Conheça o distrito de San Francisco que vai te teletransportar para a época do movimento hippie

Paz, amor, música e São Francisco (EUA), ou, mais especificamente, Haight Ashbury, o distrito que foi palco do movimento hippie nos anos 60. Durante o “Verão do Amor“, em 1967, a região foi ocupada por milhares de jovens sonhadores, que buscavam no psicodelismo as respostas para a vida, o universo e tudo mais. ”The Haight”, para os íntimos, é a área que fica em torno das ruas Haight e Ashbury, a oeste da famosa Golden Gate. Com a chegada do verão, naquele ano, jovens hippies de todas as partes do mundo se reuniram em São Francisco e encontraram na região casas baratas para alugar.

haight-ashbury-hippies16

Haight Ashbury tornou-se referência física da contracultura, sendo considerada por muitos um paraíso do rock psicodélico e das drogas. Até mesmo os integrantes da banda Grateful Dead encontraram no Haight uma casa para chamar de sua, uma residência construída no século XIX, em que viveram por alguns meses.

haight-ashbury-hippies15

No início do outono daquele ano, entretanto, o Haight já não trazia a mesma alegria jovial e foi tomada por dependentes químicos, lixo e miséria. Hoje, o distrito ainda transpira boemia e para sempre será lembrado como o cenário de um dos movimentos jovens mais transgressores da história. É um passeio indispensável para quem visita San Francisco.

Veja algumas fotos:

sf

sf10

sf7

sf1

sf-8

cruzamento2

sf3

sf5

haight-ashbury-hippies5

haight-ashbury-hippies6

haight-ashbury-hippies7

haight-ashbury-hippies10

haight-ashbury-hippies11

haight-ashbury-hippies4

haight-ashbury-hippies13

haight-ashbury-hippies14

Todas as fotos © Biblioteca Pública de São Francisco

*Esse post é um oferecimento de SKYY VODKA Brasil.

Anúncios

FOTÓGRAFO RETRATA COMO ERA VOAR DE AVIÃO NOS ANOS 60

Sinal de sofisticação, a companhia aérea Pan Am surgiu em 1920 e teve seu auge nos anos 1960 e 1970. Em fotos incríveis, o fotógrafo Michael Kelley registrou momentos que mais se parecem com um editorial de moda vintage. Os cliques foram feitos no voo entre Los Angeles e Londres, à bordo de um Boeing 747-200.

Com um legado vivo até hoje, todos queriam viajar e trabalhar na Pan Am. Antes do embarque, as aeromoças preparavam a cabine com revistas, headsets, cobertores e travesseiros, sendo quatro delas dedicadas à primeira classe. Feito o embarque, champanhe, petiscos e o menu elegante são entregues aos passageiros. Alcançada a altitude ideal, são servidas refeições quentes, segundo o fotógrafo, de extrema qualidade, com direito a caviar, pães e assados frescos, além do álcool servido à vontade.

Dá uma olhada nas imagens e confira como era charmoso viajar de avião na década de 60:

pan-am5

pan-am2

pan-am6

pan-am3

pan-am8

pan-am

pan-am4

pan-am9

Os assentos reclinados não atrapalhavam o vizinho de trás. Já na classe econômica, os bancos eram mais estreitos do que aqueles que estamos acostumados hoje, então imagina o sufoco. Apesar disso, após o jantar os passageiros podiam circular livremente pelo avião, sendo que no andar superior – item marcante da frota da Pan Am – havia espaço para jogos de mesa, bebidas, cigarros e longas conversas, sendo um ótimo recurso de entretenimento.

Ao anoitecer, todos retornam aos seus lugares para desfrutar um filme, exibido numa tela para todos como se fosse um cinema.

pan-am7

pan-am10

pan-am11

pan-am12

pan-am13

pan-am14

pan-am15

Apesar de termos ótimos recursos na primeira classe dos dias de hoje, dá uma vontade de pegar esse voo, não é?

pan-am16

pan-am18

pan-am17

Todas as fotos © Michael Kelley

O brasileiro que vive sozinho em uma ilha há 32 anos

Sabe quando os estresses da vida urbana nos fazem ter vontade de largar tudo e ir viver em uma ilha deserta? Caio Rodrigues Rego tornou esse desejo realidade quando, há 32 anos, aceitou o trabalho de ser caseiro na mansão de uma família norte-americana na Ilha dos Gatos, em São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo.

A família não ficou muito tempo por lá e a mansão acabou em ruínas, mas Caio permaneceu como cuidador da ilha. Nos três primeiros anos, sua mulher e três filhos aceitaram ficar com ele na área que fica a 5 km do continente, mas assim que sua filha mais velha chegou à idade de ir à escola, Caio se viu sozinho em uma ilha de 75 mil metros quadrados. “Eles foram morar na praia, que fica a dez minutos daqui. E eles estão aí, próximos, todo dia encontro com eles, falo com eles“, afirma o cuidador em entrevista à TV Vanguarda.

Mas embora a ilha fique próxima ao continente e seja destino comum de turistas e pescadores, nem sempre Caio tem companhia. Ele afirma já ter ficado mais de 20 dias sem falar com ninguém. “É uma questão de consciência, existe um diálogo com você mesmo. Quando você consegue ouvir alguma coisa é de você mesmo. Não há interferência nenhuma, nenhuma buzina“, conta.

Na cozinha não faltam produtos básicos, que ele mesmo busca na praia, mas a ausência de água encanada e eletricidade tornam sua vida mais simples e menos conectada. Além disso, Caio não dispensa um bom peixe no almoço ou no jantar, que ele pega com as próprias mãos, em frente à casa em que mora.

ilha-dos-gatos5
Foto © Munir El Hage

A ilha teria recebido esse nome após ser infestadas por ratos. Para acabar com os roedores, dezenas de gatos foram espalhados pela área e a população dos bichanos logo chegou aos 5 mil. Foi com uma praga desconhecida, no entanto, que todos os gatos foram extintos e a ilha, comprada pelo milionário norte-americano Nelson Rockefeller durante o governo Getúlio Vargas. Depois disso, a área foi repassada a um familiar  do empresário, chamado Richard Aldrich, que investiu na construção de uma mansão com o objetivo de fugir do holocausto nuclear.

Hoje, a Ilha dos Gatos pertence à União e está sob inscrição da Sociedade Ecológica Brasileira. Se Caio ainda estranha viver sozinho por lá? “Só tem que ter paciência de esperar as coisas acontecerem. As coisas vêm até mim normalmente. Quando você quer alguma coisa, você consegue, não importa o lugar“, afirma.

ilha-dos-gatos6

ilha-dos-gatos4

ilha-dos-gatos3

ilha-dos-gatos1

Fotos via Ilha dos Gatos/Facebook

caio-rodrigues3

caio-rodrigues2

caio-rodrigues1

Imagens ©  TV Vanguarda

A primeira modelo com vitiligo da história

Uma das críticas mais constantes que são direcionadas ao mundo da moda é o padrão de beleza presente nas campanhas. Entretanto, a campanha primavera/verão 2015 da marca Dieselbusca minimizar um pouco isso ao trazer Winnie Harlow, a primeira modelo com vitiligo da história, para promover a tolerância, a igualdade e o amor incondicional.

A garota de 19 anos, que apresenta a doença desde os 4, participou do America’s Top Model e já fez desfiles e peças publicitárias relevantes, provando que as manchas em sua pele não a tornam menos bonita – saiba mais sobre Winnie aqui. A campanha foi pensada pela diretora criativa Nicola Formichetti e apresenta um tom otimista e provocativo, inspirando as pessoas a viverem bons momentos. ”Tem tantas coisas loucas acontecendo que você não vê mais as pessoas se divertindo“, disse ela.

O fotógrafo escolhido para a sessão foi Nick Knight, que encarou o desafio de fotografar sorrisos – algo que geralmente não faz parte de seu portfólio. Confira abaixo as imagens e a beleza de Winnie Harlow:

diesel5

diesel

diesel2

diesel4

Todas as imagens © Diesel

Fotógrafo cria série registrando corujas camufladas em árvores

Já pensou em ter o poder de se camuflar para fugir de um perigo ou de estar em um local sem ser percebido por ninguém? As corujas têm essa incrível habilidade de camuflar-se para confundir seus predadores. Suas penas se misturam e se confundem com árvores e madeira, o que é uma forma de sobreviver na natureza e se esconder do inimigo.

Fascinado pela vida selvagem e principalmente pelas corujas, o fotógrafo Graham McGeorge, nascido em  Dumfries, na Escócia, que hoje vive nos Estados Unidos e é membro daNorth American Nature Photography Association, criou uma série que retrata a incrível habilidade das corujas em se camuflar. Não é fácil captar o exato momento em que as corujas se ocultam nas cavidades das árvores – é preciso ter agilidade, paciência, bons olhos e ouvidos.

Graham ganhou vários prêmios com a primeira foto abaixo, entre eles o Prêmio Mérito do concurso do National Geographic Traveler 2013. Graham McGeorge visita pântanos e florestas para saber onde encontrá-las. A dica é procurar “em buracos de árvores e casinhas de pica-paus”, recomenda o fotógrafo.No reino animal, sua preferência não poderia ser outra, as corujas e bebês de corujas. Ele diz que suas fisionomias são únicas e tocam o coração.

 Confira abaixo mais alguns desses adoráveis animais captados pelo fotógrafo:

coruja 01

coruja 02

coruja 03

coruja 04

coruja 05

coruja 06 z

coruja 07

coruja 09

coruja 10

coruja 11

coruja 12

Todas as fotos © Graham McGeorge

Brasileiro faz caiaque junto a um vulcão ativo no Havaí

Se você se considera um aventureiro, precisa conhecer a história do brasileiro Pedro Oliva e do time que ele levou para o Havaí. Profissionais do caiaque, Pedro, Ben Stookesberry e Chris Korbulic, acompanhados do fotógrafo de aventura Alexandre Socci, foram para o estado com o objetivo de gravar um documentário para o programa Kaiak, do Channel OFF, mas a experiência foi mais longe do que imaginavam.

Quem conta a história é Socci, que diz que o grupo saiu da cama às 3.30h da madrugada, pra chegar ao destino a tempo de pegar a melhor luz e filmar a lava e os caiaques na água. Mas o cenário estava apocalíptico: “por 20 minutos, ficamos só olhando pra tudo e tentando entender o que fazer… até que o Pedro decidiu pegar no caiaque e se jogar… Não esperávamos aquilo”, diz o fotógrafo.

O vulcão Kilauea criou então uma autêntica paisagem de filme de ficção científica, com a rocha derretida caminhando em direção às águas, o ar nublado por conta do vapor, as ondas batendo nas margens e a lava flamejante como nunca, colocando qualquer objeto em risco.

VolcanoKayak2

Apesar de tudo ter corrido bem, e de a equipe ter clicado essas imagens incríveis que você confere abaixo, Sacci lembra: “como fotógrafo aquático, eu estava tentando entrar na água, mas era impossível, já que ela estava a cerca de 90 graus e havia um monte de partículas de lava flutuando, que poderiam queimar qualquer coisa em segundos… até os caiaques saíram da água com algumas ‘cicatrizes’ causadas pela lava!”.

Na verdade, um dos remos de Pedro Oliva saiu queimado e ele, como toda a equipe, não recomenda que outras pessoas repitam a aventura: “eu espero que as pessoas não vejam estas imagens e pensem que é seguro remar tão perto da lava, porque realmente não é, de todo, seguro”.

No conforto da sua cadeira, veja as imagens e deixe se impressionar:

VolcanoKayak1

VolcanoKayak3

VolcanoKayak4

VolcanoKayak5

VolcanoKayak6

VolcanoKayak7

VolcanoKayak8

VolcanoKayak9

A adorável amizade de uma garotinha e sua porca de estimação

Não é muito convencional ter um porquinho de estimação, mas a pequena Libby, de dois anos de idade, divide bons momentos com sua amiga suína de 3 meses de vida, a Pearl. A mãe da menina não poderia deixar de registrar o dia a dia da dupla, cheio de afeto e diversão.

Fotógrafa e blogueira, Lindsey Bonisse adotou Libby logo quando a mãe biológica da criança deu à luz, estando, inclusive, ao seu lado na hora do parto. “Eu não te carreguei por nove meses, não senti você se movendo dentro de mim, mas você esteve no meu coração o tempo todo. Legalmente, você não era minha naquele momento, e isso me assustou, mas no meu coração você sempre foi e isso me manteve forte“, escreveu no post do blog em que conta sobre a história da pequena.

Os posts dividem todos os momentos doces que Lindsey tem com seu filho mais velho, Noah, a filha e agora uma porquinha. As fotografias da família são encantadoras, com um olhar sensível e uma aura lúdica, como se Libby e Pearl realmente vivessem num conto de fadas. Cheias de personalidade, as meninas da casa são inseparáveis e passam o dia brincando juntas. “Nós pesquisamos sobre mini porcos durante seis meses e eu ainda não tinha certeza sobre como me sentia até pegá-la. Agora estou apaixonada! Ela é uma das minhas partes favoritas do dia e eu mal posso esperar para vê-la se tornando mais parte da nossa família”, contou Lindsey.

Dá uma olhada nas fotos e tente não se apaixonar:

libbypearl

libbypearl17

libbypearl18

libbypearl16

libbypearl15

libbypearl14

libbypearl13

libbypearl12

libbypearl11

libbypearl10

libbypearl9

libbypearl8

libbypearl6

libbypearl5

libbypearl4

libbypearl3

libbypearl2