Grupo de pescadores salva raposa faminta ilhada em bloco de gelo

A equipe de pescas liderada por Alan Russell teve uma surpresa ao navegar pelas águas próximas a Labrador, no Canadá: a sete quilômetros da costa, eles perceberam algo se mexendo sobre um bloco de gelo no meio do mar.

Ao se aproximar, o grupo percebeu que se tratava de uma raposa-do-ártico, completamente ensopada e tremendo de frio. Os pescadores decidiram fazer o possível para resgata-la, mas o animal estava com medo e não deixava que eles se aproximassem.

A solução foi usar o barco para quebrar o iceberg e tirar a raposa da água usando uma rede de pesca. Já a bordo, colocado em uma caixa de plástico, o bichinho continuava recusando a ajuda dos humanos e não aceitava a comida que eles ofereciam.

Ao chegar ao porto, o grupo de Alan Russell comprou serragem e colocou na caixa da raposa, ajudando-a a se secar. E descobriram um alimento que ela aceitaria: salsichas do tipo Viena.

De acordo com Allan, que tem anos de experiência pescando na região, ele nunca havia visto um animal terrestre tão longe da costa. O canadense acredita que a raposa está procurando por comida quando foi surpreendida pelo gelo se quebrando, e acha que ela não sobreviveria por muito tempo se não fosse resgatada por seu grupo.

A equipe de pesca continuou cuidado da raposa por alguns dias, dando comida e observando como ela ficava mais forte e ativa. Foi quando decidiram leva-la a seu habitat e devolve-la para a natureza. Da última vez que a viram, ela estava correndo sem parar, feliz por estar em terra firme novamente.

Fotos via Allan Russell/fonte:via

Anúncios

Banksy começa série de grafites em Paris sobre crise dos refugiados

Através de sua conta no Instagram, o mais famoso e misterioso grafiteiro do mundo confirmou serem de sua autoria dois novos trabalhos que apareceram nas ruas de Paris. Banksy postou as imagens e, na legenda de outra imagem, ainda explicou em parte a razão de ter decidido por tomar as ruas da capital francesa: “50 anos dos levantes de 1968 em Paris. O local de nascença da arte do estêncil moderna”. Como de costume, os novos grafites de Banksy tocam sem dó e com força em algumas das mais profundas chagas sociais e políticas da cidade – em especial, na questão dos imigrantes e refugiados.

Um intenso apoiador da causa imigrante, Banksy em seus novos trabalhos aponta para os paradoxos e problemas da dura política de imigração francesa. No primeiro, uma criança negra cobre com um padrão de estampa uma suástica, tendo a seus pés um saco de dormir e um ursinho. Esse trabalho foi feito próximo a um abrigo para refugiados que foi recentemente fechado. No outro, o artista realiza um pastiche de um histórico quadro de Napoleão sobre um cavalo – mas com o imperador francês coberto por uma túnica vermelha.

Um terceiro trabalho também já foi confirmado, dialogando diretamente com o tributo à Maio de 1968 – mas sempre com o olhar crítico inclemente do artista. Debaixo de uma inscrição em que se lê “1968”, o seu tradicional rato veste um laço na cabeça como o da Minnie Mouse, e usa o “8” do ano deitado como as orelhas da ratinha da Disney. Outros trabalhos que surgiram recentemente em Paris ainda estão para serem confirmados.

© fotos: Instagram/reprodução/fonte:via