Um bom e sólido motivo para visitar a Tasmânia

Situada a 250 km do sul da Austrália, a ilha Tasmânia, é composta de deslumbrantes colunas de rocha que se sobressaem até 300 metros do nível do mar. Essas rochas são o que os geólogos chamam de doleritos, com sua forma alongada distinta e suas colunas hexagonais.

Os doleritos se formam quando as rochas fundidas empurradas para cima da parte inferior do abismo da terra esfriam rapidamente e cristalizam para formar pequenos cristais visíveis na rocha.

Essas impressionantes colunas de dolerite na Tasmânia provavelmente se formaram no período jurássico, cerca de 185 milhões de anos atrás durante um evento vulcânico maciço que cobriu até um terço da ilha. As colunas são na verdade uma parte de uma formação contínua com mais de 4 mil km de extensão que se estende da Austrália através da Tasmânia e da Antártida.

dolerite-column-tasmania-76
Nishi Wojnar/Flickr

dolerite-column-tasmania-12
www.australiantraveller.com

dolerite-column-tasmania-32
JERRYE & ROY KLOTZ MD/Wikimedia

dolerite-column-tasmania-42
Or Eli/Flickr

dolerite-column-tasmania-52
Gav Owen/Flickr

dolerite-column-tasmania-26
JERRYE & ROY KLOTZ MD/Wikimedia

dolerite-column-tasmania-82
Henry Cook/Flickr fonte:via

Anúncios

Menina vê noiva na rua e pensa que ela é a princesa de seu livro, sem enxergar diferenças raciais

Quando enxergam o mundo com olhos de fantasia e imaginação, as crianças muitas vezes deixam de olhar com olhos de preconceitos e das coisas que nos separam ao invés de nos unir.

E foi isso que o casal americano Shandace e Scott aprenderam com uma criança que passava por eles, com sua mãe, no momento do casamento dos dois, em Seattle, nos EUA. A menina carregava um livro que trazia uma mulher com um vestido branco na capa – e pensou que Shandace, em seu vestido de noiva, era a heroína de seu livro.

A única coisa que a criança não viu era que, diferentemente da pessoa desenhada na capa do livro, Shandace é negra. O livro é A Mulher de Branco, de Wilkie Collins, um romance de mistério do século XIX que não foi escrito para crianças. A menina ainda não sabe ler, e simplesmente gosta de carrega-lo e fingir o estar lendo, por conta da imagem da capa, como se fosse um livro de princesa – e ao ver Shandace vestida de noiva, teve certeza que ela era a princesa de seu livro.

A noiva e seu marido Scott tiravam fotos do casamento já na rua, quando perceberam a atenção devotada pela criança em olhar para a noiva. Os dois pararam então a sessão para poderem conversar com a pequena e tirar com ela algumas fotos – que, pela expressão de encanto da criança, acabaram entrando de fato no álbum de casamento do casal.

Scott, o noivo, decidiu então publicar as fotos para tentar localizar a mãe e a própria menina, e sua publicação em dois dias teve mais de 600 mil visualizações. “Acho que as pessoas estão se conectando com sua criança interior ao ver estas fotos, e se contagiam com a felicidade expressada pela menina”, comentou Shandace. Ver o mundo com olhos de criança pode ser de fato transformador – sem enxergar os mais difíceis limites do olhar adulto.

Todas as fotos © Stephanie Cristalli fonte:via

Fotógrafo registra os surreais rituais da tribo indiana que ‘dança com os mortos’

Entre o oeste da Índia e o leste de Bangladesh fica uma região conhecida como Bengala, onde há mais de dois mil anos vive o povo bengali. Seu calendário determina que os anos terminam quando, no calendário gregoriano, estamos entre março e abril, e uma espécie de ‘dança com os mortos’ faz parte da tradição de ano novo.

(Atenção: esse post contém imagens fortes)

A grande maioria da população bengali é Hindu, e participa de um festival conhecido como Gajan para fazer homenagens a Shiva. O princípio dos atos é obter satisfação a partir de dores não-sexuais, devoção e sacrifícios. Os rituais incluem jejuns e orações para pedir por chuvas e boas colheitas.

Avishek Das, fotógrafo indiano interessado pela cultura bengali, viajou até um vilarejo chamado Bardhaman para acompanhar a Dança dos Mortos, ritual que apenas algumas tribos da região praticam. Por lá, é comum queimar os corpos após a morte, mas as famílias que não têm dinheiro o suficiente optam por enterrá-los.

Durante o Gajan, cabeças de corpos que foram enterrados de um a dois meses antes são retiradas dos ‘cemitérios’ e utilizadas em rituais encarados como símbolos da vida e promessas de dedicação a Shiva. A população acredita que celebrar o Gajan ajuda a remover o sofrimento do ano que termina e a pedir prosperidade para o ciclo que vai começar em breve.

Avishek Das registrou imagens de um desses rituais, mas explicou que só obteve autorização para fotografar na principal rua do vilarejo. Há partes das festividades proibidas para quem é de fora, incluindo o processo pelo qual as cabeças são obtidas.

Fotos © Avishek Das fonte:via

10 adolescentes que lutaram contra Hitler na Segunda Guerra Mundial

A Segunda Guerra Mundial foi um dos momentos mais tristes de toda a história da humanidade. As pessoas em todo o mundo na época ficaram horrorizadas com as ações de Adolf Hitler e da ideologia nazista. Jovens e adolescentes não foram uma exceção. Pessoas muito novas em todo o mundo queriam fazer o que pudessem para impedir os horrores de Hitler. Os seguintes 10 adolescentes extraordinários arriscaram suas vidas para lutar contra a ideologia nazista e salvar os perseguidos e oprimidos.

10. Jack Lucas

Jack Lucas, de quatorze anos, estava ansioso para ir à guerra. Ele mentiu sobre sua idade e forjou a assinatura de sua mãe nos documentos de alistamento. Lucas conseguiu se qualificar como um atirador dos fuzileiros navais. No entanto, não demorou muito para os oficiais perceberem que Lucas era menor de idade. Eles ameaçaram mandá-lo para casa, mas o jovem contou-lhes que ele simplesmente se alistaria novamente no exército. Os oficiais lhe deram então um cargo seguro: dirigir um caminhão de transporte no Havaí.

Três anos se passaram e Lucas não viu nenhum combate. Ele estava preocupado com o fato de nunca realmente ver alguma ação. Então o jovem se colocou em um navio para Iwo Jima e logo estava lutando contra soldados japoneses. Lá, duas granadas caíram na sua trincheira. Lucas disse a seus companheiros fuzileiros navais para correr, e mergulhou nas granadas. Uma explodiu.

Lucas mal conseguiu sobreviver à explosão. Ele precisou passar por 26 operações para reparar seus ferimentos. Mesmo depois de suas cirurgias, Lucas ainda tinha mais de 200 peças de estilhaços embutidas em seu corpo. Ele foi aposentado pelos fuzileiros navais e premiado com a Medalha de Honra.

 

9. Zinaida Martynovna Portnova

Zinaida Portnova tinha quinze anos quando o exército alemão invadiu a Bielorrússia. Sua avó teve uma discussão com um dos soldados, e ele bateu nela. Este incidente deixou Portnova com um profundo ódio pelos nazistas, e ela se juntou a um movimento de resistência subterrânea.

Portnova começou a distribuir propaganda soviética, coletar armas para tropas soviéticas e relatar movimentos de tropas alemãs. Dentro de um ano, ela aprendeu a usar armas e explosivos. Portnova ajudou a explodir vários edifícios, que mataram mais de 100 alemães.

Depois disso, ela começou a trabalhar como assistente de cozinha, dando comida envenenada para as tropas alemãs. Portnova tornou-se imediatamente suspeita. Ela defendeu sua inocência e comeu um pouco da comida envenenada para provar que não havia nada de errado. Como não ficou doente, Portnova foi libertada.

No entanto, ela ficou extremamente doente em seu caminho para casa e mal se recuperou. Quando Portnova não voltou ao trabalho, os alemães perceberam que ela realmente os havia envenenado e então começaram a procurá-la.

Portnova tornou-se uma batedora do exército e foi capturada em uma de suas missões. Durante seu interrogatório, ela pegou a arma do oficial nazista e atirou nele e nos outros dois soldados. Embora Portnova tenha tentado escapar, ela foi capturada, torturada e executada. Ela tinha 17 anos.

 

8. Stefania Podgorska

Stefania Podgorska (foto acima, à direita), de dezesseis anos, foi trabalhar para uma família judaica, a Diamants, depois que seu pai morreu. Ela se aproximou dos Diamants e mudou-se para a casa deles. Infelizmente, Hitler logo invadiu a Polônia e os Diamants foram forçados a viver em um gueto.

Podgorska voltou para a casa de sua família depois que sua mãe e seu irmão foram enviados para campos de trabalho forçado. Ela tinha que cuidar de sua irmã de seis anos. As irmãs eram pobres, e tinham que vender roupas para se alimentar.

No entanto, quando Podgorska descobriu que as pessoas no gueto iam morrer, ela sabia que precisava ajudá-los. Ela se ofereceu para abrigar vários judeus – incluindo Max Diamant, o filho de seus antigos empregadores. Podgorska logo estava abrigando 13 pessoas judias.

Ela arrumou um emprego em uma fábrica e usou o dinheiro para alugar uma casa maior. Mas ainda era difícil sustentar 15 pessoas. Podgorska começou a confeccionar camisolas por dinheiro e comida, que ela muitas vezes tinha que comprar no mercado negro. Ela vivia com medo constante de que alguém descobrisse seu segredo, então ela parou de falar com pessoas fora de sua casa.

5 ideias incorretas sobre a Segunda Guerra Mundial

 

Um dia, soldados alemães entraram em sua casa e disseram a Podgorska que ela tinha que deixar a casa dentro de duas horas. Ela se recusou a sair. Podgorska sabia que, se fosse embora, todos os 13 judeus morreriam. Felizmente, os soldados alemães nunca voltaram.

Oito meses depois, o exército soviético veio e liberou a cidade de Podgorska. Todos os judeus foram finalmente libertados depois de dois anos e meio se escondendo. Max Diamant e Podgorska acabaram se casando e se mudando para os Estados Unidos.

7. Simone Segouin

Simone Segouin, de dezoito anos, estava determinada a ajudar a livrar a França do exército alemão. Ela se juntou à resistência francesa e começou a atrapalhar os nazistas, da forma que pudesse. Sua primeira missão foi roubar uma bicicleta de um soldado alemão. Ela conseguiu. O veículo foi pintado, e Segouin a usou para enviar mensagens.

Em breve, ela assumiu missões mais difíceis. Seu tenente pediu-lhe para ajudá-lo a explodir uma ponte. Segouin recebeu uma arma e ordenou a guarda da área contra os alemães. Ela não teve que disparar um tiro, mas seu tenente admirou sua bravura. Então, Segouin foi autorizada a fazer trabalhos mais perigosos.

Ela se juntou a seus colegas membros da resistência quando estes explodiram pontes e descarrilaram trens. No final da guerra, Segouin se tornou um soldado. Ela lutou na batalha para libertar Chartres, sua cidade natal, e ajudou a capturar 25 soldados alemães. Segouin se juntou às tropas francesas em sua marcha a Paris e ajudou a libertar a capital francesa também.

 

Foi promovida a tenente e recebeu a Croix de Guerre por seu heroísmo.

6. Bernard Bouveret

Bernard Bouveret tinha dezesseis anos quando se juntou ao Serviço Secreto Suíço. No começo, ele apenas transmitiu mensagens e informou sobre os movimentos dos soldados alemães. No entanto, ele logo se tornou um contrabandista. Ele e 14 outras pessoas passaram a transportar granadas, pólvora, microfilmes e pessoas para a Suíça, onde elas estariam seguras.

Era um trabalho perigoso que precisava ser feito de noite. No entanto, havia um toque de recolher entre as 11h da noite e as 5h da manhã. Os soldados alemães disparariam em qualquer pessoa que vissem durante esse período. De fato, um dos amigos de Bouveret foi abatido durante uma missão.

No entanto, Bouveret e seu grupo continuaram a levar fugitivos para a fronteira suíça, onde eles eram alojados com famílias de acolhimento. Essas famílias ajudaram os fugitivos a se aproximarem da Suíça, onde poderiam ser alojados em campos de internação. Bouveret e seu grupo salvaram centenas de pessoas.

Infelizmente, Bouveret foi apanhado pelos alemães em 1943 e enviado ao campo de concentração de Dachau. O jovem, porém, sobreviveu. Ele permaneceu em Dchau até ser libertado pelos Aliados em 1945.

 

5. Charlotte Sorkine

Aos 17 anos, Charlotte Sorkine era a mais jovem membro do grupo de resistência francesa. Ela criou milhares de documentos falsos para pessoas perseguidas pelos nazistas e levou grupos de pessoas procuradas para fora do país. Sorkine ajudou seu próprio pai a escapar do país. No entanto, ela decidiu ficar. Ela queria fazer tudo o que pudesse para ajudar a lutar contra os soldados alemães.

Depois que Marianne Cohn foi presa, torturada e morta pelos nazistas, Sorkine assumiu seus deveres. Ela ajudou a trazer dezenas de crianças para a Suíça, onde elas estariam seguras. Sorkine continuou a fazer documentos e levar as pessoas à segurança até que muitos membros de seu grupo de resistência fossem presos.

Então ela se juntou a um grupo de resistência diferente que se concentrava nos combates. Sorkine obteve e transportou armas, plantou explosivos em lugares onde soldados alemães se encontravam e participou ativamente da libertação de Paris.

Após a guerra, Sorkine recebeu muitos prêmios por suas ações, incluindo a Medalha da Resistência e a Croix du combattant volontaire de la Résistance.

4. Sonia Butt

 

Sonia Butt, de dezessete anos, se juntou à Women’s Auxiliary Air Force no dia em que ela se tornou elegível para o serviço. Dentro de dois anos, chamou a atenção do Executivo de Operações Especiais, que estava procurando potenciais espiãs femininas.

Ela literalmente caiu de paraquedas no norte da França para atuar como intermediária entre as tropas aliadas e a resistência francesa. Butt também era responsável por descobrir novas informações. Ela teve que jantar com oficiais alemães e flertar com eles para consegui-las.

Butt era especialista em explosivos, e ela usou as informações que conseguiu para explodir pontes e comboios alemães. Depois que o oficial de armas da unidade foi morto, ela assumiu os seus deveres e treinou novos recrutas em armas e explosivos.

Seu trabalho tinha muitos perigos. Certa vez, ela foi emboscada por alemães a caminho de enviar uma mensagem. Eles a derrubaram de sua moto e a interrogaram. Os soldados a espancaram até ela sangrar e depois a estupraram. Eles a deixaram sangrando no chão, e ela se refugiou em um celeiro próximo. No dia seguinte, ela entregou a informação que estava carregando e retornou da mesma maneira que havia chegado.

Após a guerra, Butt recebeu um MBE (Membro da Mais Excelente Ordem do Império Britânico). Ela se casou com um colega agente, e o casal mudou-se para o Canadá.

 

3. Masha Bruskina

Masha Bruskina, de dezessete anos de idade, era membro da resistência de Minsk, na Rússia. Ela se ofereceu como voluntária em um hospital que cuidava de soldados feridos do Exército Vermelho. Bruskina fez mais do que cuidar dos feridos. Ela ajudou os soldados a escapar, conseguindo para eles roupas civis e falsos documentos de identidade.

Porém, um de seus pacientes delatou-a aos alemães. Bruskina foi capturada e torturada por vários dias, mas ela se recusou a dizer os nomes de outros membros do seu grupo. Ela foi condenada a ser enforcada publicamente.

Bruskina foi exibida pelas ruas, mas ela caminhou calmamente até a morte. Quando ela foi colocada no banquinho, ela virou as costas para a multidão. Isso irritou os carrascos, que queriam que a jovem ficasse com seu rosto voltado para as pessoas. Eles tentaram forçá-la a se virar, mas não tiveram sucesso.

O corpo de Bruskina ficou pendurado por três dias antes que os alemães permitissem que a cidade a enterrasse.

2. Truus Oversteegen

 

A família inteira de Truus Oversteegen discordava da ideologia nazista, então eles ajudaram os povos judeus e os refugiados políticos a atravessar ilegalmente a fronteira entre a Alemanha e os Países Baixos. Truus, de dezesseis anos (foto acima, à direita) estava ansiosa para fazer mais. Quando um membro da resistência holandesa pediu-lhe que ela se juntasse a eles, ela aproveitou a chance. Oversteegen começou com missões simples – suas primeiras tarefas eram a distribuição de folhetos e jornais ilegais e buscar ajuda para os refugiados.

Mas Oversteegen logo assumiu missões mais sérias. Ela entrou em campos de concentração, forneceu documentos falsos e extraiu crianças judaicas. Oversteegen e seus colegas membros da resistência encontraram esconderijos para as crianças.

Oversteegen foi então convidada a se juntar à resistência armada, e ela prontamente aceitou. A jovem recebeu treinamento militar e aprendeu como atirar. Seu primeiro trabalho era flertar com soldados alemães e levá-los para a floresta. Lá, eles seriam baleados por outros membros da resistência. Logo, Oversteegen estava atirando em soldados e explodindo pontes.

Suas ações irritaram os alemães, que ofereceram 50 mil florins (mais de 150.000 dólares hoje) por sua captura. Ela nunca foi pega.

1. Adolfo Kaminsky

Adolfo Kaminsky abandonou a escola aos 13 anos para ajudar sua família. Ele trabalhava para um tintureiro de roupas – algo semelhante a uma limpeza a seco moderna. Kaminsky passou horas aprendendo a remover manchas de tecido, e ele desenvolveu um amor pela química. Ele começou a ler livros de química e a realizar experimentos em casa. O jovem também passava os fins de semana trabalhando para um químico em um laticínio.

 

Os nazistas invadiram seu país quando ele tinha 16 anos, mas Kaminsky e sua família evitaram a permanência em um campo de concentração. Eles tiveram que ir para o subsolo para sobreviver.

Um dia, o pai de Kaminsky enviou-o para pegar documentos falsos de um grupo de resistência judaica. Quando Kaminsky chegou lá, ele foi informado de que o grupo estava lutando para remover uma tinta azul dos documentos. Ele disse a eles que usassem ácido lático, um truque que ele havia aprendido no laticínio. Funcionou, e Kaminsky foi convidado a se juntar à resistência.

Em seu aniversário de 19 anos, Kaminsky salvava a vida de milhares de pessoas fazendo documentos falsos: cartões de identidade que não mostravam que eles eram judeus, passaportes estrangeiros e bilhetes de trem. Ele nunca recebeu um centavo por seu trabalho. Ele só queria ajudar as pessoas desfavorecidas. Kaminsky continuou seu trabalho após a Segunda Guerra Mundial, fornecendo documentos falsos para pessoas carentes em todo o mundo.

Fonte: [Listverse] [via]