Pueblo Bonito, o povoado onde viveu uma sociedade pré-colombiana comandada por mulheres

Quantas vezes você já ouviu (ou pensou) em como seria um mundo em que as mulheres ocupassem o poder. Se atualmente nos encaminhamos cada vez mais rumo à igualdade de gênero em um mundo ainda comandado majoritariamente por homens, é sempre bom lembrar que em alguns lugares do mundo as sociedades matriarcais já foram a regra.

É o caso da sociedade pré-colombiana encontrada no Cânion Chaco, localizada no estado do Novo México, Estados Unidos. Por lá, o poder passou de mãe para filha por mais de 300 anos. No local que antes fora ocupado pela sociedade, pesquisadores da Universidade Estadual da Pensilvânia encontraram uma moradia com cerca de 650 “quartos” chamada de Pueblo Bonito. Era apenas uma das treze construções do gênero, a maior delas, onde provavelmente ficavam as mulheres que comendavam a região.

pueblo1

Foto © NPS/Tanya Ortega de Chamberlain/Foto destaque © John Fowler/Flickr

A sociedade viveu no local por volta do ano 1.000 antes da nossa era. Embora fossem bastante desenvolvidos em termos tecnológicos, eles não chegaram a desenvolver um método de escrita, o que era bastante comum entre povos que viveram neste período. Graças a isso, só recentemente foi possível chegar à conclusão de que se tratava de uma sociedade com organização matriarcal, através da análise de DNA dos líderes do povoado.

Mesmo assim, o povoado feminino tinha desenvolvido muitos avanços para a época. Para se adaptar ao clima do deserto, foram construídos reservatórios de água e sistemas de irrigação, além de conectar seus vilarejos através de uma espécie de estrada. Apesar disso, estima-se que o povo tenha sido derrotado justamente por causa de uma forte seca que teria assolado a região.

Fonte via

Mais de 20 anos vivendo em Londres resultaram nessa visão bucólica da cidade

O fotógrafo Matt Stuart sempre teve um fascínio pelas cenas que flagra pelas ruas da cidade, pois tudo o que observa são fragmentos capazes de se tornar histórias completas. Sua última série revela duas décadas nas ruas de Londres, antes de muitas justa posições que permitiram junções divertidas.

Cabeças de aves somadas a caçambas de lixo, pés humanos andando ao lado de pés de aves, bolhas de sabão servindo como um ‘monóculo’ muito bem posicionado, uma mesa de bar perfeitamente inserida no interior de um carro, uma folha que mais parece um sorriso… Tudo possui um toque muito particular do universo especial de Matt Stuart.

Confira:

matt-stuart-fubiz-4

Todas as fotos © Matt Stuart fonte

O casal que recebe perto de R$ 30 mil por cada foto que faz em suas viagens pelo mundo

Jack Morris e Lauren Bullen estão vivendo um sonho desde que se conheceram em Fiji, no ano passado. Eles não apenas passam seus dias documentando viagens com fotos de tirar o fôlego, mas recebem cerca de USD 9 mil (aproximadamente R$ 30 mil) por cada uma delas.

Jack tem hoje 2 milhões de seguidores no Instagram, e Lauren, perto de 1.2 milhões. O casal é patrocinado por companhias de turismo e marcas que bancam suas viagens ao redor do mundo e em sua morada, Bali. Jack recentemente dividiu em seu site oficial, DoYouTravel, algumas dicas que os ajudaram a se tornar um casal tão famoso no Instagram.

Ele conta que sempre fotografam no momento mais silencioso do dia, próximo a uma hora após o nascer do sol. E de forma nenhuma aceitam receber menos de USD 3 mil (cerca de R$ 9 mil) por um post.

Veja aqui o resultado:

F1

F5

F4

F3

F2

F6

F7

F8

F9

F10

F11

F12

F13

Todas as fotos © DoYouTravel fonte

O incrível museu das pedras fluorescentes

O Museu Sterling Hill Mining, em Nova Jersey, Estados Unidos, é conhecido por sua variedade de exposições imersivas e educacionais, mas é ainda mais conhecido por sua enorme coleção de minerais fluorescentes.

As exposições fluorescentes são exibidas ao longo das paredes do chamado túnel arco-íris que foi escavado em 1990. As paredes do túnel são revestidas com minerais raros que brilham um verde vermelho brilhantes sob luz ultravioleta.

O museu originalmente era uma das mais antigas minas de zinco do país, tendo sido inaugurada em 1739. Quando fechada em 1986, foi comprada por Richard e Robert Hauck e inaugurada como um museu em 1990.

A mina possui profundidade de 777 abaixo da superfície através de túneis que totalizam mais de 53 km de comprimento. Sterling Hill é o tesouro dos minérios e é igualmente famosa por seus minérios fluorescentes. Quase 90 diferentes espécies de minérios foram documentadas como fluorescentes.

Todos os minerais têm a capacidade de refletir a luz. Isso é o que os torna visíveis ao olho humano. Alguns minérios têm uma propriedade física interessante conhecida como “fluorescência”. Estes minerais têm a capacidade de absorver temporariamente uma pequena quantidade de luz e um instante mais tarde liberar uma pequena quantidade de luz de um comprimento de onda diferente. Esta mudança no comprimento de onda causa uma mudança temporária da cor do mineral no olho de um observador humano.

A mudança de cor de minerais fluorescentes é mais espetacular quando são iluminados na escuridão pela luz ultravioleta (que não é visível para os seres humanos) e liberam a luz visível.

De acordo com um artigo no site da Universidade de Washington em St. Louis, cerca de 15 por cento dos minerais são fluorescentes.

Confira algumas fotos deste incrível museu:

sterling-hill-mining-museum-16
noaamichael/instagram

sterling-hill-mining-museum-22
victoriatretno/instagram

sterling-hill-mining-museum-32
Jeff Glover/Smithsonian

sterling-hill-mining-museum-42
Jeff Glover/Smithsonian

sterling-hill-mining-museum-52
Jeff Glover/Smithsonian

sterling-hill-mining-museum-62
Fonte [Jeff Glover/Smithsonian  via ]

As incríveis lojas subterrâneas de Sofia, na Bulgária

Os vendedores ambulantes são uma visão comum em cidades em todo o mundo. A incapacidade de pagar aluguel elevado, ou a indisponibilidade de espaço comercial barato, empurraram esses pequenos comerciantes para as ruas e, em alguns casos, para o subsolo, como na capital da Bulgária, Sofia.

Conhecido como ‘lojas klek’, estas lojas de porão são únicas para a cidade de Sofia. As lojas ficam nos porões dos edifícios que contêm uma pequena janela que se abrem nas calçadas, geralmente abaixo do nível do joelho. É por isso que elas são conhecidas como “lojas klek” -Klek significa joelho.

Os produtos são exibidos no lado de fora na calçada, mas para pedir algo, os clientes precisam se agachar na janela e olhar para o rosto mal iluminado do comerciante dentro do porão.

Os donos dos Klek foram alguns dos primeiros empresários da Bulgária depois da queda do comunismo há mais de vinte anos. Quando o comunismo caiu e as propriedades privadas das produções tornaram-se legais, estas foram uma das primeiras pequenas empresas a aparecer. Os porões foram transformados em pequenas lojas, que ofereciam aos cidadãos que passavam bebidas, lanches, álcool e cigarros. Coloridas, com prateleiras cobertas de vidro ao redor da janela mostram o que a loja tem para oferecer.

Algumas lojas klek fazem reparos de calçados e outros tipos de serviços. Muitas lojas permanecem abertas até tarde ou funcionam 24 horas todos os dias da semana.
Infelizmente, as lojas klek estão lentamente desaparecendo com o tempo.

Confira algumas fotos:

klek-shops-bulgaria-12

klek-shops-bulgaria-26

klek-shops-bulgaria-32

klek-shops-bulgaria-46

klek-shops-bulgaria-56

klek-shops-bulgaria-66

klek-shops-bulgaria-72

klek-shops-bulgaria-82

klek-shops-bulgaria-92

klek-shops-bulgaria-102

klek-shops-bulgaria-112

klek-shops-bulgaria-122

Todas as fotos: sograph/Flickr  fonte

Veja quais os destinos mais populares entre quem faz sua primeira viagem internacional

A primeira viagem internacional a gente nunca esquece, certo? Tenho certeza de que a sua está na ponta da língua! Pensando em mapear os destinos mais procurados por quem embarca para fora do país pela primeira vez, o site Booking.com, fez uma pesquisa com 15 mil viajantes, que revela os dez países mais procurados para a primeira viagem no exterior. E ao contrário do que você pensou, a Disney dos EUA está longe de ser a primeira da lista. Nove dos dez países vencedores estão na Europa, com exceção de Sydney, na Austrália. Veja só:

1 – Paris, França

paris-1293747_1920

2 – Barcelona, Espanha

Barcelona

3 – Londres, Inglaterra

London

4 – Viena, Áustria

vienna-933500_640

5 – Málaga, Espanha

Malaga

6 – Veneza, Itália

italy-1747913_1920

7 – Roma, Itália

Colosseum_in_Rome,_Italy_-_April_2007 (1)

8 – Sydney, Austrália

640px-Sydney_Opera_house_HDR_Sydney_Australia

9 – Zurique, Suíça

1_zurich_

10 – Berlim, Alemanha

Berlin_night

Fotos: Pixabay, Flickr, Wikimedia Commons fonte

Essa brasileira nômade te ajuda a imortalizar viagens em vídeos

Muitas vezes, gravamos vídeos durante nossas viagens, que acabam perdidos em HDs ou pen drives  porquê  raramente sabemos o que fazer com eles.

VV

Pensando nisso, a viajante e editora de vídeos Julia Zettel, criou um serviço em seu site para mudar o destino dessas imagens. Você envia para ela os registros das suas andanças e com eles ela prepara um vídeo, que pode ser postado nas suas redes sociais ou ser assistido de vez em quando para recordar aqueles momentos. E como uma boa nômade digital, ela faz isso de qualquer canto do mundo, já que os arquivos podem ser enviados a partir da internet.

VVV

Julia produz vídeos não só com os arquivos das férias, mas com materiais brutos de família, como vídeos e fotos de natais, aniversários e outros eventos familiares. O orçamento pode ser feito através de seu site, Viaju, onde também é possível ver exemplos trabalhos feitos para outros viajantes.

Espia só o vídeo que ela fez do seu mochilão pela América do Sul, de ficar com água na boca!

Todas as fotos: fonte

Estas fotografias mostram como é o transporte público na maior cidade do mundo na horário de pico

Se você reclama do ônibus e metrô lotado aqui no Brasil, é porque ainda não viu como esse problema se repete na maior cidade do mundo em termos de população. Mas não se preocupe: o fotógrafo Michael Wolf promete levar você por essa experiência com uma série de fotos impressionante.

Michael é alemão e vive em Tóquio, onde registrou a superlotação no transporte público em horários de pico. Seu primeiro contato com o transporte na cidade foi em 1995. Desde então, ele vem registrando algumas situações desagradáveis recorrentes na vida de quem utiliza esses meios de locomoção pela cidade.

tokyo2

As fotografias fazem parte de uma série que ganhou o nome de “Tokyo Compression“. Nas imagens, o fotógrafo captura expressões de pessoas espremidas contra as janelas enquanto realizam seus deslocamentos diários.

É sufocante:

tokyo1

tokyo15

tokyo14

tokyo13

tokyo12

tokyo11

tokyo10

tokyo9

tokyo8

tokyo7

tokyo6

tokyo5

tokyo4

tokyo3

Todas as fotos © Michael Wolf fonte

Escolher a Dominica como destino pode ser uma boa ideia

Um mar de cor azul turquesa  banha a pequena ilha caribenha de Dominica. E dentro dela escondem-se nove vulcões, florestas, praias  paradisíacas de areia preta e imponentes montanhas, de onde avistam-se baleias.

Não a confunda com sua vizinha, a República dominicana. A Dominica é uma das menores e mais selvagens ilhas do Caribe, onde diversas cenas de ação do filme Piratas do Caribe foram gravadas. Conheça aqui algumas razões para visitá-la. 

Conhecer o Parque Nacional Trois Pitons

Declarado como Patrimônio Mundial, o parque é circundado por um vulcão de 1342 metros. Ele abriga lagoas de água doce, lagoas borbulhantes e cinco vulcões menores. Lá, não deixe de visitar a Piscina de Esmeralda (foto) para banhar-se nas águas de uma cachoeira imerso numa floresta tropical. E passe também pelo Vale da Desolação e pelo Lago Boiling. 

Trafalgar Falls

Aqui você se aventura em duas cachoeiras de cerca de 60 metros de altura, cujas águas correm por paredões de pedra e encontram fontes de águas sulforosas e termais. Se você gosta de aventuras, faça a trilha que leva até as piscinas termais, de dificuldade média.

Além de toda essa beleza natural, Dominica também tem um Carnaval daqueles, na mesma época em que a festança ocorre no Brasil. Na ocasião, seus habitantes vestem-se com roupas brilhantes, máscaras elaboradas e caem folia ao som do reggae. Nada mal, não?

Fotos: Flickr, Wiki Commons e Pixabay fonte

Ciclista brasileira de 58 anos deixa emprego em hospital pra descobrir o mundo de bike

A psicóloga Vera Lucia sempre amou viajar. E descobriu na sua magrela uma acompanhante inseparável para as suas aventuras, após a primeira cicloviagem por Santiago de Compostela. com 58 anos de idade, a brasileira abandonou o emprego em um hospital para prestar consultoria de viagem e desde então, explora ao menos dois lugares novos por ano montada na bike.

C10

Vera faz grande parte de suas jornadas sozinha. Têm o apoio dos três filhos e do marido para viajar desacompanhada. Sem saber falar inglês direito, se comunica por meio de mímicas. E assim, já foi longe: cruzou a Espanha, Áustria, Itália, França, Inglaterra, Suíça e Alemanha, além de inúmeros territórios brasileiros.

Confira as andanças de Vera em seu blog, Pedalar e Viajar, e algumas fotos de suas viagens aqui:

C1

C5

C4

C3

C2

C6

C7

Todas as fotos © Vera Lucia fonte