Tubarão é devorado por peixe gigante no momento em que é pescado; veja vídeo

Vida triste a desse tubarão: primeiro, ele foi fisgado pelo anzol de pescadores da Flórida. Entretanto, enquanto ele era puxado para dentro do barco, um peixe gigante o engoliu numa tacada só: era dia do ‘Rei dos Mares’ virar presa e de um jeito ou de outro, ele virou.

Publicidade

Garoupa de 230 quilos devorou tubarão de 10 quilos em uma só abocanhada: cena choca e mostra as loucuras da natureza

Imagens são chocantes

As imagens foram gravadas pelos pescadores que navegavam na costa da Flórida. O tubarão em questão era um tubarão-de-focinho-negro. Os navegantes achavam que tinham pescado o maior peixe da região. Entretanto, enquanto eles puxavam o animal para o barco, uma garoupa gigante apareceu e acabou com a festas dos pescadores (e com a vida do tubarão).

Dá uma olhada no vídeo:

Publicidade

“Basicamente, estávamos pescando tubarões, quando de repente duas ou três garoupas golias começaram a ficar embaixo do barco, esperando que chegasse a nossa captura. Estávamos pensando ‘uau, inacreditável’! Basicamente, ele comeu o tubarão e quebrou a linha pela qual estávamos o segurando”, disse John Brossard, capitão da embarcação, à rede de notícias estadunidense Pen News.

Ele afirma que se assustou com as três sombras escuras que viu nas águas e que todos na embarcação ficaram chocados com a proeza da garoupa. Segundo Brossard, a região em que estavam pescando, no encontro entre as águas do Atlântico e do Golfo do México, é propensa para que esse tipo de interação aconteça;

“Existem tubarões, crocodilos, pítons, golfinhos e peixes-boi, tudo em um só lugar. É o único lugar no mundo que tem todas essas criaturas estão juntas. Já vimos crocodilos comendo tubarões e agora um tubarão sendo devorado por peixes maiores”, relatou.

fonte via

Artefato que altera a história mostra geometria aplicada mil anos antes de Pitágoras

Pica-pau-bico-de-marfim, espécie que inspirou Pica-Pau do desenho, será  declarada extinta - Rádio Itatiaia | A Rádio de Minas

O Serviço Federal de Pesca e Vida Selvagem dos Estados Unidos declarou que o pica-pau-bico-de-marfim está extinto. Segundo o documento, o animal não é visto na natureza desde 1944, no nordeste da Lousiana, no sul dos EUA. Conhecido como o “pássaro do Senhor Deus”, ele acabou desaparecendo por conta do desmatamento para exploração de madeira na região.

Esse é o Pica-pau-de-topete-vermelho, um pica-pau similar ao extinto no sudeste estadunidense

“Com a mudança climática e a perda de área natural levando mais e mais espécies à beira do precipício, agora é a hora de levantar esforços proativos, colaborativos e inovadores para salvar a vida selvagem da América”, disse Deb Haaland, secretária do Interior dos EUA.

O animal inspirou Walter Lantz a criar o Woody Woodypecker, o nosso pica-pau, e eternizou a espécie no desenho que marcou a infância de milhões de crianças ao redor de todo o planeta.

O Serviço Federal de Pesca e Vida Selvagem norte-americano também inclui na lista outros dez pássaros, oito mexilhões de água doce, dois peixes, um morcego e uma planta, segundo o New York Times.

“Cada uma destas 23 espécies representa uma perda permanente da herança natural de nossa nação e da biodiversidade global. E é um lembrete desalentador que a extinção seja uma consequência da mudança ambiental causada pelos humanos”, acrescentou Bridget Fahey.

Pica-pau é um símbolo das infância de milhões de pessoas ao redor de todo o planeta

“As circunstâncias de cada um também destacam como a atividade humana pode levar ao declínio e extinção de espécies, contribuindo para a perda de habitat, uso excessivo e a introdução de espécies invasivas e doenças. Os impactos crescentes das mudanças climáticas são esperados para exacerbar ainda mais essas ameaças e suas interações”, disse a agência de vida selvagem.

Fotos: Foto 1: Veronika Andrews sob licença Creative Commons Foto 2: Reprodução/Universal Studios/fonte via

Cientistas transformaram água pura em metal pela primeira vez

A água pura é um isolante quase perfeito.

Sim, a água encontrada na natureza conduz eletricidade por causa das impurezas nela, que se dissolvem em íons livres e permitem o fluxo de correntes elétricas. A água pura só se torna “metálica” — eletronicamente condutora — em pressões extremamente altas que vão além de nossa capacidade atual.

Mas, como os pesquisadores demonstraram pela primeira vez, não são apenas as altas pressões que podem induzir essa metalicidade na água pura.

Ao colocar a água pura em contato com um metal alcalino compartilhando elétrons — neste caso uma liga de sódio e potássio — partículas carregadas de movimento livre podem ser adicionadas, tornando a água metálica.

A condutividade resultante dura apenas alguns segundos, mas é um passo significativo entender essa fase da água ao estudá-la diretamente.

“Você pode ver a transição de fase para água metálica a olho nu!” disse o físico Robert Seidel, do Helmholtz-Zentrum Berlin für Materialien und Energie, na Alemanha. “A gota prateada de sódio-potássio se cobre com um brilho dourado, o que é muito impressionante.”

Sob pressões altas o suficiente, praticamente qualquer material poderia, teoricamente, se tornar condutor. A ideia é que, se você espremer os átomos com força suficiente, as órbitas dos elétrons externos começarão a se sobrepor, permitindo que eles se movam. Para a água, essa pressão é de cerca de 48 megabares, cerca de 48 milhões de vezes a pressão atmosférica da Terra ao nível do mar.

Embora pressões que excedam isso tenham sido geradas em um ambiente de laboratório, tais experimentos seriam inadequados para estudar água metálica. Assim, uma equipe de pesquisadores liderada pelo químico orgânico Pavel Jungwirth, da Academia de Ciências Tcheca, voltou-se para os metais alcalinos.

Essas substâncias liberam seus elétrons externos com muita facilidade, o que significa que podem induzir as propriedades de compartilhamento de elétrons da água pura altamente pressurizada sem as altas pressões. Há apenas um problema: os metais alcalinos são altamente reativos com água líquida, às vezes até o ponto de explosividade (há um vídeo muito legal abaixo ). Basta jogar para ver o bum!

A equipe de pesquisa encontrou uma maneira muito bacana de resolver esse problema. E se, em vez de adicionar o metal à água, fosse adicionada água ao metal?

Em uma câmara a vácuo, a equipe começou realizando a extrusão em um bico de uma pequena bolha de liga de sódio-potássio, que é líquida à temperatura ambiente, e com muito cuidado adicionou uma fina película de água pura usando deposição de vapor.

O contato entre a água e o metal faz que os elétrons e cátions metálicos (íons carregados positivamente) fluam da liga para a água.

Isso não apenas fez a água ficar dourada, mas também deixou a água com condutividade; exatamente como deveríamos ver na água pura metálica em alta pressão.

Isso foi confirmado usando espectroscopia de reflexão óptica e espectroscopia de fotoelétrons de raios-X síncrotron. As duas propriedades — o brilho dourado e a banda condutiva — ocupavam duas faixas de frequência diferentes, o que permitia que ambas fossem identificadas com clareza.

Além de nos dar uma melhor compreensão dessa transição de fase aqui na Terra, a pesquisa também poderia permitir um estudo detalhado das condições de extrema alta pressão dentro de grandes planetas.

Nos planetas de gelo do Sistema Solar, Netuno e Urano, por exemplo, acredita-se que o hidrogênio líquido metálico gira. E é apenas em Júpiter que as pressões são consideradas altas o suficiente para metalizar a água pura.

A perspectiva de ser capaz de replicar as condições dentro do gigante planetário do nosso Sistema Solar é realmente emocionante.

“Nosso estudo não apenas mostra que a água metálica pode de fato ser produzida na Terra, mas também caracteriza as propriedades espectroscópicas associadas ao seu belo brilho metálico dourado”, disse Seidel.

A pesquisa foi publicada na revista científica Nature.

Uma manobra arriscada salvou o telescópio espacial mais poderoso do mundo

A NASA finalmente consertou seu Telescópio Espacial Hubble depois de semanas passando por uma falha misteriosa.

Na sexta-feira, a agência anunciou que o Hubble havia ligado com sucesso o hardware de backup que parou de funcionar há mais de um mês. Agora os engenheiros da NASA estão lentamente retornando o telescópio para o estado totalmente operacional. O processo pode levar alguns dias.

“Eu estava muito preocupado”, disse o administrador associado da NASA Thomas Zurbuchen em uma entrevista na sexta-feira com Nzinga Tull, que liderou a equipe do Hubble através da solução de problemas. “Todos sabíamos que isso era mais arriscado do que normalmente fazemos.”

Hubble é o telescópio espacial mais poderoso do mundo, mas está ficando velho. Foi lançado em órbita em 1990. Ele fotografou o nascimento e mortes de estrelas, avistou novas luas circulando Plutão, e rastreou dois objetos interestelares atravessando nosso Sistema Solar.

Suas observações permitiram aos astrônomos calcular a idade e a expansão do Universo e observar galáxias formadas logo após o Big Bang.

Embora a NASA provavelmente tenha corrigido o problema, é um sinal de que a idade do Hubble pode estar começando a interferir com a ciência que ele nos permite realizar. O telescópio não é atualizado desde 2009, e parte de seu hardware tem mais de 30 anos.

“Esta máquina é antiga, e está meio que nos dizendo: Olha, eu estou ficando um pouco velho aqui, certo? Está falando conosco”, disse Zurbuchen. “Apesar disso, temos mais ciência para fazer, e estamos animados com isso.”

Astronautas visitaram o Hubble para reparos e manutenção em cinco ocasiões. (NASA)

Uma manobra arriscada salvou o telescópio espacial mais poderoso do mundo

O computador de carga do Hubble – uma máquina dos anos 1980 que controla e monitora todos os instrumentos científicos da espaçonave – de repente parou de funcionar em 13 de junho. Engenheiros tentaram e falharam em reiniciá-lo várias vezes.

Finalmente, depois de realizar mais testes de diagnóstico, eles perceberam que o computador não era o problema – algum outro hardware na sonda estava causando o problema.

Ainda não está totalmente claro qual peça de hardware foi a culpada. Os engenheiros suspeitam que uma falha na Unidade de Controle de Energia (PCU, na sigla em inglês) do telescópio instruiu o computador a desligar. A PCU poderia estar enviando a elétrica errada para o computador, ou o próprio sistema contra falhas poderia estar com defeito.

Mas a NASA estava preparada para questões como esta. Cada parte do hardware do Hubble tem um backup instalado no telescópio no caso de falhar. Então os engenheiros tiveram que mudar para o hardware de backup.

A NASA já reiniciou o Hubble usando este tipo de operação antes. Em 2008, após uma queda de computador que tirou o telescópio do ar por duas semanas, os engenheiros mudaram para hardware redundante.

Um ano depois, os astronautas repararam dois instrumentos quebrados enquanto estavam em órbita – essa foi a quinta e última operação de manutençãodo Hubble. (A NASA não tem mais como lançar astronautas para o telescópio espacial.)

Ainda assim, a troca de hardware desta semana foi uma manobra arriscada.

“Você não pode ver a espaçonave, você não pode ver enquanto acontece. Você tem que ter certeza de que seus uploads de comando farão exatamente o que você pretende fazer”, disse Paul Hertz, diretor da divisão de astrofísica da NASA, ao Insider na semana passada.

“Você simplesmente não quer estragar nada acidentalmente”, acrescentou.

O que não ajudou foi o fato que os engenheiros não poderiam simplesmente mudar a PCU com defeito. A unidade está conectada a muitos outros componentes, então a NASA teve que trocar outro hardware, também.

A agência também usou o computador de carga de backup em vez do original, apenas por segurança. Ele ligou corretamente, os engenheiros o carregaram com software atualizado, e agora está em “modo de operações normais”, disse a NASA em sua atualização de sexta-feira.

“Eu me sinto super animado e aliviado”, disse Tull. “Fico feliz em ter boas notícias para compartilhar.”

(ESA/Hubble/Hubble Heritage Team)

Acima: Os Pilares da Criação, Nebulosa de Águia, a 6.500 anos-luz de distância, tirada pelo Hubble em 2015.

Fazer o Hubble praticar ciência de novo levará alguns dias.

Agora a equipe do Hubble tem que começar a ligar os instrumentos científicos do telescópio. Pode levar até uma semana para voltar às operações completas, de acordo com Hertz.

Ainda há um mistério a ser resolvido: por que o telescópio parou de funcionar?

Seja qual for o hardware defeituoso, o Hubble não tem mais um backup agora. Se falhar de novo, isso pode ser o fim do Hubble.

“Seja qual for esse componente, está em muitos outros satélites”, disse Hertz. “Queremos sempre entender o que funciona e o que não funciona no espaço.” FONTE VIA [Science Alert]

Esconderijo de um exilado rei eremita anglo-saxão é descoberto por arqueólogos

Até recentemente, os arqueólogos pensavam que a caverna datava do século XVIII. Sua estimativa estava quase mil anos errada. (Crédito da imagem: Mark Horton /Edmund Simons /Royal Agricultural University)

Uma caverna britânica foi identificada como o refúgio de um rei anglo-saxão exilado, de acordo com arqueólogos.

Anchor Church Caves, localizada ao lado do rio Trent em uma parte isolada no centro da Inglaterra, foi considerada por muito tempo uma “loucura” do século XVIII — uma edificação extravagante feita apenas pela ornamentação ou como uma piada.

Mas um novo estudo revelou que a caverna teve um propósito real. A estrutura de 1.200 anos foi construída durante a vida tumultuada do rei nortumbriano Eardwulf, que foi perseguido e removido de seu trono para viver como um eremita, e mais tarde se tornou um santo.

A lenda local diz que Eardwulf, ou St. Hardulph, como ele foi conhecido mais tarde, viveu dentro da caverna depois de ter sido deposto e exilado por razões misteriosas em 806 d.C. Um fragmento de um livro do século XVI afirma que Eardwulf ”tem uma cela em um penhasco [próximo de] Trent’ e o rei banido foi enterrado em 830 d.C. em um local a apenas 8 quilômetros da caverna.

(Crédito da imagem: Edmund Simons /Royal Agricultural University)

Edmund Simons, arqueólogo da Royal Agricultural University na Inglaterra e principal investigador do projeto, está convencido de que Eardwulf vivia nas cavernas vigiado de perto por seus inimigos.

“As semelhanças arquitetônicas com edifícios saxões, e a associação documentada com Hardulph/Eardwulf, tornam a narrativa convincente de que essas cavernas teriam sido construídas, ou ampliadas, para abrigar o rei exilado”, disse Simons em um comunicado.

Eardwulf viveu e governou durante um tempo de frequente instabilidade política na Inglaterra medieval. Durante os séculos VII, VIII e IX, sete reinos-chave e mais de 200 reis foram assassinados e guerrearam uns contra os outros em uma disputa fervorosa e constante pela supremacia.

Eardwulf assumiu o trono em 796 após o assassinato de seus dois antecessores imediatos, e governou a Nortúmbria por apenas 10 anos antes de ser deposto (possivelmente, de acordo com alguns estudiosos, por seu próprio filho) para passar seus anos restantes no exílio no reino rival da Mércia.

“Não era incomum que a realeza deposta ou aposentada assumisse uma vida religiosa durante esse período, ganhando santidade e, em alguns casos, canonização”, disse ele. “Viver em uma caverna como eremita teria sido uma maneira alcançar isso.”

Eardwulf viveu na caverna junto com seus discípulos, pensam pesquisadores (Crédito da imagem: Edmund Simons/Royal Agricultural University)

Os pesquisadores reconstruíram o projeto original das cavernas, que inclui três quartos e uma capela voltada para o leste, usando medidas detalhadas, uma pesquisa com drones e um estudo cuidadoso das características arquitetônicas — que se assemelham muito a outras arquiteturas saxãs. Apesar de terem sido negligenciadas pelos historiadores até recentemente, as habitações nas cavernas podem ser “os únicos edifícios domésticos intactos que sobreviveram do período saxão”, disse Simons. A equipe identificou mais de 20 outras cavernas no centro-oeste da Inglaterra que podem datar do século V.

As Cavernas da Anchor Church foram mais tarde modificadas no século XVIII, de acordo com a equipe, quando foi relatado que o aristocrata inglês Sir Robert Burdett “a modificou para que ele e seus amigos pudessem jantar dentro de suas celas frias e românticas”, segundo os pesquisadores. Burdett adicionou alvenaria e molduras de janelas às cavernas, além de ampliar as aberturas para que mulheres bem vestidas pudessem entrar, disse o comunicado.

“É extraordinário que edifícios domésticos com mais de 1.200 anos sobrevivam, não reconhecidos por historiadores e arqueólogos” Disse Mark Horton, professor de arqueologia da Universidade Agrícola Real, que está liderando escavações de restos vikings e anglo-saxões em Repton, perto das cavernas, disse no comunicado. “Estamos confiantes de que outros exemplos ainda devem ser descobertos para dar uma perspectiva única sobre a Inglaterra anglo-saxã.”

Os pesquisadores publicaram suas descobertas na revista Proceedings of the University of Bristol Speleological Society.FONTE VIA

Bob Esponja e Patrick da vida real são encontrados por submarino de pesquisa

Uma expedição oceânica explorando mais de um quilômetro abaixo da superfície do Atlântico capturou uma visão surpreendentemente boba esta semana: uma esponja que se parecia muito com o Bob Esponja Calça Quadrada .

E bem ao lado dela, uma estrela do mar rosa, uma cópia de Patrick, o bobalhão melhor amigo do Bob Esponja.

O Okeanos Explorer da NOAA capturou o vídeo de uma notável esponja e estrela do mar esta semana. Na vida real, os dois não são bons amigos. Crédito: NOAA Ocean Exploration

Christopher Mah foi um dos cientistas que assistia a transmissão ao vivo de um submersível lançado do navio Okeanos Explorer da NOAA. Ele é pesquisador do Museu Nacional de História Natural (EUA) que frequentemente colabora com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA, na sigla em inglês). Ele também é especialista em estrelas do mar .

Mah percebeu imediatamente a semelhança das criaturas subaquáticas com os amigos animados. “Eles são simplesmente sósias dos personagens dos desenhos animados”, Mah disse à NPR.

Então ele tuitou uma imagem dos dois observando a semelhança, encantando muita gente. Alguém acrescentou rostos e pernas de forma prestativa.

Más notícias

Em vez de estar fazendo um rolê no fundo do mar, Mah suspeita de uma razão diferente para a proximidade das criaturas: as estrelas do mar gostam de se alimentar de esponjas.

“Com toda a probabilidade, a razão pela qual a estrela do mar está bem ao lado da esponja é porque essa esponja está prestes a ser devorada, pelo menos em parte”, diz ele.

Ou talvez não. A esponja pode ser amarela brilhante por causa de suas defesas químicas, diz Mah.

De qualquer forma, ele diz: “A realidade é um pouco mais cruel do que talvez um desenho animado possa sugerir.”

Mah diz que a estrela do mar avistada pela expedição era provavelmente uma espécie chamada Chondraster grandis â€“ a estrela do mar rosa que provavelmente foi a inspiração para o personagem Patrick.

Enquanto a esponja da vida real é tão amarela quanto o personagem da Nickelodeon, a forma de Bob Esponja está longe de ser encontrada na natureza.

“Bob Esponja obviamente tem o formato de uma esponja de louça; ele é retangular”, diz Mah. Mas e as esponjas do fundo do mar de verdade? “Elas são quase surreais. São formas bizarras e malucas.”

A anatomia de Patrick também não é exatamente fiel à de uma estrela do mar real.

A expedição explorava as profundezas do Atlântico

A expedição estava distante de continentes quando a agora famosa esponja e estrela do mar foram avistadas.

A descoberta fazia parte do North Atlantic Stepping Stones da NOAA , uma expedição de um mês no Okeanos Explorer para coletar informações sobre áreas de águas profundas desconhecidas e mal compreendidas na costa leste dos EUA e em alto mar. A expedição envolveu o mapeamento do fundo do mar e a exploração de comunidades de esponjas e corais em alto mar, habitats de peixes e os ecossistemas dos montes submarinos, que são montanhas subaquáticas.

A vida no fundo do mar é mal compreendida

O alvoroço por causa de uma esponja de verdade que parece uma esponja animada é uma bobeira?

Com certeza, diz Mah. Mas ele agradece a atenção se isso fizer com que as pessoas pensem sobre a vida que habita os oceanos do mundo.

“São literalmente animais que o público talvez nunca tenha visto antes. Eles vivem a quase 2.000 metros de profundidade”, observa.

Ele espera que o burburinho desperte a atenção não apenas para as esponjas e estrelas do mar, mas também para seu habitat, que está sob a ameaça de atividades como a mineração e a pesca.

A resposta positiva do pessoal do Twitter também foi boa.

“Eles ficam tipo, ‘Oh, meu Deus, isso é perfeito. Isso é ótimo. Não posso acreditar que isso seja verdade’”, disse Mah. “Portanto, se pudermos trazer positividade e fazer as pessoas felizes, mostrando-lhes a natureza, bem, isso é o que a natureza sempre fez por nós.” [NPR]

Mais antigo exemplo de geometria aplicada é descoberto é mil anos mais velho que Pitágoras

A tábua de argila, Si.427. (UNSW Sydney)

Um antigo fragmento de uma tábua de argila de 3.700 anos, durante o antigo período babilônico, contém o que é hoje o mais antigo exemplo conhecido de geometria aplicada, descobriu um matemático. Isso é mais de um milênio antes do nascimento de Pitágoras.

E este artefato que altera a história, conhecido como Si.427, estava parado em um museu de Istambul há mais de 100 anos.

“O Si.427 data do período Babilônico Antigo (BA) – 1900 a 1600 a.C.”, disse o matemático Daniel Mansfield, da Universidade de Nova Gales do Sul (UNSW), na Austrália.

“É o único exemplo conhecido de um documento cadastral do período BA, que é um plano usado pelos topógrafos para definir os limites da terra. Neste caso, ele nos diz detalhes legais e geométricos sobre um campo que é dividido depois que parte dele foi vendido.”

Esse plano usa conjuntos de números conhecidos como triplos pitagóricos para derivar ângulos retos precisos, ou conjuntos de números que se encaixam em modelos trigonométricos para calcular os lados de um triângulo de ângulo reto. Isso torna o tempo do artefato particularmente interessante, com implicações importantes para a história da matemática, observou Mansfield.

A descoberta é descrita em um novo artigo que analisa o contexto desta tábua com descobertas recentes sobre uma tábua contemporânea com o Si.427, conhecida como Plimpton 322. Em 2017, Mansfield e colegas revelaram que plimpton 322 era uma tabela trigonométrica inicial, mostrando toda uma lista de triplos pitagóricos.

Naquela época, os pesquisadores não sabiam qual seria o propósito desta lista. Agora, eles acham que pode ser um pouco mais antiga do que Si.427, e conter apenas triplos pitagóricos que seriam relevantes para fazer medições retangulares do solo. Em outras palavras, é um manual de planejamento.

Isso contrasta com a trigonometria estabelecida por Pitágoras, que foi concebida olhando para as estrelas no céu no século II a.C. O número de triplos pitagóricos que podem ser usados para fazer medições de terra por topógrafos babilônicos é muito pequeno.

Um triplo pitagórico se encaixa na equação de a2 + b2 = c2, onde os lados que definem um triângulo adjacente ao ângulo reto são a e b, e a hipotenusa (o lado mais longo) é c. O exemplo mais simples seria 32 + 42 = 52.

Animação mostrando o exemplo mais simples de triplos pitagóricos. (AmericanXplorer13/Wikimedia/CC BY-SA 3.0)

Estes conjuntos de números podem ser usados para desenhar triângulos e retângulos com ângulos retos perfeitos. Mas o sistema de números sexagesimal, ou base 60, babilônico dificultou o trabalho com números primos maiores que 5.

“Isso levanta uma questão muito particular – seu sistema de números base 60 único significa que apenas algumas formas pitagóricas podem ser usadas”, disse Mansfield.

“Parece que o autor de Plimpton 322 passou por todas essas formas pitagóricas para encontrar essas formas úteis. Essa compreensão profunda e altamente numérica do uso prático dos retângulos ganha o nome de ‘proto-trigonometria’, mas é completamente diferente da nossa trigonometria moderna envolvendo seno, coseno e tangente.”

Agora, com o Si.427, finalmente sabemos para que eles queriam usar esses triplos pitagóricos, estabelecendo limites terrestres, de acordo com Mansfield.

“Isso é de um período em que a terra está começando a se tornar privada, as pessoas começaram a pensar em terra em termos de ‘minha terra e sua terra’, querendo estabelecer um limite adequado para ter relações positivas de vizinhança”, explicou.

“E é isso que este tábua diz de imediato. É um campo sendo dividido, e novos limites são criados.”

Outras tábuas desse período revelam por que isso era tão importante. Um deles diz respeito a uma disputa sobre as tamareiras na fronteira entre duas propriedades, nas quais o administrador local havia concordado em enviar um agrimensor para resolver o assunto. É fácil ver por que a capacidade de medir com precisão lotes de terra pode ter sido importante.

No entanto, demonstra uma compreensão sofisticada da geometria. Pode não ter sido tão avançado quanto a trigonometria descrita mais tarde pelos gregos antigos, mas sugere que nossa compreensão da matemática pode ter sido mais incremental do que o conhecimento histórico atual nos diz.

“Ninguém esperava que os babilônios estivessem usando triplos pitagóricos desta maneira”, disse Mansfield. “É mais parecido com a matemática pura, inspirada nos problemas práticos da época.”

A pesquisa foi publicada na Foundations of Science.