O consumo de abacates no Reino Unido está causando uma seca grave no Chile

O mundo se tornou obcecado por abacates. Eles estão simplesmente em toda a parte: no pãozinho, no café e até neste restaurante em Nova York em que tudo leva o fruto.

Abacate é mesmo considerado um ótimo alimento para saúde e, além disso, delicioso. Então qual o problema? Basicamente, está no fato de que ele precisa de condições climáticas bem específicas para crescer.

A planta natural do México e de países da América Central não se adapta bem a climas frios. Acontece que os britânicos também amam o fruto do abacateiro…

Segundo uma reportagem do The Guardian, o consumo de abacate no Reino Unido aumentou em 27% no último ano. Ao mesmo tempo em que os ingleses ganham em saúde comendo o alimento da moda, uma grave seca se manifesta no Chile. E as duas coisas podem estar interligadas.

A polêmica se concentra na província de Petorca, localizada na região de Valparaíso e considerada uma das maiores produtoras de abacate do mundo. Os moradores da área sugerem que foram instalados poços e tubulações ilegais para irrigar os abacateiros, que necessitam de muita água para crescer. Com isso, os níveis das águas subterrâneas caíram e os rios secaram, causando falta de água na região, ainda de acordo com o veículo.

Como o mundo é um só, para que um londrino coma sua torrada com abacate no café da manhã, um morador de Petorca é impactado pela falta de água potável.

Apenas em 2016, o Chile exportou mais de 17 mil toneladas de abacates para o Reino Unido, dos quais 67% cresceram em Valparaíso. No mesmo ano, o The Guardian já havia alertado sobre o aumento de roubos relacionados ao fruto na Nova Zelândia, desencadeado pela sua alta demanda no mercado.

Fotos: Unsplash /fonte:via

Anúncios

Conselho internacional elege Rio como primeira capital mundial da arquitetura

O Rio de Janeiro teve sua beleza reconhecida mais uma vez pela comunidade internacional. Desta vez a cidade maravilhosa foi eleita pelo Conselho da União Internacional dos Arquitetos (UIA) como a Capital Mundial da Arquitetura.

A escolha anunciada na cidade de Oxaca, no México, credencia a capital fluminense a sediar o 27º Congresso Mundial de Arquitetos, previsto para ser realizado em 2020. Para a oficialização do título inédito basta a designação formal por parte da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

De fato, além da beleza natural de monumentos como o Pão de Açúcar durante toda a história a cidade foi alvo da criatividade de arquitetos fundamentais para o Brasil. O destaque principal vai para Oscar Niemeyer, responsável pela criação de obras icônicas como o Museu de Arte Contemporânea de Niterói e o Edifício Capanema.

Não podemos esquecer do Parque Lage, criado pelo paisagista inglês John Tyndale e desde 1957 tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) pela representatividade cultural para a cidade do Rio de Janeiro. Com sua vista para o Cristo Redentor e os mais de 52 hectares, é símbolo da consolidação da beleza e arquitetura carioca.

Fotos: Wikipédia/fonte:via