Alunos da Ufam fizeram ensaio dentro do ônibus para relatar desafios da graduação

Quem usa o transporte público para estudar sabe o quanto é difícil chegar no horário. Agora, imagine só se você é aluno da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e precisa atravessar todos os dias a maior área verde de zona urbana do Brasil. A terceira do mundo.

Para celebrar esta conquista, muitas vezes mais desafiadora do que uma defesa de tese de sucesso, os estudantes de administração da Ufam resolveram apostar na criatividade e realizaram o ensaio de colação de grau dentro de um ônibus.

O book no coletivo foi recebido com muitas risadas pelos colegas de universidade, que se encantaram com a criatividade dos formandos. E claro, como a ideia era ser fiel aos acontecimentos da vida real, as fotografias foram tiradas por Marcos Albuquerque com o busão em movimento  e com os alunos em pé. Sim, a vida como ela é.

“Não que não fosse legal fazer um book fotográfico em um hotel, mas não era minha realidade como aluno. Seriam fotos lindas, mas a minha realidade não foi essa. Minha realidade é a Ufam”, relatou ao G1 Rafael Barros, que convenceu mais 22 amigos a comprarem sua ideia.

A Universidade Federal do Amazonas possui uma área verde de aproximadamente 6,7 milhões de m². O caminho dos alunos não é nada fácil e, além de passar horas dentro do ônibus, eles precisam conviver com animais silvestres. O percurso de ida e volta para o campus é de 12 quilômetros.

A colação de grau está marcada para o dia 15 de agosto.

Fotos: Marcos Albuquerque/Reprodução /fonte:via

Anúncios

O emocionante reencontro de gato com sua humana após 13 anos de separação

Constatar que seu animal de estimação desapareceu é terrível. Aviso aos amigos, anúncios em jornais e distribuídos por postes e, hoje, nas redes sociais, nem sempre resultam em final feliz. Foi assim com a inglesa Janet Adamowicz, que vive em Harrogate.

Em 2005, sua gatinha Boo, então com quatro anos, desapareceu. Janet fez tudo o que era possível para encontrá-la, mas não teve sucesso. Depois de um ano de busca, desistiu e aceitou que o melhor a fazer era acreditar que Boo estava em um novo lar onde recebesse carinho e atenção.

Hoje, ela cuida de dois gatos, Ollie, que adotou em 2008, e Tessie, desde 2014. Ao receber a ligação de uma clínica veterinária que dizia estar com seu gato perdido, ela estranhou. “Os dois estão comigo”, disse, antes de ser surpreendida com a notícia de que estavam falando de Boo.

A gatinha foi encontrada Pocklington, cidade a mais de 60 km de onde Janet vive. Ao analisar os dados contidos em um microchip instalado no animal, os veterinários localizaram Janet e seu telefone de contato. Foram quase 13 anos separadas.

De acordo com Janet, ao rever Boo ficou nítido que a gata se lembrava dela. “Apesar de ter só cinco anos quando se perdeu, ela ainda se recorda de mim e tem sido minha sombra desde que voltou para casa”, disse.

Boo reconheceu a dona na hora, e em poucos minutos ela estava esfregando o rosto, pedindo carinho e miando”, contou uma das pessoas que trabalha na clínica. “Garantimos que não houve um olho seco em todo o prédio”, completou.

Janet contou que Boo sempre gostou de sair e passear, mas que voltava para casa todas as vezes. É impossível saber como ela foi parar em uma cidade a mais de 60 km de distância, mas os veterinários acreditam que ela viveu nas ruas esse tempo todo, procurando comida ou sendo alimentada por humanos. Apesar de estar um pouco desidratada, ela foi encontrada em boas condições de saúde e passa muito bem.

Fotos via SWNS /fonte:via