As incríveis criaturas descobertas por cientistas em uma expedição a mais de 6 mil metros de profundidade

O fundo do mar é um lugar muito misterioso e o homem até tem muito por descobrir. Como ainda não conseguimos ter todos os meios para explorá-lo, é bem possível que existam milhares de espécies que cientistas ainda não tenham descoberto.

Mas a investigação nunca para e, recentemente, uma equipe de cientistas financiada pela Agência Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), organização dos EUA, fez uma expedição nas profundezas do mar de Porto Rico e Ilhas Virgens, conseguindo fotos lindas de animais que sequer estão nos livros de biologia.

É incrível que a gente nunca tenha lá estado antes, explorando as verdadeiras profundezas”, contou Andrea Quattrini, o cientista que liderou a expedição, em entrevista à Quartz. E deixou um dado importante: 95% dos oceanos continua por explorar.

gif1

Foram 6 mil metros de profundidade com imagens capturadas por um veículo operado remotamente e transmitindo informações a pesquisadores do mundo todo. Foram cerca de 10 mergulhos e mais de 100 espécies novas descobertas que mostraram o quão incrível pode ser a natureza.

gif2

gif3

gif4

mar3crop

mar4crop

mar5crop

mar6crop

mar7crop

mar8crop

mar9crop

mar10crop

mar11crop

mar12crop

mar13crop

mar14crop

mar15crop

mar16crop

mar17crop

marcrop

Todas as imagens © Divulgação/NOAA Okeanos Explorer Program

Anúncios

Vulcão Etna, da Itália, libera uma erupção curta, mas espetacular

Explosions from Mount Etna's Voragine crater light up night sky

O ano de 2015 foi tranquilo para o vulcão Etna. Até agora. Afinal, nunca é tarde para se acordar.Ao longo das últimas semanas, o vulcão começou a dar sinais de que queria liberar energia. A cratera Voragine ficou agitada, com baixo nível de atividade estromboliana.

 

Em seguida, na noite do dia 2 de dezembro, a cratera desencadeou uma fonte de lava que atingiu um quilômetro de altura, com uma pluma de cinzas que se ergueu três quilômetros acima.

vulcao etna italia erupcao2

Mesmo com toda a intensidade da erupção, o paroxismo acabou em apenas 50 minutos. Na manhã do dia 3, apenas uma fina pluma branca saía do Etna, embora uma nuvem cinza ainda fosse visível no leste sobre o mar.

A pluma foi observada e acompanhada por satélites meteorológicos, enquanto soprava para cima e depois derivava para o nordeste.Esta foi a primeira erupção significativa do Etna desde maio de 2015, quando a atividade vulcânica foi centrada na cratera Nova Sudeste. Apesar disso, Voragine vinha cuspindo lava ocasionalmente desde o início do ano. [Wired]

10 coisas que você não pode perder no melhor quintal da Vila Madalena

 

Muita festa, bebidas e diversão fazem parte do jeitinho irlandês de ser. Na ilha esmeralda, como também é conhecido o país, a badalação é lei e o estilo descontraído dos habitantes da região é capaz de contagiar qualquer um. É esse o clima que você vai encontrar na segunda edição do Jameson Backyard, espaço que vem agitando os finais de semana da Vila Madalena, em São Paulo.

O Backyard está chegando ao seu último final de semana, mas continua recheado de atrações para todos os gostos. Confira só 10 coisas imperdíveis para curtir por lá:

1. O pebolim mais humano que você já viu

A brincadeira inusitada vai tomar conta do espaço e promete divertir muita gente com uma versão em tamanho real do jogo pebolim, para você e seus amigos jogarem uma partida de futebol inesquecível!

Jameson1

2. Uma tarde ao ar livre recheada de músicas

A música é um dos pontos fortes por aqui: Emicida já arrasou e lotou o espaço nos finais de semana anteriores. Agora o lugar promete fechar com chave de ouro, com uma das festas mais badaladas da cidade, com os DJ’s Millos Kaiser e Augusto Olivani. E ainda vai rolar show das bandas Holder e Aldo The Band e o som dos DJ’s Nascii e Vitor Kurc.

Jameson2

3. Descubra porque Jameson é Whiskey e não Whisky

Se você nunca entendeu a diferença do whiskey irlandês para os outros, essa pode ser uma grande oportunidade. Diferentemente dos whiskies escoceses, o irlandês é destilado três vezes o que oferece um sabor muito mais suave e despretensioso e faz com que ele agrade todos os paladares.

Jameson3

4. Um pouco do espírito irlandês

Quem já foi à Irlanda sabe que é difícil não se apaixonar pelo jeitinho irlandês de viver. Festeiros como os brazucas, eles sabem muito bem como se divertir e o Jameson Backyard é capaz de passar esse espírito de uma maneira única.

5. Workshops para todos

Quem quiser aproveitar o final de semana para aprender algo inusitado não pode deixar de dar uma passadinha nos workshops que vão rolar no Backyard. Tem de tudo um pouco: dicas para cozinhar alimentos direto da horta, as bebidas inusitadas do Mohamed e também o preparo de drinks e até objetos de decoração usando Jameson. Imperdível!

Jameson4

6. Comidinhas deliciosas

O espaço conta com um farmer’s market, pensado para ser um dos destaques do evento, onde é possível encontrar ingredientes vindos de pequenos produtores selecionados pelos chefs Helena Pasqual e Pedro Roxo – é deles também a assinatura do cardápio do Jameson Backyard, recheado de opções orgânicas para deixar qualquer um com água na boca.

Jameson5

7. Drinques incríveis

Para matar a sede com estilo, você vai encontrar drinques para todos os gostos preparados especialmente para refrescar os dias de calor. E, é claro, todos levam uma boa dose de Jameson na receita.

Jameson6

8. Os melhores jogos de boteco ao ar livre

Para quem quer curtir o espaço com os amigos, um dos pontos fortes é a opção de diversos jogos de bar, incluindo sinuca, ping pong e mesas de pebolim. Dá até para fazer aquela aposta clássica: quem perder paga a conta.

Jameson7

9. Drinque especial na faixa

Tem promoção imperdível por lá: quem postar uma foto no Instagram com a hashtag #byjameson vai ganhar um drinque especial envelhecido no barril da marca. A receita, chamada de Irish Manhattan, leva Jameson, vermute rosso e licor maraschino.

Jameson8

10. Tudo pra você se divertir

Sim, o espaço, localizado na Rua Girassol, 283, na Vila Madalena, oferece tudo isso gratuitamente a qualquer pessoa maior de 18 anos – e pode levar seu melhor amigo juntinho com você, já que o espaço também é dog friendly. As atividades funcionam das 14h às 22h e este final de semana será a última oportunidade para aproveitar o Jameson Backyard.

Jameson9

Vai perder?

Jameson

 

 Série de fotos junta personagens de Star Wars com animais de abrigo para incentivar adoção

O fotógrafo Rohit Saxena trabalha como voluntário para a Ottawa Humane Society, ONG canadense que luta para dar chances a animais de rua. Aproveitando um dos temas do momento, no Canadá e no mundo, Saxena e a organização se uniram para criar um ensaio que de negro tem apenas o fundo.

Não é a primeira vez que um ensaio desses é feito, mas este tem a particularidade de reunir os animais com os personagens do mais recente capítulo da saga Star Wars. Ottawa Humane Society Atende Star Wars: The Furs Awakens é o nome do ensaio, que faz um trocadilho com o nome do capítulo, substituindo “The Force Awakens” (em português, “O Despertar da Força”) por “The Furs Awakens” (em português, “O Despertar do Pelo”).

Dá uma olhada no resultado:
StarDogs1 

StarDogs2 

StarDogs3 

StarDogs4 

StarDogs5 

StarDogs6 

StarDogs7 

StarDogs8 

StarDogs9 

StarDogs10 

StarDogs12 

StarDogs13 

StarDogs14 

StarDogs15 

StarDogs16 

StarDogs18 

StarDogs19 

StarDogs20
Todas as fotos © Rohit Saxena

Fotógrafo capta histórias de casais homossexuais em países onde ser gay é crime

 
A militância LGBT tem conquistado a cada dia direitos que lhe foram negados no decorrer da História. O direito de SER ainda é um grande desafio para muitos em diversos lugares do mundo, onde há quem tente combater o amor com o ódio.

O fotógrafo e ativista neozelandês Robin Hammond visitou e Nigéria em meados de 2014 numa missão para fotografar questões de direitos humanos, quando ele soube que cinco homens gays do norte do país foram presos e açoitados num tribunal. Diante de um futuro ameaçador, eles toparam conversar e ser fotografados por Robin. Essa ocasião o inspirou a criar um projeto com depoimentos e retratos de pessoas que vivem em países onde ser gay é crime, podendo resultar até na morte.

Depois de investir na ideia, intitulada Where Love Is Illegal (“Onde o Amor É Ilegal”, em português), Robin passou a viajar pelo mundo para conhecer os mundos dessas pessoas. Ele já passou por vários países africanos, Rússia, Líbano e Malásia captando histórias de discriminação, intolerância, sobrevivência e, ainda assim, amor.

Conheça abaixo algumas dessas histórias:

gay1

Naze Flavier nasceu em Burundi  e fugiu para a África do Sul na esperança de encontrar aceitação como uma mulher transexual, mas ela acabou sem-teto e uma vítima de estupro

gay2

Boniwe, da África do Sul, apresenta o retrato de sua filha Nontsikelel, que foi estuprada e espancada antes de ser estrangulada até a morte

gay3

Kamarah, de Uganda, que foi amarrado e torturado por policiais: “Eu não consigo esquecer quando eu fui estuprado na cela por prisioneiros”

gay4

“J” e “Q”,de Unganda, são casadas num país onde sua união não é reconhecida

gay5

“O” e “D”, de São Petesburgo, Rússia. Elas foram agredidas após um show de jazz por terem dado as mãos

gay6

Olwetu e Ntombozuko, da África do Sul. Em 2010, Ntombozuko foi esfaqueada no estômago por quatro homens que a roubaram: “Até hoje eu não me sinto segura em andar na rua”

gay7

Mitch Yusmar  com o seu parceira Lalita Abdulla, da Malásia. Mitch é transexual, pai de 2 filhos adotivos e sua união com Lalita não é legalmente reconhecida

gay8

Rihana e Kim, de Uganda. O casal foi despejado de onde morava, espancado pelos vizinhos e preso sob a acusação de homossexualidade

gay9

Naomi e Dolores, de Camarões. As transexuais foram presas e espancadas diariamente pela polícia

gay10

Darya, da Rússia. Em 2011 foi espancada com um bastão de baseball e esfaqueada por um grupo de homens mascarados enquanto estava a caminho de casa

Não deixe de acessar a página do projeto para saber mais.

Todas as fotos © Robin Hammond

Artista usa madeira para criar esculturas coloridas e hipnotizantes que brincam com a sua mente

 
Sean Newport, artista norte-americano baseado em São Francisco, Califórnia (EUA), é conhecido por suas esculturas que criam uma estética digital através de processos analógicos.

Para conseguir este efeito, Sean trabalha com madeiras em formas tridimensionais e as organiza em padrões, sempre abusando muito das cores. O resultado deste processo são fascinantes e coloridas esculturas em formato de desenhos geométricos.

Um dos principais objetivos do artista, que começou na marcenaria, é manipular a cor e a luz de uma forma que consiga enganar a realidade. Cada forma é individual e cria uma percepção única dentro de si. Quando multiplicadas, lançam sombras de um lado e iluminam de outro. Ou seja, qualquer mudança de luz ou perspectiva faz com que você veja a obra de um jeito diferente.

10 

12 

13 

9

Sean, que acabou de expor na famosa Scope (uma das maiores feiras de arte do mundo, que aconteceu durante a Miami Art Week), conta ainda que é “fascinado pela percepção de como a nossa consciência se comporta quando confrontada com a ilusão ótica, e de que gosta de explorar como nosso cérebro reage a ela. Com isso, seu trabalho nos permite testarmos as noções de realidade que estão consolidadas dentro de nós.

2 

3 

6 

7 

4
Sean Newport na Scope Miami 2015.
5
Fotos: Eugene Kim, Shaun Robert e Divulgação.

Conheça os 12 estúdios musicais mais emblemáticos do mundo

 
Quem tem banda sabe o sufoco e dedicação que um projeto musical exige. E muitas delas sonham em gravar suas músicas para que virem sucesso e cheguem ao maior número de pessoas possível. Antes de sonhar, que tal conhecer os 12 estúdios de gravação mais lendários do mundo?

Em setembro de 2015, o projeto Converse Rubber Tracks abriu as portas destes 12 estúdios listados abaixo para 84 artistas, bandas e músicos emergentes. O grupo seleto teve a chance de gravar com produtores e engenheiros de som mundialmente renomados. Já imagina a loucura que foi isso, não é?

O pessoal teve acesso à tecnologia de ponta, que foi utilizada por bandas e artistas que fizeram história na música, nos mais diversos gêneros. A Converse Rubber Tracks tem ainda algumas unidades espalhadas pelo mundo, incluindo São Paulo, que faz gravações gratuitas, cedendo todos os direitos sobre as canções para os artistas.

Não é demais? Dá uma olhada nos lugares por onde a galera passou neste ano:

1. Companhia de Gravação Avast! – Seattle

Todo mundo que curte grunge sabe que Seattle é o berço deste gênero musical, propagado com bandas como Nirvana e Soundgarden. Neste estúdio, ainda foram gravados os mais influentes projetos como o Riot Grrrl, Bikini Kill e muitas estrelas em ascensão do Indie Rock. O equipamento queridinho do estúdio é uma histórica mesa analógica de 36 canais Trident A-Range de 1975, que tem menos de vinte unidades fabricadas no mundo.

ConverseSeatle

2. Sunset Sound – Los Angeles

No Sunset Boulevard de Hollywood, este estúdio foi criado de maneira curiosa. Em 1958, Tutti Camarata ocupava o cargo de Diretor de Gravação da Disney, e precisava de um lugar para gravar as trilhas de seus filmes, como ‘Mary Poppins’ e ‘101 Dálmatas’. A partir daí, ganhou fama e novos adeptos da música, que hoje completam a lista de álbuns icônicos, discos de ouro e platina do estúdio. Elton John, Led Zeppelin, Prince, Beach Boys e Rolling Stones são alguns dos artistas que deixaram sua marca histórica no local.

ConverseLosAngeles

3. Studios 301 – Sydney

Fundado em 1926, se consagra como o estúdio de gravação mais duradouro do hemisfério sul. De início focado em músicas clássicas e cerimoniais, ampliou sua oferta de gêneros a partir de 1978 e não parou mais, lançando álbuns de bandas como INXS, Duran Duran, Elton John, Silverchair, Lady Gaga e Bruce Springsteen. Neste ano, foi adquirido pelo Abbey Road Institute.

ConverseSydney

4. Abbey Road Studios – Londres

No Abbey Road Studios foram lançados alguns dos álbuns de pop e rock mais influentes do último século, incluindo de bandas como The Beatles, Pink Floyd e Oasis. Com equipamentos de ponta, o Estúdio Dois tem um item invejável: uma mesa de som de 60 canais AMS Neven 88RS, que oferece inúmeras possibilidades aos músicos, além de uma coleção de equipamentos vintage. A fama é tanta que várias bandas brasileiras foram pra lá gravar.

ConverseLondon

5. Tuff Gong – Kingston

Criada por ninguém mais, ninguém menos do que Bob Marley, a gravadora surgiu em 1970 em parceria com membros de sua banda, The Wailers. Dizem que o nome seria um apelido de infância do cantor de reggae e atualmente o local também abriga um museu em sua homenagem. Este é um dos maiores estúdios de gravação do Caribe, que gravou álbuns dos filhos de Bob, Stephen e Ziggy Marley, além de ser uma estação de rádio no icônico jogo Grand Theft Auto (GTA) IV, tocando clássicos do gênero musical.

ConverseKingston

6. Hansa Tonstudio – Berlim

O bairro de Kreuzberg pulsa de novas ideias e suas ruas são lotadas por artistas, punks, boêmios e LGBTs. Não à toa o Hansa Tonstudio fica por lá desde 1974, lançando álbuns icônicos de New Wave e Pop Punk entre os anos 70 e 80, incluindo ainda o rock alternativo. Com destaque para sua sonoridade obscura e áspera, recebeu bandas e artistas como David Bowie, Iggy Pop, U2, Depeche Mode, Snow Patrol e Nick Cave and the Bad Seeds.

ConverseBerlim

7. Converse Rubber Tracks – Nova York

Desde 2011, o descolado bairro de Williamsburg, no Brooklyn, propaga músicos dos mais diferentes gêneros musicais, que soltam a criatividade no Converse Rubber Tracks. O estúdio se destaca por oferecer itens não convencionais, como um amplificador Kemper Profiling e um órgão clássico Wurlitzer, além de outros vários equipamentos de ponta.

ConverseNY

8. Stankonia – Atlanta

O Stankonia já teve assumiu muitas identidades ao longo do tempo, como Soundscape e Bosstown, casa dos melhores álbuns de R&B dos anos 90. Ganhou o nome atual após os anos 1990 e se consolidou após o álbum homônimo da dupla OutKast, que gravou alguns dos seus grandes hits por lá e assumiu a direção do lugar. Assim segue até hoje acolhendo e revelando artistas de hip hop, funk e R&B.

ConverseAtlanta

9. The Warehouse Studio – Vancouver

Muitas bandas de rock alternativo gravaram neste belo edifício de 1886, que já sediou um presídio e até um necrotério. Em 1977 o estúdio tomou conta e passou a revelar talentos como Avril Lavigne. Bandas de rock como AC/DC, Metallica, R.E.M, Good Charlotte, Muse, Simple Plan, Three Days Grace e Slayer também soltaram a voz em suas instalações.

ConverseCanada

10. Greenhouse Studios – Reykjavík

A capital da Islândia tem o estúdio perfeito para quem quer inovar no folk, neoclássico e música ambiente. Entre os artistas que já gravaram no local estão Björk, Feist, CocoRosie, Ben Frost e Sigur Rós, grandes nomes da música, além de trilhas sonoras para filmes de Lars Von Trier e Spike Jonze. Todos contam com a ajuda do dono, Valgeir Sigurðsson, músico, produtor, compositor e engenheiro de som.

ConverseIslandia

11. Toca do Bandido – Rio de Janeiro

No meio da mata carioca e em formato de cabana rústica está o estúdio Toca do Bandido, que já recebeu várias nomeações e prêmios Grammy. Com discos de ouro e platina na coleção, o estúdio gravou músicas de artistas como Maria Rita, Adriana Calcanhotto, O Rappa e Érika Martins. A variedade de guitarras chama a atenção de qualquer apaixonado por música, incluindo modelos Fender, Gibson, Rickenbaker, Gretsch e Danelectro.

ConverseRJ

12. Converse Rubber Tracks – Boston

O caçula dessa turma abriu suas portas em julho de 2015 e já promete grandes sucessos com o melhor em termos de tecnologia. Sendo o primeiro estúdio deste tipo a chegar na cidade, vai oferece gravações gratuitas e profissionais à comunidade musical, como já acontece com todos as unidades do projeto Rubber Tracks. Até um piano de cauda Rhodes está disponível entre os vários equipamentos de qualidade do espaço.

ConverseBoston

Todas as fotos: Converse Rubber Tracks