Fotógrafa passa 14 anos retratando as árvores mais antigas do mundo

Conhecida como “árvore da vida”, o Baobá é um tipo de árvore existente na África, Península Arábica, na Austrália e em alguns outros lugares do mundo. Os baobás são considerados por estudiosos como as árvores mais antigas do planeta, chegando a alcançar impressionantes dois mil anos de existência. Esse cálculo é feito através do diâmetro das árvores, que revelam a idade aproximada do exemplar.

Não é por menos que essas árvores encantam tantas pessoas, entre elas a fotógrafa Beth Moon. Ela dedicou 14 anos de seu trabalho para fotografar esses belos exemplares pelo mundo, o que deu origem ao livro “Árvores Antigas: Retratos do Tempo.”

“Sendo os maiores e mais antigos monumentos vivos da Terra, acredito que essas simbólicas árvores tem um grande significado, especialmente num tempo quando nosso foco está direcionado para encontrarmos formas melhores de convivermos com o meio ambiente“, relata a fotógrafa.

Confira algumas das fotos clicadas por Beth Moon:

baoba10

baoba9

baoba8

baoba7

baoba6

baoba5

baoba3

baoba2

baoba1

fotos por Beth Moon.

Projeto retrata moradores de rua e seus sonhos nunca realizados

Dois estudantes saíram pelas ruas de Lisboa com uma dúvida em uma mão e uma câmera na outra. O objetivo? Perguntar aos moradores de rua quais eram seus sonhos. O resultado do projeto é uma série fotográfica instigante que mostra os projetos de vida destas pessoas.

A série, chamada de  “Sempre Quis Ser”, apresenta 10 moradores de rua fotografados sempre em preto e branco segurando uma lousa em que registram seus desejos não cumpridos. A autoria do projeto é dos estudantes Catarina Fernandes e João Porfírio.

Além da série fotográfica, o projeto também foi composto por longas conversas com os moradores de rua, onde os jovens puderam conhecer a história de uma senhora que queria ser professora e foi abandonada pelas próprias filhas; de um jovem de 22 anos que desejava apenas ser feliz; e de estrangeiros que foram a Portugal em busca de uma vida melhor, mas nunca a encontraram.

Cada história deixou alguns sonhos nunca realizados pelo caminho, que foram agora retratados pelas lentes de Catarina e João da forma que você vê abaixo:

semprequis8

semprequis6

semprequis4

semprequis3

semprequis2

semprequis1

semprequis5

semprequis9

semprequis10

semprequis7

Todas as fotos © Catarina Fernandes e João Porfírio

Série comovente mostra animais vivendo em ambientes criados por humanos

A série Modern Wilderness é um ensaio que foca na nos ambientes criados por humanos para abrigar animais selvagens, que definitivamente passam longe de seus habitats naturais. 

As fotografias do alemão Daniel Zakharov não são coloridas ou alegres e nem tentam recriar a vida selvagem, como muita gente faz quando vai em um zoológico, afinal, quando clicados de perto, animais em zoológicos parecem sempre felizes e integrados ao meio. Mas através desse ensaio, é claro perceber como os humanos falharam em reproduzir ambientes adequados para animais que vivem em cativeiro.

Confira o ensaio:

ModernWilderness1

https://i1.wp.com/www.danielzakharov.de/files/gimgs/10_moderne-wildnis---lemur.jpg

https://i2.wp.com/www.danielzakharov.de/files/gimgs/10_modern-wilderness---elephant_v2.jpg

ModernWilderness2

ModernWilderness3

ModernWilderness4

ModernWilderness5

https://i0.wp.com/www.danielzakharov.de/files/gimgs/10_moderne-wildnis---elefanten---by-daniel-zakharov.jpg

ModernWilderness6

https://i2.wp.com/www.danielzakharov.de/files/gimgs/10_daniel-zakharov---modern-wilderness---moderne-wildnis-008.jpg

ModernWilderness7

ModernWilderness8

ModernWilderness9

ModernWilderness10

ModernWilderness13

ModernWilderness15

https://i2.wp.com/www.danielzakharov.de/files/gimgs/10_daniel-zakharov---modern-wilderness---tiger.jpg

A série completa, bem como outros trabalhos do artista, aqui.

todas as imagens @ Daniel Zakharov

15 fotos de animais nas quais o fotógrafo estava no lugar certo e na hora certa

Já mostramos no @vivimetaliun uma compilação de fotos nas quais o fotógrafo estava no lugar certo e na hora certa. Dessa vez, fizemos uma compilação com o mesmo tema, mas agora focando em fotos de animais.

Prepare-se para se surpreender:

1. Beija-flor procura por água e alimento em Wyoming durante uma seca extrema em 2012.

beija-flor

 (© Sundell Larsen / National Geographic Traveler Photo Contest)

2. Girafa se aproxima para pegar um pedaço de alface que está sendo oferecido por uma criança.

animais-03

(© Fernando Pinto)

3. Lêmure momentos antes de capturar um inseto.

animal-4

(© Edgar Thissen)

4. O fotógrafo captou um tigre branco bem na hora em que estava bocejando.

animal-05

(© Donna & Antti)

5. Um momento peculiar de um Urso-polar

animal-06

(© floridapfe)

6. Gorila procurando alimento na África

animal-07

(© Ian Nichols, National Geographic)

7. Pelicano no exato momento em que capturou sua refeição.

animal-08

(© Ali Alqudsi)

8. Este grande tubarão branco saltou diretamente debaixo de água com uma surpreendente força. Gansbaai, África do Sul, onde esta imagem foi tirada. É um dos únicos lugares no mundo onde os tubarões apresentam esse comportamento.

animal-8

(© Thomas Pimenta / Geographic Traveler Photo Contest Nacional)

9. Falcão carregando um esquilo que tinha acabado de capturar.

animal-09

(© Salah Baazizi)

10. O mergulhador e especialista em tubarões Eli Martinez disse que já tinha encontrado com esse tubarão em outros mergulhos e sabia que ele era amigável. O fotógrafo capturou o momento exato no qual o tubarão se vira e toca sua nadadeira na mão do mergulhador.

 animal10

(© Paul Spielvogel / CATERS NEWS)

11. Na Turquia, esse adorável patinho foi abandonado pela sua família, mas acolhido pela mãe canina Tarcin. Segundo os donos, eles agora são inseparáveis.

animal11

CATERS)

12. Coruja foi flagrada no momento de um bocejo. 

animal-12

(© Elena davidova)

13. Um bando da espécie de pássaros Merops pusillus num momento de união.

animal12

(@ Kit Day)

14. Leão e leoa trocando carícias. 

foto13

(@ Carole Deschuymere)

15. Joaninha momentos depois de uma chuva.

foto-13

(@ Jens Kolk)

E então, qual a sua preferida?

Série de retratos comovente capta a velhice de animais

 

Fotografias de animais é sempre uma coisa bonita de se ver. Mas se normalmente elas mostram bichos bonitos, alegres e, principalmente, jovens, é muito bom saber que há quem se preocupe com os que não são. Os retratos de Isa Leshko, na série Elderly Animals (Animais Idosos), são quase humanos e nos deixam inevitavelmente ligados a cada um destes seres vivos.

A americana se interessou pela fotografia depois de vários anos trabalhando em outras áreas. Mas o clique surgiu quando cruzou o olhar com um velho cavalo, em uma propriedade familiar. Leshko decidiu então passar um tempo com o animal, sentir suas alegrias e angústias, e fotografá-lo.

É assim que nasce Elderly Animals, uma série que é uma verdadeira homenagem à existência destes animais – “Para alcançar uma sensação de intimidade nestes retratos, eu passo várias horas com os animais que vou fotografar e tento visitá-los várias vezes. Dependendo do animal, eu posso passar uma hora simplesmente deitada no chão ao lado dele antes de clicar uma única foto”.

Isa Leshko quer explorar, desta forma quase humana, os sentimentos sobre a idade, a morte e também a perda.

ElderlyAnimals1

Kiri, Lobo, 17 anos

ElderlyAnimals2

Red, Cachorro, mais de 14 anos

ElderlyAnimals3

Violet, Porco, 12 anos

ElderlyAnimals4

Teresa, Porco, 13 anos

ElderlyAnimals5

‘Macaco Capuchinho’, mais de 30 anos

ElderlyAnimals6

Blue, Cachorro, 19 anos

ElderlyAnimals7(1)

Ganso, 28 anos

ElderlyAnimals8

Phyllis, Ovelha, 13 anos

ElderlyAnimals9

Galo, idade desconhecida

ElderlyAnimals10

Kelly, Cachorro, 11 anos

ElderlyAnimals11

Marino, Peru bronze, 5 anos

ElderlyAnimals12

Handsome One, Cavalo, 33 anos

Para ver essa emocionante série, vá ao site da artista. O projeto Elderly Animals foi recebido com entusiasmo e acabou inspirando um documentário, produzido pela Walley Films, que junta imagens maravilhosas às ideias da autora da série:

todas as imagens@ Isa Leshko

Fotógrafo retrata momentos de solidão em diferentes lugares do mundo

 

É um dos grandes problemas dos tempos modernos e da nossa organização em sociedade. Em um tempo em que a tecnologia permite que todos nos aproximemos, como é possível estarmos cada vez mais afastados? Como tem tantas pessoas solitárias num mundo em que tantas outras precisam de companhia?

O fotógrafo Diogo Nunes se debruçou sobre o tema com a série Sobre estar só. É um retrato de um sentimento universal e por isso ele o captou em diferentes países. De Roma a Maceió, o que vemos são pessoas que, nem que seja por apenas um instante, estão sozinhas, em algum tipo de situação.

Quem melhor pra descrever o projeto do que o próprio autor? “Os caminhos se cruzam, mas as pessoas não se tocam. Não compartilham nada além daquele breve instante no metrô, ou na fila do supermercado. A maior parte do dia estamos em contato com outro ser humano, mas sempre há aquela hora, que parece eterna, onde tudo desaparece e resta apenas o indivíduo e seus arrependimentos. Essa série busca enquadrar os momentos no cotidiano em que sentimos o peso de viver em nossa carne maltratada”.

Veja as fotos:

SobreEstarSó1

Maceió, Brasil

SobreEstarSó2

Barcelona, Espanha

SobreEstarSó3

Barcelona, Espanha

SobreEstarSó4

Londres, Inglaterra

SobreEstarSó5

Sitges, Espanha

SobreEstarSó6

Roma, Itália

SobreEstarSó7

Barcelona, Espanha

Veja esse e outros projetos de Diogo Nunes na FanPage do fotógrafo.

todas as imagens @ Diogo Nunes

Fotógrafa capta a luta do irmão contra a leucemia em série tocante

É uma série íntima, de amor e de perda, mas que deixa espaço aos espectadores para diversas interpretações. Sarah Carp é uma fotógrafa suíça que decidiu registrar em imagens a doença que levou o seu irmão à morte. Donneuse apparentée deu em livro e é uma forma de gravar para sempre na memória o percurso de uma pessoa amada.

Sarah Carp começou fotografando o irmão no dia em que ele foi diagnosticado com leucemia, e o continuou fazendo até ao dia em que Henri sucumbiu à doença, apenas um ano depois. A série criada por Sarah tem várias faces, entre cumplicidade, esperança, mas também desespero e pedidos de socorro.

Nas palavras da fotógrafa, “durante a doença, viver torna-se uma busca constante. A minha câmera se tornou minha melhor amiga. Serviu como uma barreira entre mim e o mundo”. Sarah foi doadora de células tronco para o irmão, Henri, que mesmo assim não resistiu. “Eu fiz este trabalho fotográfico de modo a não me deixar morrer, a exorcizar o passado e a gravar para sempre a memória de um ente querido”, conclui Sarah.

As foto são emocionantes:

SarahCorp1

SarahCorp2

SarahCorp3

SarahCorp4

SarahCorp5

SarahCorp6

SarahCorp7

SarahCorp8

SarahCorp9

SarahCorp10

SarahCorp11

SarahCorp12

SarahCorp13

SarahCorp14

SarahCorp15

todas as imagens @ Sarah Carp

Fotógrafo percorre a Índia atrás dos seus famosos caminhões coloridos

A buzina é definitivamente um traço marcante da cultura indiana. Não é à toa que os veículos de grande porte que circulam por lá, em geral, não tem o menor pudor em escrever em letras garrafais na sua traseira ‘Horn please’ (Buzine, por favor). Eles assumem que, se você quer passagem, tem mesmo  que buzinar entusiasticamente antes. A expressão, que virou quase um mantra, foi o mote encontrado pelo fotógrafo americano Dan Eckstein para uma série de fotografias focada justamente nos caminhões coloridos e cheios de traquitanas que percorrem as estradas do país.

Dan percorreu mais de 2 mil quilômetros em pouco mais de duas semanas para registrar esses legítimos representantes da cultura indiana. Em entrevista dada a revista Fast Company, ele comenta: “… a Índia é um lugar difícil de se fotografar, porque há coisas coloridas e bonitas por toda parte, portanto você realmente precisa se concentrar para obter uma história que não seja um clichê. E foi justamente nas intermináveis e empoeiradas estradas – onde os turistas normalmente não vão – que encontrei um motivo genuíno e legítimo para fotografar”. Belíssimo registro!

Fotógrafa capta animais selvagensem locais sagrados na Índia

Karen Knorr é de uma originalidade incrível: a fotógrafa captou o interior de palácios, mesquitas e outros locais sagrados no norte da Índia, incluindo neles uma variedade de animais vivos, clicados em santuários e zoológicos no Rajastão.

Interessada na cultura Rajput, Karen Knorr tenta explorá-la através da fotografia. A série India Song é um conjunto de imagens que têm algo de bizarras, mas também bastante misteriosas. A artista celebra a rica cultura visual, os mitos e histórias da fundação do norte da Índia, com foco no Rajastão, e usa estes locais sagrados para retratar o tema das castas, do feminismo e da sua relação com o mundo animal.

As fotos foram captadas separadamente – os interiores com uma câmera analógica – e os animais em zoos e santuários, em uma fusão entre a fotografia digital de alta resolução e a fotografia analógica.

IndiaSong1

IndiaSong2

IndiaSong3

IndiaSong4

IndiaSong5

IndiaSong6

IndiaSong7(1)

IndiaSong7

IndiaSong8

IndiaSong9

IndiaSong10

IndiaSong11

IndiaSong12

IndiaSong13

A série e todas as informações sobre ela estão no site da fotógrafa..

todas as imagens @ Karen Knorr