As paralimpíadas vêm aí e o Brasil é uma potência

As Olimpíadas do Rio chegaram ao fim, e deixarão saudades nos amante dos Jogos, que desfrutaram das competições imersos no espírito olímpico. Se você já está na ressaca e na saudade das Olimpíadas, vale lembrar que em pouco mais de duas semanas começam os Jogos Paralímpicos de 2016, trazendo de volta a emoção das competições, somada às histórias de superação que são a essência da competição – além de um Brasil que disputa as cabeças da competição.

Sim, pois nos Jogos Paralímpicos de Londres, em 2012, o Brasil terminou em sétimo colocado no quadro de medalhas, com 21 de ouro, 14 de prata e 8 de bronze. Para os jogos do Rio, que acontecerão do dia 7 ao dia 18 de setembro, espera-se um resultado ainda melhor.

Delegacao2016 

O programa esportivo dos Jogos contará com 22 esportes: atletismo, basquete em cadeira de rodas, bocha, canoagem, ciclismo (em estrada e em pista), esgrima em cadeira de rodas, futebol de 5, futebol e 7, goalball (futebol com guizo), hipismo, judô, levantamento de peso, natação, remo, rugby em cadeira de rodas, tênis de mesa, tênis em cadeira de rodas, tiro, tiro com arco, triatlo, vela e vôlei sentado.

Rugby Rugby
A atleta Natalia Mayara, do Tênis 
 A atleta Natalia Mayara, do Tênis

Será a estreia da canoagem e do triatlo nos jogos paralímpicos, e a despedida do futebol de 7 e da vela, que não constarão como modalidades nos Jogos de Tóquio, em 2020, por não se enquadrarem nas regras atuais do Comitê Paralímpico Internacional – em seus lugares entrarão o badminton e o taekwondo. São esperados mais de 170 delegações representando os países membros do Comitê.

Geral1 

esgrima-cadeira-de-rodas-2 

A primeira edição dos Jogos aconteceu em 1960, em Roma, mas sua inspiração surge de uma bela história: após a segunda guerra mundial, o neurologista alemão Sir Ludwig Guttmann (que, por sua origem judia, havia sido expulso da Alemanha ao início do conflito) desenvolveu um bem sucedido sistema de reabilitação de soldados feridos em combate, juntando trabalho e esporte.

Sir Ludwig Guttmann 
 Sir Ludwig Guttmann

Com o êxito de seu método, o médico realizou, em 28 de julho de 1948, o primeiro evento esportivo para atletas com deficiência, na cidade de Stoke Mandeville, na Inglaterra – no mesmo dia e a apenas 56km de distância da abertura dos Jogos Olímpicos de Londres. Nessa versão embrionária e visionária dos Jogos, dois grupos de arqueiros somente participaram.

Stoke Mandeville Games2 

Os jogos de Stoke Mandeville, em 1948 
 Os jogos de Stoke Mandeville, em 1948

Guttmann seguiu em sua empreitada em utilizar o esporte como meio de libertação, tratamento e cura para pessoas com deficiência, e assim conseguiu realizar a primeira edição “oficial” dos jogos, em Roma, reunindo 400 atletas de 23 países em 1960.

Os jogos paralímpicos de Roma 
 Os jogos paralímpicos de Roma

Originalmente trazendo somente atletas em cadeiras de roda, em 1976, na cidade de Toronto, os Jogos pela primeira vez incluíram atletas com deficiência visual, amputados, pessoas com lesão na medula espinhal, entre outros, totalizando 1600 atletas de 40 países, e encontrando o modelo que permanece até hoje. Em 1989, após os jogos de Seul no ano anterior, o Comitê foi enfim criado, reunindo 167 países.

Basquete

Brasil

A participação brasileira nos Jogos Paralímpicos é motivo de orgulho, conquistando resultados bastante relevantes e trazendo diversos atletas na lista dos maiores medalhistas da história. A primeira participação do Brasil aconteceu em 1972, e no ano seguinte já conquistou sua primeira medalha. Curiosamente, essa medalha veio pelas mãos justamente do pioneiro do movimento paralímpico no Brasil, Robson Sampaio de Almeida, responsável por instaurar, em 1958, o esporte como meio de reabilitação no Brasil. Robson conquistou, ao lado de Luiz Carlos “Curtinho”, a medalha de prata no Lawn Bowls, espécie de bocha na grama.

Robson Sampaio de Almeida, o primeiro medalhista paralímpico do Brasil Robson Sampaio de Almeida, o primeiro medalhista paralímpico do Brasil

De lá pra cá a participação brasileira cresceu em tamanho e qualidade, e em 2008 o Brasil pela primeira vez terminou entre os dez primeiros colocados, ficando na 9a posição com 47 medalhas. Ao longo de suas dez participações nos Jogos, o Brasil já conquistou 235 medalhas, sendo 74 de ouro, 86 de prata e 75 de bronze. Os maiores medalhistas paralímpicos da história, como não poderia deixar de ser, são os Estados Unidos, com 1939 conquistas no total.

A delegação brasileira em Londres 
 A delegação brasileira em Londres

Para o Rio, a delegação brasileira virá em número recorde: 278 atletas tentarão transformar essa participação em um recorde também de medalhas. O objetivo é ficar entre os 5 melhores colocados, e pela primeira vez o país terá representantes em todas as modalidades, com 181 homens e 97 mulheres. Para isso, atletas de todas as regiões brasileiras virão aos jogos, com 128 do sudeste, 17 do norte, 53 do nordeste, 39 do centro-oeste e 41 do sul.

Logo 

E os maiores atletas paralímpicos da história do Brasil estarão no Rio para ampliarem ainda mais seus recordes – alguns pela última vez na competição.

Daniel Silva1 

Daniel Silva 
 Daniel Silva

Enquanto o recordista brasileiro de medalhas Daniel Silva – que em apenas duas edições dos jogos conquistou 10 ouros, 4 pratas e uma de bronze na natação, tendo vencido todas as seis provas que disputou em Londres – ainda tem muitas olimpíadas pela frente, o grande Clodoaldo Silva, que acumulou, nas quatro paralimpíadas que disputou, 13 medalhas, sendo 6 de ouro, dirá adeus aos jogos após o Rio.

Clodoaldo Silva Clodoaldo Silva
Daniel e Clodoaldo 
 Daniel e Clodoaldo

Mas são diversos os destaques que merecem toda nossa atenção no jogos. No atletismo feminino, Terezinha Guilhermina, que ficou com o ouro nos 200ms para deficientes visuais, pretende repetir seu feito no Rio.

Terezinha Guilhermina Terezinha Guilhermina

No Masculino, depois de conseguir o impossível em Londres, vencendo o lendário sul africano Oscar Pistorius nos 200ms rasos, Alan Fonteneles é uma forte aposta brasileira no atletismo.

Alan Fonteneles Alan Fonteneles

Se na natação Daniel Dias é herói, André Brasil não fica muito atrás: com 4 medalhas de ouro e 1 de prata, André possui três recordes mundiais e dois paralímpicos. Seu plano para o Rio é subir ao pódio em todas as modalidades em que se inscreveu.

André Brasil André Brasil

E não podemos esquecer de Lúcia Teixeira no Judô feminino, que perdeu a final em Londres para a atleta do Azerbaijão por Ippon, e pretende no Rio substituir a medalha de prata pelo lugar mais alto do pódio com uma dourada pendurada no pescoço.

Lucia Teixeira Lúcia Teixeira

Não só para matar as saudades das Olimpíadas que se encerraram ontem no Rio, os jogos paralímpicos são motivo de orgulho para o Brasil, trazendo a saúde, a inserção, a superação e a glória para aqueles que são chamados de deficientes, mas que revelam-se sempre super-heróis nacionais. Vale lembrar: os ingressos ainda estão à venda. Então é só correr, torcer e se emocionar!

© fotos: divulgação
Anúncios

Pitbull que teve as orelhas arrancadas em ato de crueldade mostra que perigosos não são os cães

A norte-americana Stephanie Doris nunca tinha pensado em ter um pitbull – na verdade, ela tinha todos aqueles preconceitos em relação ao comportamento supostamente violento da raça. Mas quando viu em um abrigo local que uma cadelinha estava precisando de um lar temporário, logo se compadeceu.

Nana, uma pitbull de 8 anos, estava em situação crítica quando chegou ao abrigo. Após dar à luz cerca de 15 ninhadas, ela estava mal nutrida, teve os dentes arrancados e, no lugar das orelhas, decepadas, restou apenas infecção e fungos. Com ajuda veterinária, sua saúde melhorou, mas ela ainda precisava de carinho e atenção, coisas que Stephanie tinha de sobra para oferecer a ela.

Hoje, em lar definitivo, Nana tem vida de rainha ao lado de sua dona, que a mima até não poder mais e compartilha fotos do seu dia a dia nas redes sociais. O objetivo? Além de trazer mais fofura à internet, as fotos de Nana querem provar de uma vez por todas que violenta não é a raça do cão, mas o homem, e incentivar a adoção de pets, em especial aqueles que têm algum tipo de deficiência.

Confira algumas fotos de Nana:

pitbull-nana

pitbull-nana2

pitbull-nana3

pitbull-nana4

pitbull-nana5

pitbull-nana6

pitbull-nana7

pitbull-nana8

pitbull-nana9

pitbull-nana10

Todas as fotos © Journey of Nana

Artista transforma imagens de pessoas no metrô em pinturas do século 16

Talvez você nunca tenha parado para pensar na esquisitice das pessoas que andam de metrô. Sempre há gente de todos os tipos, com os mais diversos estilos de roupas e uma infinidade de expressões faciais que você nunca imaginou que existiam. Agora, um fotógrafo mostrou como estes rostos podem ser parecidos com aqueles encontrados em pinturas do século 16.

A série de fotografias que faz essa brincadeira foi proposta pelo fotógrafo Matt Crabtree. Com seu celular, ele capturava imagens dos passageiros do metrô sem que eles percebessem. As imagens ganharam o nome de 16th Century Tube Passengers, (algo como “Passageiros do Metrô do Século 16“) e recebem apenas uma leve edição feita com o próprio smartphone de Matt.

Confere só o resultado:

metro1 

metro2 

metro3 

metro4 

metro5 

metro6 

metro7 

metro8 

metro9 

metro10 

Todas as fotos © Matt Crabtree

Casal constrói casa inspirada em contos de fadas e 100% orgânica

No coração das montanhas Fagaras, na Romênia, você encontra o Vale dos Contos de Fada. Este pode ser mais um dos perfeitos castelos eco-friendly romenos, que se encaixam em todo o charme e magia de histórias que encantam. Olha só!

O castelo é ideia de Razran e Gabriela Vasile, cantores profissionais, que se mudaram de sua casa na cidade de Bucareste para fazer de um sonho uma realidade. Eles passaram dois anos com o arquiteto Ileana Mavrodin que fez o projeto de um edifício feito de 100% de palha orgânica, argila, pilares de madeira e areia.

Hoje, o castelo de 10 quartos, apropriadamente chamado de Castelo de argila do Vale das Fadas, está totalmente construído, e agora está sendo decorado. Os Vasiles tem planos para fazer dele um hotel (cada quarto tem seu próprio fogo a lenha) e um restaurante orgânico.

Embora o castelo ainda não esteja disponível para os hóspedes, muitos turistas visitam a região e aproveitam para contemplar as magníficas vistas sobre as montanhas dos Cárpatos.

RomanianFairytaleCastle12

RomanianFairytaleCastle13

RomanianFairytaleCastle1

RomanianFairytaleCastle4

RomanianFairytaleCastle3

RomanianFairytaleCastle7

RomanianFairytaleCastle5

Todas as fotos © Castelul de Lut Valea Zanelor

Casal de vovôs ganha álbum cheio de fofura pra celebrar 63 anos de amor

https://fbcdn-sphotos-a-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xpa1/v/t1.0-9/13880364_1752971838312570_2333442232828137173_n.jpg?oh=d062771d589a036ed1c99e1f821d0db6&oe=5831F441&__gda__=1482546731_26b2a8c5bfc0beec91db3998ad802597

Não, não conseguimos parar. Por cada casal que se separa, por cada briga que nasce, um outro amor se levanta e fala mais alto. Nos últimos meses, temos mostrado exemplos de casais que souberam durar no tempo, companheiros de uma vida. Juvenal e Edna nos encantaram com a jovialidade e as cores de seu ensaio, Zeca Leal e Ivanira Milfont mostraram como os filhos podem multiplicar a paixão (eles tiveram 7, e agora 20 netos e 12 bisnetos) e Wang Deyi e Cao Yuehua usaram a nostalgia para lembrar que o amor pode ser eterno.

A história de hoje é de Wanda e Joe, um casal que é mais uma prova viva de que relacionamentos longos e felizes são possíveis. Eles se casaram em 1952 e continuam apaixonados como se estivessem naquele dia, já distante, em que seus caminhos se cruzaram pela primeira vez.

Para o aniversário de 63 anos de casados (sim, leu bem!), a neta Shalyn Nelson, que vive no Texas, EUA, decidiu oferecer para eles esse delicioso – e inspirador – ensaio fotográfico. As imagens fazem parte de um projeto da fotógrafa, chamado Love, The Nelsons, em que o objetivo é celebrar o amor duradouro.

Vem ver:

NelsonWanda1

NelsonWanda2

NelsonWanda3

NelsonWanda4

NelsonWanda5

NelsonWanda6

NelsonWanda7

NelsonWanda8

NelsonWanda9

NelsonWanda10

NelsonWanda11

NelsonWanda12

Todas as fotos © Shalyn Nelson

Fotógrafo cria série inspiradora para mudar a forma como olhamos para os estranhos

https://scontent-gru2-1.xx.fbcdn.net/v/t1.0-9/13782136_1752971714979249_2833820013140986966_n.jpg?oh=13dad09092a5b4966b847c27f741842c&oe=582D33A0

Sem nomes, profissões, religiões, piadas, lições de vida, histórias pregressas ou morais da história; nada além de um rosto humano, iluminando-se com um sorriso em uma foto. Essa é a premissa do trabalho So I Asked The To Smile (“Eu então pedi para eles sorrirem”), do fotógrafo australiano Jay Wenstein.

 Jay3

Jay vive na Índia desde criança, e a maior parte das fotos foi tirada justamente nas ruas do país. Tudo começou quando um estranho reagiu com desconforto à tentativa de Jay de registrar a espontaneidade de um instante súbito. Jay porém hesitou, e a espontaneidade se tornou tensão, e a foto se perdeu.

 Instantes depois, porém, o homem em questão pediu para ser fotografado. Jay se postou e, na hora em que disse “sorria!”, aquele rosto desconhecido se iluminou – e assim nasceu esse trabalho: documentar o efeito do sorriso no rosto de um estranho.

Jay1

O procedimento passou a ser um só: selecionar pessoas pelas ruas, e pedir a elas uma fotografia séria, e outra sorrindo. Assim, duas imagens ilustram perfeitamente como basta um sorriso para transformar a maneira com que olhamos um desconhecido.

Jay11

Jay10

Jay9

Jay12

Jay7

Jay8

Jay5

Jay6

Jay2

Jay4

Todas as fotos © Jay Wenstein

A incrível história de Bekoji, uma aldeia no meio da Etiópia que já formou 11 campeões olímpicos

https://i1.wp.com/www.hypeness.com.br/wp-content/uploads/2016/08/BekojiOlympics_interna.jpg

O que é preciso para formar um campeão olímpico? Determinação, muito treino e… uma dieta rica em cevada! Esse é o segredo do pequeno vilarejo de Bekoji, na Etiópia. Com apenas 17 mil habitantes, a cidade já acumula 11 medalhas de ouro em Olimpíadas, 26 campeonatos internacionais e 10 recordes mundiais.

Em Bekoji, a cevada não é consumida apenas na forma de cerveja, mas é um item da alimentação diária do povoado. Panquecas, pães, bolos e tudo o que você puder imaginar utiliza o grão para sua fabricação. Os atletas no vilarejo correm cerca de 48 km por dia para treinar e precisam de energia suficiente para chegar ao final de cada treinamento. É da cevada que eles retiram grande parte destes nutrientes necessários.

cevada4

Para celebrar as qualidades nutricionais do grão, a agência Crispin Porter + Bogusky Brasil criou uma campanha em vídeo para a ABInBev, que mostra mais sobre a vida dos atletas de Bekoji e sua alimentação. Em um documentário com menos de três minutos, nós somos levados a conhecer mais sobre a cultura do vilarejo.

O treinamento é duro e eles precisam de um combustível poderoso para continuar correndo. A cevada tem muitos nutrientes dos quais os corredores precisam”, diz Sentayehu Eshetu, treinador de diversos atletas campeões de Bekoji, no vídeo.

Dá o play:

No site da campanha também é possível conhecer mais sobre o vilarejo e ter acesso a algumas receitas feitas com cevada.

cevada3

cevada2

cevada1

Todas as imagens: Reprodução YouTube