompanhada de uma garrafa de cerveja, sentada em um banquinho enquanto você observa a vida da cidade de Hanói passar na frente de seus olhos.

Você também pode provar os rolinhos primavera, crepes fritos de frutos do mar, sopas de macarrão, entre muitas outras delícias fáceis de comprar pelas ruas. Vale provar ainda o Bahn xeo, uma panqueca encontrado nas feirinhas de Hoi Na que leva camarão, muitos temperos locais, farinha de arroz e molho de amendoim.


Turquia

A culinária turca é tão rica que pode até ser difícil para um visitante escolher o que provar. Além de milhares de restaurantes em Istambul, a comida de rua é muito característica, indo dos famosos sanduíches Döner kebab ou Gözleme aos pães Simit.

A capital turca √© uma fus√£o de moderno e tradicional. A √ļnica cidade do mundo a abranger a Europa e a √Āsia (e ser fortemente influenciada pelas duas) esta metr√≥pole no rio B√≥sforo brilha com rica hist√≥ria, cultura e culin√°ria incr√≠vel.

Não há melhor lugar para começar do que um tradicional Kahvalti, o café da manhã turco que é uma experiência completa com carnes, queijo feta, ovos cozidos, azeitonas, abacate, tomate, pepino, frutas secas, pão e geleia, todos acompanhados pelo tradicional chá. Os turcos também são conhecidos por seu caso de amor com doces como baklava e manjar, que remontam ao Império Otomano.


Moçambique

Com sua costa de areia branca e águas azuis, Moçambique não é apenas um paraíso para os amantes da praia, mas também para os foddies de plantão. A gastronomia é uma combinação de sabores africanos, portugueses e orientais que são uma verdadeira viagem sensorial.

Os camar√Ķes suculentos e frescos encontrados principalmente em Maputo costumam emocionar os visitantes, mas existe uma oferta imensa de pratos saborosos por ali. O cl√°ssico frango piri-piri ou Galinha √† Zambeziana √© feita com a carne branca marinada em suco de lim√£o, alho, leite de coco e molho picante de piri-piri. Geralmente √© servido acompanhado com batata frita ou matapa.

Ali√°s, o Matapa √© um prato exclusivamente mo√ßambicano que, apesar de compartilhar seu nome com um antigo reino da √Āfrica, √© uma receita simples, feita de folhas de mandioca cozidas misturadas com amendoim mo√≠do, alho e leite de coco. Pode ser servido com arroz, como prato principal, com pequenos caranguejos ou camar√Ķes adicionados ao ensopado para dar um sabor extra. Tamb√©m pode acompanhar frutos do mar ou carnes.




Foto: Getty Images fonte via