Conheça os homens que passam suas noites sendo babás de bebês elefantes órfãos

Elefantes órfãos no Quênia possuem um destino quase certo: o Orphans’ Project, da organização David Sheldrick Wildlife Trust. No local, os filhotes são acompanhados dia e noite por cuidadores prontos a satisfazer todas as suas necessidades e suprir a falta dos pais dos animais.

Como os elefantes bebês costumam estar sempre acompanhado da mãe quando vivem na natureza, o acompanhamento dos cuidadores é bastante importante para os órfãos. Eles dormem ao lado dos animais e precisam acordar a cada três horas para alimentá-los. Quando um cuidador esquece, os próprios filhotes dão conta de lembrá-lo, arrancando as cobertas dele no meio da noite, segundo contaram ao The Dodo.

Isso acontece porque os bebês elefantes têm um comportamento bastante similar ao de bebês humanos: eles precisam se alimentar com frequência, dormem muito e acordam durante a noite. Talvez por isso, muitos dos cuidadores que trabalham no David Sheldrick Wildlife Trust também tenham filhos na vida real – e saibam exatamente como cuidar de um ser vivo em seus primeiros anos de vida.

Estas pessoas trabalhando tão próximas aos elefantes também têm uma vantagem: elas podem observar estes enormes animais dormindo. Alguns cuidadores contaram ao The Dodo que é comum encontrar alguns bichos que roncam ou mesmo que movimentam as pernas enquanto sonham. Dá para imaginar o barulho que faz uma dessas coisinhas fofas?

Todas as fotos © David Sheldrick Wildlife Trust /fonte:via

Anúncios

Ele transforma estátuas clássicas em personagens durões por meio de tatuagens incríveis e detalhadas

A brancura do mármore ganha novas cores sob as mãos do artista italiano Fabio Viale. Graças a ele, os personagens retratados pelas estátuas parecem ser transformados rapidamente em pessoas duronas. Tudo isso devido a um elemento que ele adiciona às suas criações: a inspiração nas tatuagens, principalmente aquelas usadas para identificar membros de presídios russos e japoneses.

De acordo com o deMilked, Fabio trabalha com mármore desde os 16 anos e é apaixonado pela versatilidade do material. As estátuas criadas por ele são inspiradas em clássicos como o Davi de Michelangelo ou em esculturas gregas, por exemplo.

Após moldados, os blocos de mármore servem de tela para que o artista desenhe incríveis tatuagens que contrastam com a clareza do material e dão um toque de rebeldia a cada estátua.

Todas as fotos © Fabio Viale /fonte:via

Já ouviu falar da cidade dos gatos?

A cidade de Kuching, no estado de Sarawak, na Malásia, é repleta de gatos. Há gatos nas calçadas, nos sinais de trânsito, nos parques, nos telhados, mas a maioria da população felina de lá são apenas estátuas e esculturas instaladas pelas pessoas da cidade obcecadas por gatos.

01
JKT-c/Wikimedia

A obsessão vem desde o nome da cidade. Acredita-se que “Kuching” é uma derivação da palavra “kucing”, que significa gato, mas também é provável que tenha sido originada de “cochin”, uma palavra chinesa para porto. Outros acreditam que o nome foi derivado de uma fruta chamada “mata kucing” que cresce amplamente na Malásia e na Indonésia. A história local também sugere que a cidade recebeu o nome de uma pequena corrente chamada “Sungai Kuching” ou Cat River em inglês, que atravessou a cidade.

02
Colin Charles/Flickr

O estado de Sarawak já fazia parte do Sultanato do Brunei há cerca de 200 anos, mas, como recompensa pela ajuda para fazer uma rebelião, foi cedido ao aventureiro britânico James Brooke, que o governou como seu reino pessoal. A família Brooke governou Sarawak até a ocupação japonesa em dezembro de 1941.

03
Colin Charles/Flickr

De acordo com uma fábula frequentemente repetida, quando James Brooke chegou pela primeira vez em Kuching, ele pediu ao seu guia local o nome da cidade. O guia pensando que James Brooke estava apontando para um gato, disse “Kuching”.

04
sarawakborneotour.com

A atração de gato mais famosa de Kuching é o Museu do Gato, contendo mais de 4 mil artefatos, incluindo pinturas e objetos relacionados a gatos. As exposições incluem um gato mumificado do antigo Egito, uma galeria de propaganda relacionada com felinos e as cinco espécies de gatos selvagens encontradas em Bornéu.

05
Fiona Forsyth/Flickr

06
Adamina/Flickr /fonte:via

O que essa mulher de 86 anos fez com sua coleção de porcelana é inacreditável

Yu Ermei, uma chinesa de 86 anos, passou os últimos seis construindo um palácio todo feito de porcelana, em uma aldeia perto de Jingdezhen, no leste da China.

Durante toda a sua vida, Yu colecionou porcelanas, mas nunca soube o que fazer com elas. Foi daí que surgiu a ideia do palácio, logo após conhecer a Casa de Porcelana de Tianjin, localizada na cidade de Tianjin.

Sua coleção de 60 mil peças foi toda utilizada no palácio, que ficou pronto em 2016 e conta com três andares e diversas referências à cultura chinesa, como dragões, símbolos de Tai Chi e sinais do horóscopo chinês.

Após trabalhar em diversas fábricas, a chinesa abriu sua própria empresa de porcelanas, e passou a vender produtos para a China e exterior, tornando-se milionária. Com isso, acumulou uma enorme fortuna, e pode se dar ao luxo de gastar cerca de 900 mil dólares na construção do local de mais de 1.200 metros quadrados. Parece que valeu a pena, não?

Todas as imagens © Xinhua/China News/Sina/fonte:via