O CRÂNIO ALONGADO DO POVO MANGBETU

O Povo Mangbetu vive em uma floresta da Savana, localizada na província Oriental, região nordeste da República Democrática do Congo. Esse povo vive da agricultura, juntamente com  criação de pequenos animais, caça, pesca e coleta. As culturas de rendimento têm incluído o óleo de palma, café, amendoim, arroz, banana e milho.Esse povo é conhecido pela peculiaridade do alongamento do crânio, técnica denominada de “lipombo”. 
O lipombo foi uma técnica utilizada nas sociedades Maia e de Kemet (Antigo Egito), inclusive pela Rainha Nefertiti e o Faraó Tutancâmon. As cabeças dos bebês eram envoltas com um pano, a fim de dar-lhes esta aparência aerodinâmica. Com a presença do cristianismo e a ocidentalização essa prática foi fortemente abalada a partir dos anos de 1950.

Em Janeiro e Março 1967 edições da revista francesa La mode L’Officiel publicou uma série de fotografias inspiradoras com as manchetes “Inspirado pela arte Africano” (l’Art Nègre) e “Magia Negra”, junto com o texto:

“África, este velho continente onde mitos ancestrais se refugiam à sombra das árvores baobá, nas margens de grandes rios, pantanosas, tem inspirado quase todos os nossos grandes criadores…”

Então, de quem a revista falava? Nada mais do que as pessoas Mangbetu  de Congo.

O Mangbetu refere-se a um grupo de pessoas linguísticas e culturalmente ligados situados nordeste da República Democrática do Congo (RDC). Os seus subgrupos principais são a Mangbetu, Meegye, Makere, Malele, Popoi e Abelu. A sua terra ancestral está situada na floresta do Congo, e que praticam a agricultura, criação de pequenos animais, caça, pesca e colecta, produção de culturas de rendimento como o óleo de palma, café, amendoim, arroz, banana e milho.

https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/564x/c2/aa/9e/c2aa9e1547b0c022350b696e41910c89.jpg

Até muito recentemente, o Mangbetu eram parte de um pequeno número de povos congoleses que praticavam as compensações de morte. Sempre que alguém morria eles consideravam que era responsabilidade do grupo da família de seu pai. Isso significava que o grupo do pai tinha que compensar o grupo da mãe, independentemente das circunstâncias da morte. Seu sistema de crença tradicional inclui uma rede complexa de ideias sobre bruxaria e feitiçaria. HISTÓRIA

https://farm4.staticflickr.com/3823/9853443933_1dcfe4ab96_b.jpg

No início do século XIX, o Mangbetu eram apenas um dos muitos pequenos grupos de pessoas que se instalaram no extremo norte da floresta do Congo. Naquela época, o líder Mangbetu, Nabiembali, reuniu um séquito de guerreiros e mudou-se para o norte através do rio Bomokandi para subjugar grupos de Mangbele e Mabisanga.

https://i2.wp.com/sirismm.si.edu/eepa/eep/eepa_02902.jpg
Não muito tempo depois, ele continuou a expansão Mangbetu conquistando outros povos da região, entre eles grupos de Madi, Bangba, Mayogo, Mayvu, Makango e Barambo. A grande importância das conquistas de Nabiembali foi que ele incorporou povos de língua não Kere ao seu reino. Suas conquistas foram a primeira vez que o poder tinha sido exercido em uma base territorial.

O Mangbetu são basicamente patrilinear. Ao mesmo tempo, os tios maternos de um homem são muito importantes. Antigamente era uma prática comum um sobrinho forte se tornar o governante de sua família materna. O filho do sobrinho, em seguida, tornava-se herdeiro do poder de seu pai. Ligado a essas práticas foi a tradição de dar às mulheres a grupos independentes ou realizar troca de mulheres. Esta prática foi aceite em toda a região como uma forma de pacificação ou aliança, mas Nabiembali-e o Mangbetu que o seguiam transformou este costume em uma instituição de controlo sobre os vários grupos étnicos. Uma das principais vantagens desta prática foi a de que ele poderia dar um clã fraco um líder forte, através de laços maternos do clã; no entanto, Nabiembali usou a prática em sentido inverso.

https://i1.wp.com/sirismm.si.edu/eepa/eep/eepa_02984.jpg

Ele desenvolveu uma estratégia de se casar com muitas mulheres, não só para aumentar a produtividade, exibir sua riqueza, e ter muitos filhos, mas também para legitimar as suas conquistas e estender seu controle. Sua política funcionou na medida em que alguns de seus filhos foram aceitos como governantes entre os povos de suas mães. No entanto, porque seus filhos procuravam estender seu próprio poder e da influência de seus clãs maternos (sobre as quais eles governavam), e porque eles desafiaram a autoridade de seu pai, tanto o poder centralizado e da extensão da regra Mangbetu acabaram sendo enfraquecidas.

https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/68/15/4c/68154c10811ec24da8b34147aa09b568.jpg

O fundamento da liderança Mangbetu foi relacionado a dois conceitos, nataate e nakira. “Nataate”, traduzido livremente, se refere a uma de capacidade para o fazer, ou habilidades sociais de um. “Nakira” refere-se à inteligência ou habilidades técnicas e mentais de uma. Nataate é o poder dinâmico que existe dentro de uma pessoa e faz com que ele seja respeitados pelos outros. Nakira é a capacidade que se tem em quase todos os actos, mas particularmente na dança, canto, e falar em público.

https://i0.wp.com/36.media.tumblr.com/796d625124459cd6b462308850495a18/tumblr_ns7mzt3hQi1rnaggyo1_1280.jpg

O critério para a sucessão Mangbetu foi uma combinação de ligações hereditárias e habilidade. Nataate Superior e nakira foram seriamente considerada na escolha de um sucessor para o governante; portanto, um filho primogênito incompetente pode ser rejeitado em favor de um irmão mais novo mais competente. Na prática, muitos problemas de sucessão aconteceram devido a essa fórmula imprecisa para a transferência de poder.

https://i2.wp.com/sirismm.si.edu/eepa/eep/eepa_03003.jpg

O Mangbetu atingiu um nível muito elevado de desenvolvimento tecnológico e de material, como indicado por relatos anteriores de exploradores europeus. Por exemplo, Georg Schweinfurth, o primeiro europeu a chegar à área, visitou Mbunza, o governante Mangbetu, em 1870, e descreveu milhares de indivíduos na corte de Mbunza, bem como centenas de nobres e cortesãos.

Dentro da capital, houve muitos grandes edifícios; cabanas menores cheios de peles de animais, chapéus de penas e colares; e um arsenal de lanças de ferro, pilhas de facas, e centenas de lanças de cobre polido. Casa de Mbunza incluído músicos, eunucos, bobos da corte, cantores de baladas, dançarinos e guarda-costas. Ao redor da capital existia grandes campos e pomares de dendê e outras árvores cultivadas (Schweinfurth 1874).

https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/bc/27/0c/bc270c27a8888584b74856968dc2d617.jpg

Grande parte do material cultura Mangbetu provavelmente foi emprestado de povos conquistados, mas o Mangbetu incentivou o desenvolvimento de todas as artes dos povos sob seu controle.

O ALONGAMENTO CRANIANO

‘Lipombo’, o costume de alongamento crânio, que era um símbolo de status entre as classes dirigentes Mangbetu no início do século e mais tarde foi imitado por grupos vizinhos, evoluiu para um ideal comum de beleza entre os povos do Congo nordestino. De acordo com Schildkrout e Keim, a tradição sobreviveu até meados deste século, quando foi proibido pelo governo belga.

https://i1.wp.com/sirismm.si.edu/eepa/eep/eepa_05660.jpg

O Mangbetu tinha uma aparência distinta e isso foi em parte devido a suas cabeças alongadas. Ao nascer, os chefes de bebês ‘estavam fortemente envolvido com o pano, a fim de dar suas cabeças o aspecto aerodinâmico. A prática começou a morrer na década de 1950 com a chegada de mais europeus e ocidentalização. Devido a este aspecto distinto, é fácil reconhecer figuras Mangbetu na arte Arte Africana.

PENTEADOS MANGBETU

Em 1870, o botânico alemão Georg Schweinfurth foi o primeiro europeu a chegar ao Mangbetu, que vivem no nordeste da República Democrática do Congo. Sua livro de exploração descreve-os como aristocrático e elegante. Seus cortes reais, sua prática de acentuar o alongamento de suas cabeças com penteados complicados, suas danças da corte, arquitectura real e suas artes atraíram fotógrafos ocidentais e cineastas, na primeira metade do século 20.

https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b7/COLLECTIE_TROPENMUSEUM_Mangbetu_vrouw_met_baby_met_gedeformeerd_achterhoofd_TMnr_60033952.jpg

As imagens das mulheres Mangbetu com o penteado clássico tornaram-se emblemáticos e circularam em muitos meios de comunicação, no Ocidente, que vão desde cartões postais, cartões comerciais e selos postais de esculturas, jóias, livro e ornamentos de capô de carros.

https://i0.wp.com/sirismm.si.edu/eepa/eep/eepa_03029.jpg

Todos em Mangbetu foram e continuam a ser, um povo bonito e estas imagens de sua herança impressionante são uma lembrança pungente de rica história, a criatividade e a magnificência de África.
Para que não esqueçamos!

Anúncios

O mercado mais antigo do mundo fica na Turquia e continua sendo dos mais visitados

Não há dúvidas de que a Turquia é um dos lugares mais fascinantes do planeta. Mais tem uma atração que se mantém como uma das mais visitadas do país e do planeta: o Grand Bazaar, em Istambul, que é simplesmente o mercado mais antigo do mundo.

Com um passado rico, o espaço de mais de 3 mil lojas cobre um total de 61 ruas em sua extensão, ou seja, lá dentro tem um verdadeiro mundo aparte. Mesmo que os shoppings center novos e modernos tenham chegado a cidade com o passar dos anos, o mercadão não perdeu seu glamour e fama, reunindo tudo o que mais tradicional e cultural na capital turca.

Estabelecido pelo Sultão Mehmet II em 1455, serviu inicialmente como ponto de troca de itens têxteis. Já em meados do século 17, começou a tomar a forma que tem até hoje, consolidando-se no século 19 por sua variedade e qualidade de itens a venda. Atualmente emprega mais de 26 mil pessoas e foi considerado a atração turística mais visitada do mundo em 2014, reunindo 91 milhões de turistas ao longo do ano.  

Comerciantes passam o dia ali negociando joias, sapatos, luminárias, temperos, tapetes, cerâmicas, mobília, livros, entre outras coisas que, no geral, não possuem preços fixos, o que torna as compras ainda melhores, com base na pechincha.

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/Bazzar_Luciano_Mortula.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/bazaar_Luciano_Mortula2.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/bazaar_Luciano_Mortula3.jpg

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/bazaar_Luciano_Mortula4.jpg

Fotos © Luciano Mortula

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/grand-bazaar-istanbul-82.jpg

Foto © Robbie/Flickr

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/Bazzar_Fedor_Selivanov.jpg

Foto © Fedor Selivanov

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/bazaar_Yulia_Grigoryeva.jpg

Foto ©  Yulia Grigoryeva

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/Bazaar_.jpg

Foto © CamelKW

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/Bazaar_Alexander_Tolstykh.jpg

Foto ©  Alexander Tolstykh

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/bazaar_saiko3p.jpg

Foto ©  saiko3p

https://i0.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/bazaar_edella.jpg

Foto © edella

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/Bazaar_mffoto.jpg

Foto © mffoto

https://i2.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/bazaar_Faraways.jpg

Foto © Faraways

https://i1.wp.com/nomadesdigitais.com/wp-content/uploads/2016/01/bazaar_Mikael_Damkier.jpg

Foto © Mikael Damkier

Veja as 12 melhores fotografias sem Photoshop de 2015

Está cada vez mais difícil encontrar imagens que não sejam minimamente retocadas, na sociedade em que vivemos. Da publicidade à arte, o uso do Photoshop vai desde os retoques (quase desumanos, vamos combinar) de modelos em capas de revistas até a criação de ambientes especiais e imaginários.

O uso dessas ferramentas de edição nos deu a oportunidade de criarmos o que quisermos, mas muitas vezes esquecemos de ver as coisas como elas são. Por isso o site The Inspiration fez uma curadoria com as fotografias reais (isso mesmo, sem nenhum retoque digital) do ano.

São fotografias que nos tiram o fôlego quando paramos para pensar que aquilo é apenas o registro da realidade, sem nenhuma edição. É uma seleção impactante e vale a pena dar uma conferida:

1

Foto © Ilya Pitalev

2

Foto © Stef Nisson

3

Foto © Bernhard Lang

4

Foto © Bernhard Lang

5

Foto © Nick Lefebvre

6

Foto © AirPano

 7

Foto © Stefano Landenna

8

Foto © Jan Bainar

 9

Foto © Robert Radomski

 10

Foto © JR Artist

11

Foto © Ales Komovec

12

Foto © Corey Arnold

Como uma raposa de pelúcia está ajudando a realizar o sonho de um doente terminal através do Instagram

Se você ainda acha que bichinhos de pelúcia são coisas de criança, pode começar a mudar de ideia agora mesmo, ao conhecer The Traveling Mr. Fox, uma raposa de pelúcia que está ajudando a mudar o destino de um paciente com câncer terminal.

O brinquedo foi um presente de Gary Moore para a pequena Jessica Johnson por seu aniversário de três anos. Desde então, ela e a raposa de pelúcia se tornaram inseparáveis. Apesar disso, foi só em 2006 que Jessica passou a viajar com Mr. Fox, enquanto compartilhava as fotos destas viagens através da conta The Traveling Mr. Fox no Instagram, sendo acompanhada de perto por mais de 5 mil seguidores.

mrfox

Tudo estava indo perfeitamente bem, quando Gary, alguns anos mais velho, foi diagnosticado com um câncer terminal e precisou lidar com uma rotina incansável de quimioterapias. O médico de Gary explicou que umas férias lhe fariam bem – e é aí que o Mr. Fox entra novamente.

Jessica e a raposa de pelúcia aproveitaram a repercussão das fotos no Instagram para criar uma campanha de crowdfunding capaz de levar Gary e sua esposa em uma viagem dos sonhos e permitir que ele aproveitasse ao máximo a vida. Uma forma encantadora de recompensar o amigo que havia lhe oferecido a raposa de pelúcia alguns anos antes.

MrFox_1

Até agora, mais de U$ 4,7 mil (cerca de R$ 14 mil) foram arrecadados e você pode contribuir com doações a partir de U$ 5 através da página do projeto.

mrfox1

mrfox2

mrfox3

mrfox4

mrfox5

mrfox6

mrfox7

mrfox8

mrfox9

mrfox10

mrfox11

mrfox12

mrfox13

mrfox14

mrfox15

mrfox16

mrfox17

mrfox18

Todas as fotos © Jessica Johnson

Acompanhe as aventuras do Mr. Fox através de site ou pelo Instagram.

Depois de rodar todo o planeta, fotógrafo alemão acha as pessoas mais felizes do mundo: os nômades africanos

Mario Gerth é um foto-documentarista alemão cuja a profissão já o levou para os cinco continentes, mais de 80 países e cerca de 40 mil km rodados de bicicleta. Mas uma dessas viagens o marcou. E Mario passou dois anos imerso em uma das comunidades africanas mais remotas e mais diferentes do Ocidente. E o resultado é uma obra de arte!

Em seu trabalho, intitulado como “nômades africanos”, ele viajou por 5 países em busca de retratos que pudessem passar a essência e a singularidade daquela região. Os destinos foram Namíbia, Níger, Quénia, Mali e Etiópia.

Ele conta que estas foram algumas das pessoas mais felizes que ele já conheceu, apesar de sua simples condição de vida. “Eles vivem em ambientes agressivos, mas ainda assim trazem cor e alegria para o mundo”, disse Mario ao Daily Mail.

E ele completa: “Muitas das pessoas que viram minhas fotos disseram que elas as fizeram repensar em suas vidas e no verdadeiro significado do que é felicidade”.

nomades-africanos1

Para o Bored Panda, Mario escreve um texto autobiográfico e nos descreve um pouco mais de sua experiência: “Eu já testemunhei uma Guerra Civil, pobreza, ditadura e muita violência. Depois de uma viagem de 4 anos e 40 mil km de bike, eu me apaixonei pela África. E para retratá-la, percorri mais centenas de quilômetros a pé, de barco, de jipe, sozinho… As fotografias são a homenagem que eu deixo. É uma coleção de retratos íntimos de um grande continente que respira uma diversidade e uma naturalidade que está faltando no mundo ocidental”.

nomades-africanos17

nomades-africanos18

nomades-africanos19

nomades-africanos20

nomades-africanos16

nomades-africanos15

nomades-africanos14

 

nomades-africanos10

nomades-africanos9

nomades-africanos8

nomades-africanos7

nomades-africanos6

nomades-africanos12

nomades-africanos5

nomades-africanos4

nomades-africanos3

nomades-africanos2

Todas as fotos: ©Mario Gerth

Marca japonesa cria chocolate em fatias para comer com sanduíche

 
A humanidade acaba de chegar ao seu último estágio de evolução alimentar e os mais remotos sonhos comestíveis estão enfim se tornando uma realidade. Essa parece ser a única explicação para que uma marca japonesa tenha se dedicado a criar um chocolate que vem em fatias embaladas individualmente similares às de queijo, para comermos no sanduíche.

A textura macia do chocolate criado pela empresa Bourbon permite que ele seja usado também na criação de doces diferenciados. Os gulosos de plantão poderão adquirir 12 embalagens com cinco fatias cada por 3.240 ienes (cerca de R$ 100) no site da empresa.

Infelizmente, o produto ainda não está à venda em terras tupiniquins, mas fica a ideia para quem quiser chegar à frente.

chocolate10

Todas as fotos: Divulgação

Artista cria pingentes de vidro que parecem guardar planetas e pedaços de galáxias

 

Lá em cima, onde nossos olhos nem alcançam, existe um céu tão tão lindo, que realmente deve permanecer sagrado. Trazendo um pouquinho de seus elementos para perto dos seres humanos, o artista Tomizu Satoshi cria pingentes de vidro que simulam planetas e galáxias em seu interior, como se a gente pudesse guardá-los ali dentro. 

Diretamente do Japão, as cenas cósmicas de cores vibrantes são feitas com opalas, flocos de ouro, vidro colorido, bolhas de ar e outros elementos capazes de formar estes pequenos organismos que permeiam o espaço. O trabalho minucioso rendeu ao artista alguns destaques, como o recente prêmio Atelier Nova Design Award ou a presença no Handmade in Japan Festival.

Feitas a mão, as peças artesanais são leves e resistentes, não havendo a necessidade de quaisquer manutenção. Olha só:

satoshi-tomizu13

satoshi-tomizu12

satoshi-tomizu11

satoshi-tomizu10

satoshi-tomizu9

satoshi-tomizu8

satoshi-tomizu5

satoshi-tomizu4

satoshi-tomizu3

satoshi-tomizu2

satoshi-tomizu6

satoshi-tomizu7

satoshi-tomizu

satoshi-tomizu15

Todas as fotos © Tomizu Satoshi

Os itens podem ser adquiridos online através do site oficial da marca de Satoshi.